Meio Ambiente

Embrapa Pantanal participa de Fórum sobre meio ambiente em Corumbá

Na tarde desta terça-feira, dia 03, representantes da Embrapa Pantanal participaram do primeiro Fórum Social Temático sobre o Meio Ambiente, realizado pela Fundação de Meio Ambiente do Pantanal (FMAP) e parceiros. Com o tema “Meio Ambiente: refletindo as estratégias de enfrentamento no atual contexto político e econômico”, o fórum discutiu as ações a serem realizadas pela Fundação no próximo ano, abordando também as parcerias firmadas para isso.
“Falamos separadamente com cada parceiro – como a Embrapa, a Vale, a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Polícia Militar Ambiental e comunidades, também – e juntos, fomos definindo algumas estratégias para ações rápidas no ambiente”, afirma a vice-prefeita e diretora-presidente da Fundação, Márcia Rolon. Ainda de acordo com Márcia, essas estratégias incluem ações como ênfase à educação ambiental, recuperação de lixeiras nas praças, hortas comunitárias e a regularização do aterro sanitário. Para o prefeito Paulo Duarte, “a conservação ambiental é uma questão de sobrevivência e precisa da participação de todos”.
Entre os representantes da Embrapa, estavam as pesquisadoras Suzana Salis, Márcia Divina e o pesquisador Herony Mehl, além da chefe-geral da unidade, Emiko Resende. Durante o evento, Emiko falou sobre a parceria entre as instituições e Herony ministrou uma palestra para apresentar o Sistema de Produção Integrada Alternativa de Alimentos, conhecido como sisteminha Embrapa – um tanque instalado para a produção de peixes que utiliza os resíduos da criação dos animais como insumo fertilizante para o cultivo de hortaliças. “O sisteminha prioriza a inclusão da agricultura familiar com ênfase na segurança alimentar, nutrição e saúde a partir da miniaturização e escalonamento da produção agrícola”, afirma o pesquisador.
Esse sistema, de acordo com a chefe-geral, deve ser implantado no próximo ano em uma unidade demonstrativa na cidade, o Lar de Ismael, em função da parceria firmada pela instituição com a prefeitura. “Ele foi desenvolvido para combater a insegurança alimentar, para as populações rurais terem o mínimo de alimento em termos de proteína, vegetais e outras coisas mais. E ele está dando tão certo que, a partir do instante em que os pequenos agricultores assumem esse sisteminha, eles começam a produzir um pouco mais, têm a capacidade de vender ede aumentar, então, a sua renda familiar”, afirma Emiko.

Foto: Nicoli Dichoff

Nicoli Dichoff - Unidade será parceira de ações que promovam a conscientização ambiental na cidade

Unidade será parceira de ações que promovam a conscientização ambiental na cidade

Ainda segundo a chefe-geral, a simplicidade do sistema favorece o uso de materiais reciclados, reaproveitados e de baixo custo, podendo também ser instalado em áreas urbanas. Na região pantaneira, os tanques devem produzir pacus em terrenos baldios de Corumbá. Os sistemas deverão ser mantidos pela própria comunidade. “Vai depender da população querer. Se eles forem empreendedores, quiserem uma condição de vida melhor e batalharem por isso, essa tecnologia, certamente, é uma das mais adequadas”.

Nicoli Dichoff (MTb 3252/SC)
Embrapa Pantanal

Ler matéria completa

Vagner Liberato

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro.
Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável.
Desde 2015 faço o Jornal Sustentabilidade com maior prazer!

Para falar comigo, entre em contato pelo email:
contato@meioambienterio.com

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker