Meio Ambiente

Andiroba: um óleo de muitos usos

Azeite de andiroba: um óleo de muitos usos

A Embrapa vai lançar uma cartilha de manejo de andirobeiras, no estande da instituição, localizado no Pavilhão de Negócios da 51ª Expofeira do Amapá, neste sábado, às 20 horas. A publicação é assinada pela pesquisadora Ana Cláudia Lira Guedes, da Embrapa Amapá, e pela analista do Instituto Estadual de Florestas (IEF), Mariane Nardi. O lançamento contará com a presença de extratores de óleo de andiroba da Área de Proteção Ambiental da Fazendinha, localizada no município de Macapá (AP).  Composta de 23 páginas, a cartilha traz orientações baseadas na prática dos extrativistas de regiões ribeirinhas do estuário do Amapá, e no conhecimento técnico de pesquisadores. A cartilha tem o objetivo de orientar extratores de óleo de andiroba no manejo das florestas, com foco na ecologia, segurança do trabalho e padrões de higiene a fim de garantir a qualidade do produto final.

Conteúdo – A partir do conceito do uso múltiplo do óleo da andiroba, a cartilha faz as indicações da escolha de área onde pode ser feito o manejo para a extração de óleo; escolha das andirobeiras, época de coleta de sementes; método de coleta das sementes; tratamento contra a broca-da-andiroba e higiene das sementes e aspectos do rendimento. A obra é baseada no processo de extração artesanal, descrevendo as fases de cozimento e repouso, descasca e preparo da massa, preparo da massa (em forma de “bola” e “pão”), processo de descida do óleo, recipiente para armazenar, e as questões referentes à extração à sombra e ao sol. Como anexos, constam os modelos de fichas de inventário e de controle de produção da andirobeiras.

A publicação tem como título “Guia prático para o manejo sustentável de andirobeiras de várzea e para a extração do óleo de suas sementes” e sistematiza os conhecimentos obtidos durante as atividades de pesquisa participativa e de assistência técnica, realizadas na APA da Fazendinha. A Embrapa tem a expectativa de que sirva como referência para os segmentos envolvidos na cadeia produtiva da andirobeira, especialmente os coletores de sementes e extratores do óleo.

 

Foto: Mariane Nardi

Mariane Nardi - A cartilha é baseada no processo de extração artesanal do óleo da andiroba

A cartilha é baseada no processo de extração artesanal do óleo da andiroba

 

Homenagem – No guia, as autoras prestam uma homenagem póstuma à extratora Maria das Graças Souza da Silva, parceira dos pesquisadores na obtenção dos dados, “pela significante contribuição na confecção desta cartilha, através da transmissão de seu conhecimento empírico. Sentimos e lamentamos a perda desta trabalhadora, ocorrida na conclusão deste trabalho, e deixamos aqui o registro do convívio desta amiga na exata medida, sem que a emoção da saudade nos domine, mas que antes lembremo-nos de seu fundamental papel na elaboração deste guia”.

No Amapá, as principais localidades de estudos das andirobeiras, pela Embrapa, são as florestas de várzea da APA da Fazendinha, Campo Experimental da Embrapa em Mazagão e Reserva Extrativista do Rio Cajari, onde também há ocorrência em áreas de terra firme. A espécie apresenta elevado valor social e mercado crescente. Os estudos foram iniciados no âmbito do Projeto Kamukaia e prosseguem por meio de dois projetos liderados pela Embrapa Amapá: Projeto Florestam (Ecologia e manejo florestal para uso múltiplo de várzeas do estuário amazônico) e um projeto viabilizado em parceria com o Suriname, intitulado “Crabwood oil (Carapa guianensis spp.) production in the Guyana Shield region, for the Amazon rainforest conservation as well as the strengthening of traditional communities”.

As principais características da andirobeira são árvores de porte médio e alto (podem chegar até 35 metros de altura nas florestas de várzea); não são árvores muito grossas e a copa não é muito espalhada; perde folhas o ano inteiro; as raízes são do tipo tabulares ou sapopema, que são mais sustentação à árvore. O fruto é um ouriço que se abre quando cai no chão, liberando sementes com peso elevado (em média 100 semesntes pesam 1 quilo) e formatos irregulares e angulosas na cor marrom. A quantidade de sementes em um fruto varia entre 4 a 16 sementes.

Serviço:

Evento: Lançamento do “Guia prático para o manejo sustentável de andirobeiras de várzea e para a extração do óleo de suas sementes”.

Local: Estande da Embrapa na 51ª Expofeira do Amapá.

Data: 7 de novembro (sábado)

Hora: 20 horas

 

Ouça o Prosa Rural (Programa de rádio da Embrapa) – Boas práticas para a extração tradicional do óleo de andiroba

https://www.embrapa.br/prosa-rural/busca-de-noticias/-/noticia/2263294/prosa-rural—boas-praticas-para-a-extracao-tradicional-do-oleo-de-andiroba

Dulcivânia Freitas (Jornalista DRT-PB 1.063/96)
Embrapa Amapá

Telefone: 0xx96-4009-9587

Vagner Liberato

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.