Meio Ambiente

Peixe barrigudinho é alternativa no combate ao Aedes aegypti

Peixe barrigudinho – principal objetivo é o controle biológico por meio do uso de peixes que se alimentam de larvas de mosquitos transmissores de doenças

Em um momento de grande preocupação das autoridades e da sociedade em combater o mosquito Aedes aegypti, a Embrapa Meio-Norte dispõe de uma alternativa que já tem dado resultados positivos na diminuição ou eliminação do mosquito causador da dengue e de outras enfermidades como a zika e a chikungunya.

O projeto Dengoso, como é conhecido, é uma ação de cidadania iniciada em 2002 no município de Uberlândia – MG, trazida para Parnaíba – PI, em 2010, pelas mãos do pesquisador da Embrapa Meio-Norte, Luiz Carlos Guilherme. No Piauí a tecnologia foi disponibilizada para o Centro de Controle de Zoonoses de Parnaíba e desde então faz parte das ações de combate à dengue no Município. Seu principal objetivo é o controle biológico por meio do uso de peixes que se alimentam de larvas de mosquitos transmissores de doenças.

O peixe lebiste, também conhecido como barrigudinho ou guppy, utilizado no projeto, é eficiente para controlar o desenvolvimento de larvas de mosquitos em diversos ambientes. Vários municípios como Uberlândia – MG, Parnaíba – PI, Campo Maior – PI, Tobias Barreto – SE já adotaram a ideia. Com a utilização do peixe, busca-se reduzir o número de focos de dengue. As larvas são  um alimento de alta qualidade para os  peixes.

Em 2013, esse projeto social foi premiado pela Fundação Banco do Brasil. Dando continuidade a essa ação, em 2014, um projeto liderado pela Universidade Estadual do Piauí (Uespi), em parceria com a Embrapa Meio-Norte e com o Centro de Controle de Zoonoses de Parnaíba foi aprovado e a produção do peixe e sua distribuição para utilização em focos do mosquito da dengue continuam, a exemplo das  lagoas de tratamento e estabilização de efluentes de algumas indústrias, em recipientes de grande porte, como os bebedouros de animais, piscinas desativadas, cascatas e outros ambientes semelhantes. O próximo passo é a transferência da tecnologia de produção massiva do peixe e seu uso para controle da proliferação das larvas do mosquito para que outros municípios possam ter pontos de referência para aquisição gratuita destes peixes, por meio do Centro de Controle de Zoonoses.

O uso do barrigudinho neste tipo de controle apresentou não só reflexos de ordem econômica, mas também foi relevante a contribuição em relação à proteção ambiental, evitando a aplicação de 27 toneladas do veneno Abate, que por suas características químicas tem efeito cumulativo e mutagênico nos organismos vivos.

Visando a ampliação dessa ação social, a Embrapa Meio-Norte apresentou em 2016, à Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapepi) e à Prefeitura de Parnaíba propostas ampliadas do projeto anterior, desta vez prevento a utilização do Projeto Dengoso aliado ao Sisteminha Embrapa, uma tecnologia voltada para o combate à fome por meio da criação de peixes e consequente uso da água e resíduos dos tanques na produção de alimentos e criação de pequenos animais.

A nova proposta tem como objetivo principal unir as duas tecnologias a uma terceira atividade que é realizada na periferia do município Parnaíba, a horticultura. Portanto, visa controlar a proliferação de larvas de mosquitos e integrar a produção de peixes, aves e pequenos animais, conforme a demanda do público alvo, às hortas já instaladas no entorno de Parnaíba.

Com esse trabalho os agentes epidemiológicos terão maior eficiência no trabalho de controle da proliferação das larvas do mosquito no meio rural e periurbano, já que contarão com a colaboração dos agricultores criando os peixes nesses sistemas produtivos.

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.