Meio Ambiente

Água potável no Mundo: 663 milhões de pessoas não têm acesso

Água potável é a água para consumo humano cujos parâmetros microbiológicos, físicos, químicos e radioativos atendam ao padrão de potabilidade e que não ofereça riscos à saúde. (Wikipédia)

Água Potável é aquela que reúne características que a coloca na condição própria para o consumo do ser humano. Ela pode ser oferecida à população urbana ou rural com ou sem tratamento prévio dependendo da origem do manancial. O tratamento de água visa reduzir a concentração de poluentes até o ponto em que não apresentem riscos para a saúde pública.

Definição

Água Potável é aquela que reúne características que a coloca na condição própria para o consumo do ser humano. Portanto, a água potável deve estar livre de qualquer tipo de contaminação.

Principais características

A água potável pode ser de uma fonte natural, desde que não haja nenhum tipo de contaminação em sua nascente ou percurso. Pode ser também obtida através de um processo de tratamento físico e ou químico. Nas cidades, este processo é realizado nas ETAs (Estações de Tratamento de Água).

Tratamento

Dependendo da qualidade original da água, um ou mais processos de tratamento são aplicados. Entre os principais processos de tratamento de água, podemos citar: decantação, filtração, fluoretação, desinfecção e floculação.

Bilhões de pessoas tiveram acesso à água limpa nos últimos 25 anos

Em todo o mundo, 663 milhões de pessoas não têm acesso à água potável. Isso é cerca de nove por cento da população do mundo.

A razão da água potável no mundo alcançar apenas 9% da população mundial é ainda o difícil acesso na instalação de tubos e conexões para levar água limpa e de qualidade a população que residem em áreas distantes e em locais montanhosos em todo o globo terrestre. As áreas montanhosas são utilizadas por dezenas de aldeias tropicais com o objetivo de fugir da alta temperaturas e calor.

Um fator que contribui para o problema de distribuição de água potável no mundo é a enorme distância que muitas pessoas ainda vivem em relação a fonte de água portável de confiança e que agrava e muito a distribuição devido a falta de encanamento para atender a população mais distantes em todo o globo terrestre.
Além disso, alguns estudiosos e cientistas justificam que as mudanças climaticas estão trazendo secas em algumas áreas e inundações em outras partes do mundo. As catástrofes natuaris pode em muito casos prejudicar e até mesmo destruir o lençol freático contaminando uma grande parte da água potável no mundo.

Os números não são tão ruins quanto comparados há algumas décadas atrás. Em 2000, a Organização das Nações Unidas estabeleceu uma meta em reduzir à metade o número de pessoas sem acesso a fontes de água que são protegidos de contaminação, chamados de “melhoria da água.” É cumpriram a meta em 2010.

Água potável no Mundo

Água potável no Mundo

Água potável no Mundo

Tome leste da Ásia (China, Mongólia, Norte e Coreia do Sul). Houve uma queda constante do número de pessoas sem acesso à água ao longo dos últimos 25 anos, de cerca de um em cada três para um em cada 25. Mas ao analisar os dados por país a país, nota-se que o progresso da Ásia Oriental é principalmente o progresso da China -os outros países da região permaneceram estagnados. Noventa e seis por cento dos 723 milhões de asiáticos orientais que ganharam acesso a água potável vivem na China.

A situação é semelhante no sul da Ásia, onde o progresso na Índia distorce os números. Na verdade, a Índia e a China constituem cerca de metade do progresso em acesso à água potável no mundo.

Em muitos países, o acesso varia entre áreas urbanas e rurais. Em 1990, quase três quartos da população mundial vivia em áreas rurais. Em 2015, ano que tinha invertido e a maioria das pessoas buscaram abrigos em cidades. Assim, enquanto há menos pessoas nas áreas rurais sem acesso à água potável, melhorias em áreas urbanas estagnaram e ainda é um grande problema para a população mundial.

Em alguns casos, o progresso urbano é mesmo inverter. Na África sub-saariana, o acesso a água canalizada caiu dez pontos. Em todo o mundo, apenas nove países (e apenas um em cada sub-saariana-Uganda) conseguiu atingir o alvo das Nações Unidas entre as populações rurais e urbanas.

A divisão final vem entre as regiões. Ásia Meridional e Oriental (liderada por China e Índia), Sudeste da Ásia, América Latina e Ásia ocidental (a área que pensamos como o Oriente Médio) tudo cumprido as metas da ONU. Enquanto isso, a África sub-saariana, que tinha pouco acesso para começar, bem como o crescimento da população dramático, não conseguiu cumprir as metas. Países como a Nigéria, Etiópia e República Democrática do Congo a conta por quase metade das pessoas sem acesso a água limpa-319 milhões de pessoas.

Olhando pelo lado positivo, 2,6 bilhões de pessoas passaram a ter acesso à água potável no mundo nos últimos 25 anos. Mas a menos que o mundo pode encontrar melhores maneiras de obter água para uma população rápida urbanização na África e na Ásia, nos próximos 25 anos pode não ser tão positiva.

Água potável no Brasil

94% dos brasileiros têm acesso a água potável

No Brasil, 94% da população tem acesso a serviços de água potável. Nas cidades, esse percentual alcança 98%, contra 92% em 1990, de acordo com o relatório da Unicef. Entre a população rural, o avanço foi bem mais expressivo nos últimos 25 anos: apenas 38% acessavam redes de água limpa nestas regiões, contra 70% em 2015.

Na África-Subsaariana, por exemplo, 427 milhões de pessoas tiveram acesso – uma média de 47 mil pessoas por dia todos os dias por 25 anos. A expectativa de vida infantil teve ganhos substanciais. Hoje, menos de mil crianças com menos de cinco anos morrem a cada dia por diarreia causada por contaminação na água, ante mais de 2 mil casos 15 anos atrás.

Por outro lado, o progresso no saneamento foi barrado por investimentos inadequados em campanhas de conscientização, segundo o relatório, assim como falta de produtos acessíveis para os pobres, e normas sociais que aceitam ou encorajam fazer necessidades básicas em lugares abertos.

Embora cerca de 2,1 bilhões de pessoas tenham tido acesso a redes de esgoto desde 1990, o mundo não alcançou a meta do MDG de mais cerca de 700 milhões de pessoas. Hoje, apenas 68% da população mundial utiliza instalações sanitárias adequadas – nove pontos abaixo da meta de 77%.

O território brasileiro contém cerca de 12% de toda a água doce do planeta. Ao todo, são 200 mil microbacias espalhadas em 12 regiões hidrográficas, como as bacias do São Francisco, do Paraná e a Amazônica (a mais extensa do mundo e 60% dela localizada no Brasil). É um enorme potencial hídrico, capaz de prover um volume de água por pessoa 19 vezes superior ao mínimo estabelecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) – de 1.700 m³/s por habitante por ano.

Fontes de pesquisas:

Wikipedia, Instituto Trata Brasil Meio Ambiente Rio

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.