Meio Ambiente

Dengue: Veja aqui as medidas de prevenção

Dengue: Para a prevenção é fundamental evitar os locais que podem armazenar água limpa parada e evitar as picadas do mosquito da dengue, por isso é recomendado

O dengue apresenta-se nos grandes centros urbanos de várias regiões do mundo, inclusive do Brasil, sob a forma de epidemias de grande magnitude, e sob a forma hiperendêmica, nos lugares onde um ou mais sorotipos circularam anteriormente.

Mesmo considerando-se as lacunas dos conhecimentos disponíveis para prever, sob firmes bases científicas, as futuras ocorrências de epidemias das formas graves desta enfermidade.

O processo dinâmico e progressivo de seleção adaptativa para a sobrevivência das espécies, que ocorre cotidianamente na natureza, envolve importantes fenômenos que interferem no estado de saúde das populações humanas. Isto pode ser bem evidenciado na força da reemergência das infecções causadas pelos vírus do dengue, pois as agressões dos quatro sorotipos destes agentes às populações humanas vêm crescendo em magnitude e extensão geográfica, desde meados do século XX,1 em função da velocidade de circulação e replicação viral, facilitada pela extraordinária capacidade de adaptação das populações de mosquitos que lhes servem como transmissores, e pela incapacidade do homem, neste momento, de se proteger contra estas infecções.

Dengue

Dengue

Por questões econômicas, sociais e políticas, os países das Américas que erradicaram o Aedes aegypti, principal transmissor do vírus do dengue, nas décadas de cinqüenta e sessenta, em virtude da necessidade de eliminar a febre amarela urbana, não utilizaram oportunamente e com o rigor necessário, os conhecimentos técnicos e científicos adquiridos durante a execução daquela campanha, quando detectaram nos anos setenta a reinfestação de algumas áreas, por este vetor.

Como o ambiente dos centros urbanos favorece sobremaneira a dispersão e a elevação da densidade das populações desse mosquito, e há falhas nas estratégias de combate, a circulação dos vírus do dengue se estabeleceu e se expandiu, passando a constituir um grave problema de saúde pública neste final de século.

Combate ao Aedes aegypti

As ações de combate ao Ae. aegypti, único elo vulnerável da cadeia epidemiológica do dengue, estão centradas em duas estratégias, controle ou erradicação, que se diferenciam quanto às suas metas, o que implica distintas extensões de cobertura, estrutura e organização operacional. Entretanto, ambas incluem três componentes básicos: saneamento do meio ambiente; ações de educação, comunicação e informação (IEC); e combate direto ao vetor (químico, físico e biológico).51,53,54,55,56
Avanços contra a dengue

No Brasil, o Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Butantan também estão ” TENTANDO ” desenvolver uma vacina contra a dengue que seja totalmente eficaz contra os 4 subtipos da doença, estando prevista a sua comercialização em 2016.

Atualmente estão sendo feitos testes em várias cidades brasileiras para avaliar a segurança e eficácia da vacina, que aparentemente protege 66% da doença e tem se mostrado eficaz entre pessoas entre 9 e 45 anos de idade.

Na Austrália, um grupo de pesquisadores em parceria com a Fiocruz tentam encontrar uma nova arma contra a dengue, a bactéria Wolbachia que contamina o mosquito transmissor da dengue, o Aedes Aegypt diminuindo pela metade o seu tempo de vida e livrando-o do agente causador da doença.

Esta seria uma outra abordagem contra a doença, natural e mais sustentável, segundo os pesquisadores.

