Rio: Semana da Água tem ações de conscientização na Baía de Guanabara e na Lagoa

0

A semana da Água começou com ações de conscientização promovidas por movimentos sociais e governo do estado em dois pontos do Rio de Janeiro: a Baía de Guanabara e a Lagoa Rodrigo de Freitas. O Dia Mundial da Água é comemorado na próxima terça-feira (22).

A Associação de Pescadores Livres de Tubiacanga, o Movimento Baía Viva, pesquisadores e ambientalistas reuniram 140 pessoas em uma expedição com três barcos para a Ilha Seca, próxima à Ilha do Governador, onde a associação propõe a criação do Observatório Pesqueiro da Baía de Guanabara. Proposta que ainda está sob avaliação do governo federal.

A “ocupação ecológica” contou com o plantio de mudas de plantas nativas, como pata de vaca, aroeira e ipê. Os ativistas também recolheram 30 sacos de lixo flutuante.

“A função principal desse projeto é criar alevinos [peixes, camarões, caranguejos e mexilhões] e fazer a soltura dessas espécies para repovoar a Baía de Guanabara”, conta Alex Sandro, presidente da associação, para quem há poucos motivos para um pescador da Baía de Guanabara comemorar o Dia da Água . “Acho que comemorar o Dia da Água em uma baía totalmente poluída, [com] poucos recursos pesqueiros para que o pescador extrativista consiga viver dela, é meio hilário. Acho que a gente deveria fazer eventos como esse de conscientização e ver se o Poder Público faz alguma coisa”, argumentou.

Membro-fundador do movimento Baía Viva, Sérgio Ricardo destaca que o projeto pretende aproximar a academia dos pescadores locais, criando uma escola de pesca e um laboratório para o monitoramento da qualidade da água e da vida marinha, além de reaproximar os pescadores da Ilha Seca, fazendo com que aproveitem o local também para o lazer. O ambientalista afirma que a baía ainda apresenta grande biodiversidade, prejudicada pela poluição.

Segundo ele, “os peixes de maior valor nutritivo e econômico existem ainda, como dourado, robalo e outros, mas o estoque pesqueiro está reduzido por causa da poluição”. Por esse motivo, o observatório também pretende criar os alevinos. Outra demanda de Sérgio Eicardo é que o Poder Público faça um trabalho de limpeza na ilha, onde o capim alto ameaça a vegetação de Mata Atlântica, devido ao risco de incêndio.

Na Lagoa Rodrigo de Freitas, a Secretaria Estadual do Ambiente e o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) promoveram ações de conscientização para estimular o uso consciente da água, inclusive com a distribuição de funis para incentivar a coleta de óleo de cozinha.

A diretora de Segurança Hídrica e Qualidade Ambiental do Inea, Eliane Barbosa, disse que as ações continuarão ao longo do mês e acrescentou que a situação de abastecimento no estado melhorou em relação ao ano passado, quando o Rio viveu uma crise de escassez severa. “vamos atravessar 2016 com segurança de que teremos água. Os cálculos são favoráveis para nós”, salientou.

Com as informações Agência Brasil

Leia Também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.