Meio Ambiente

Cultivo protegido de melão nobre é viável no Cerrado

Avaliar postagem!

Pesquisa realizada nos campos experimentais da Embrapa Hortaliças, no Distrito Federal, confirmou a viabilidade técnica e socioeconômica do cultivo protegido de melão nobre, do tipo cantaloupe, nas condições do Brasil Central, onde predomina o bioma Cerrado, com base em dados sobre determinação da exigência da cultura por água e nutrientes e da análise sobre a perspectiva de um nicho de mercado.

Mais de 93% da produção nacional de melão está concentrada no Semiárido nordestino, região favorecida por condições ideais para garantir uma boa produtividade e acentuar a doçura dos frutos, como temperaturas elevadas e alta luminosidade durante todos os meses do ano. O melão do tipo amarelo lidera a produção, com cerca de 70% das áreas cultivadas, mas os melões nobres vêm ganhando espaço. De acordo com o último censo agropecuário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Nordeste possui quase 14 mil hectares de área plantada com melão, já o Centro-Oeste não alcança 200 hectares, ficando à frente somente da região Sudeste.

Bom negócio para o Centro-Oeste

Por outro lado, o consumo de melão no Centro-Oeste é o segundo maior do País, com a marca de 0,509 quilos por habitante a cada ano. “No Distrito Federal, por exemplo, há um centro urbano com grande potencial de consumo de melões nobres, de cerca de 300 toneladas por mês, mas a distância em relação às áreas produtoras compromete a qualidade do produto que chega ao mercado, principalmente pela pouca durabilidade após a colheita e pelos danos mecânicos causados durante o transporte rodoviário”, observa o pesquisador Marcos Braga, ao destacar que o poder aquisitivo da população – a renda per capita do DF é a maior do Brasil – justifica o investimento dos agricultores locais em um produto de maior valor agregado.

O abastecimento nesse centro urbano também é limitado porque grande parte do escoamento da produção do Nordeste tem como destinos principais o mercado local e o mercado estrangeiro, principalmente na entressafra da produção de melão na Espanha que, segundo o Gabinete de Estatísticas da União Europeia, representa mais de 40% da produção da cultura no continente. “O pico de produção de melão no Nordeste coincide com a queda de produção na Espanha, grande provedor para os países da Europa, o que favorece os exportadores brasileiros, ainda mais em um cenário de alta do dólar”, contextualiza o pesquisador Ítalo Guedes, chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Hortaliças.

Leia agora  Flash mob pelo clima acontece nesta quinta-feira na Cidade Olímpica

Com o melão nacional cruzando o Atlântico, a opção para abastecer o nicho de mercado desse produto, especialmente no Distrito Federal, foi estudar uma alternativa para o cultivo rentável nas condições de Cerrado, e a resposta que os pesquisadores encontraram parte de dois pontos: (1) melão-cantaloupe, um tipo nobre do fruto com alta cotação no mercado, e (2) cultivo protegido, um sistema de produção que, além de possibilitar o plantio em condições adversas, condiz com culturas de maior valor agregado para compensar o investimento na estrutura.

Nutrientes na hora certa

Ao contrário do Nordeste, onde a produção se dá em campo aberto, em virtude das condições favoráveis, o cultivo de melão nobre nas condições do Cerrado somente se torna viável se planejado em ambiente protegido, como estufas e casas de vegetação, para um melhor controle de fatores como umidade relativa, temperatura, polinização, entre outros.

Estima-se que o Distrito Federal possua uma área de aproximadamente 200 hectares de cultivo em ambiente protegido, sendo que parte desse espaço é destinada ao plantio intensivo de pimentão e tomate, que fazem parte da mesma família botânica e, por isso, compartilham e perpetuam os mesmos problemas fitossanitários que, com o passar do tempo, se tornam de difícil resolução. O monocultivo dessas espécies ainda contribui para a salinização do solo e a saturação do mercado.