2011 Centro Nacional de Epidemiologia / Fundação Nacional de Saúde / Ministério da Saúde, Maria da Glória TeixeiraI; Maurício Lima BarretoI; Zouraide GuerraII
Halstead SB. Epidemiology of dengue and dengue hemorrhagic fever. In: Gubler DJ, Kuno G, Editors. Dengue and dengue hemorragic fever. New York: CAB International; 1997. p. 23-44.
http://www.tuasaude.com/vacina-contra-dengue/

 

Prevenção da Dengue

Para a prevenção da dengue é fundamental evitar os locais que podem armazenar água limpa parada e evitar as picadas do mosquito da dengue, por isso é recomendado:

  • Virar garrafas vazias com a tampa para baixo;

  • Não deixar entulho no quintal ou nas ruas;

  • Cobrir a caixa d’água e piscinas;

  • Guardar baldes virados para baixo;

  • Varrer a água parada, inclusive a das lajes;

  • Colocar terra ou areia nos pratos de vasos de planta;

  • Retirar as folhas e sujeira de calhas que dificultam o escoamento da água;

  • Lavar todas as semanas baldes e tanques que armazenam água;

  • Se tiver plantas aquáticas, lave com água e sabão a parte de dentro do vaso, todas as semanas;

  • Manter a lata de lixo devidamente tampada;

  • Guardar pneus em locais cobertos, longe da chuva. Faça furos na parte de baixo ou entregue no serviço de limpeza;

  • Jogar no lixo cascas de coco, latas de refrigerantes, copo plástico, garrafas, embalagens, etc;

  • Manter poços de água devidamente tampados;

  • Ralos com pouco uso: colocar um plástico para vedá-lo e jogar água sanitária 2 vezes por semana;

  • Diminuir a quantidade de bebedouros de cães, gatos e passarinhos. Escová-los quando trocar a água;

  • Manter o aquário devidamente fechado;

  • Jogar diariamente borra de café no solo, jardins, hortas e dentro de flores, como o copo d’água ou bromélias, porque este é um inseticida natural que mata a larva do mosquito da dengue;

  • Lavar as bromélias ou plantas que acumulam água 2 vezes por semana;

  • Cascatas e lagos: tratar com cloro e manter as bordas devidamente limpas e escovadas;

  • Muros com cacos de vidro: colocar massa ou areia para evita que a água da chuva se acumule;

  • Verificar se há água acumulada nas bandejas dos aparelhos de ar-condicionado.

  • Utilizar repelente de insetos diariamente;

  • Usar calça comprida e sapato fechado, pois o mosquito da dengue tem o hábito de picar os pés e as pernas;

  • Colocar telas de proteção nas janelas;

  • Usar mosquiteiros na cama para dormir;

  • Colocar vasos de planta citronela próximo à porta de casa e das janelas, pois ela repele o mosquito da dengue;

  • Acender todos os dias uma vela de citronela em cada cômodo da casa.

Estas dicas também podem ser utilizadas na prevenção de outras doenças provocadas pela picada de mosquitos, como febre amarela, Zika vírus ou encefalite japonesa, por exemplo.

Repelente caseiro para prevenção da dengue

Um ótimo repelente caseiro para prevenção da dengue é o de cravo-da-índia e álcool porque ele possui um aroma que interfere no sentido de orientação do mosquito, fazendo com que este tenha dificuldade em sentir o odor da pele humana.

Ingredientes

  • 1/2 litro de álcool
  • 1 pacote de cravo-da-índia (10 gramas)
  • 1 vidro de óleo infantil (100 ml). Pode ser o óleo Johnson, por exemplo.

Modo de preparo

Coloque o cravo-da-índia dentro de um recipiente com álcool e deixe repousar por 15 dias em ambiente fechado, ao abrigo da luz, agitando 2 vezes ao dia. Após os 15 dias de espera, coe a mistura e adicione o óleo infantil à parte líquida e agite bem. Aplique diariamente na pele. Este repelente caseiro só é contraindicado para indivíduos com alergia ao cravo-da-índia e para crianças com menos de 3 anos de idade.

Estas medidas de controle do mosquito Aedes Aegypti servem para evitar a dengue e a febre amarela porque estas duas doenças são causadas pelo mesmo mosquito.

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.