“Para minimizar a incidência de pragas e doenças, recomenda-se a rotação de culturas. Porém, o agricultor nem sempre consegue inserir uma espécie sem valor comercial, embora benéfica para o solo, como os adubos verdes, já que as estruturas de cultivo protegido exigem um alto investimento e, por isso, o melão nobre é uma opção para fazer a rotação e, ao mesmo tempo, obter um bom retorno financeiro”, esclarece o pesquisador da Embrapa Juscimar da Silva, que estudou as exigências nutricionais do melão-cantaloupe.

Leia agora  Pesquisadores da Embrapa Meio Ambiente apresentam trabalhos

Os experimentos foram conduzidos com cinco diferentes híbridos de melão, sendo um experimental e quatro comerciais, dispostos em baldes plásticos com adubação por fertirrigação, que é a aplicação de nutrientes via água de irrigação, neste caso, em um sistema por gotejamento. Foi utilizada também fibra de coco, um substrato inerte que não interfere nas análises. Com base nos testes, foi possível estabelecer o padrão de acúmulo de nutrientes das cultivares de melão-cantaloupe nesse sistema e, assim, saber quais nutrientes e dosagens a planta vai exigir em determinada etapa do desenvolvimento, seja na fase vegetativa ou no estágio de formação dos frutos.

“Observamos que as plantas tiveram uma exigência substancial de macronutrientes secundários como potássio, magnésio e enxofre, e o primeiro está diretamente relacionado com qualidade e teor de açúcar do fruto”, relata Silva ao comentar que, no que se refere a custos de produção do meloeiro, a adubação abarca uma fatia aproximada de 20%.

Na prática, a curva de absorção de nutrientes vai indicar para o técnico ou para o produtor a melhor forma de manejar com eficiência tanto a fertilidade do solo quanto a nutrição da planta. “Hoje, os produtores exigem que empresas forneçam não apenas a semente, mas também o padrão de absorção da cultivar, seja em ambiente externo ou em casa de vegetação”, assinala Silva, ao comentar que essas informações permitem manejar os nutrientes para suprir satisfatoriamente a planta em cada estágio do desenvolvimento. Após os experimentos, sob o ponto de vista da adubação, o pesquisador sinalizou a viabilidade técnica do cultivo de melão-cantaloupe em ambiente protegido nas condições de clima e solo do Cerrado.

Água na dose correta

Leia agora  Como chegar na Pedra da Tartaruga

Esse também é o parecer das análises de demanda hídrica do meloeiro, que considerou aspectos de evaporação e de transpiração das plantas, tensões-limite de água no solo e linhas de fluxo de energia para irrigar sempre em favor da região da estufa com maior demanda de água para que, assim, não se corra o risco de faltar irrigação em algumas plantas.

Quanto às análises hídricas, os experimentos utilizaram os mesmos cinco híbridos, mas cultivados em solo com irrigação por gotejamento e tutoramento vertical da planta. “No monitoramento das condições climáticas dentro da estufa, foram usados sensores para acompanhar a faixa de temperatura, a umidade relativa do ar e a intensidade luminosa”, explica o pesquisador Marcos Braga.

Os tratamentos com três diferentes tensões de água no solo (20 kPa, 40 kPa e 60 kPa – unidade internacional de medida referente à força de retenção da água no solo) não apresentaram diferenças estatísticas nos fatores relacionados à produção do melão, ou seja, a planta consegue manter seu rendimento mesmo com intervalos maiores de irrigação, o que indica uma maior economia de água. No geral, a produtividade ficou acima de 23 toneladas por hectare. “Acima de 20 t/ha podemos afirmar que o melão nobre enquadra-se em um valor razoável. Além da produtividade, a qualidade, o teor de açúcares e os diâmetros, transversal e longitudinal, também obtiveram bons índices para garantir a viabilidade do cultivo”, pondera Braga, que também ressalta ser possível sugerir o plantio em Goiás e Mato Grosso, desde que exista constatação da viabilidade técnica e econômica no Distrito Federal.

Paula Rodrigues (MTb 61.403/SP)
Embrapa Hortaliças
hortalicas.imprensa@embrapa.br
Telefone: (61) 3385-9109

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.