Meio Ambiente

Produtos sustentáveis da agricultura familiar foram protagonistas nos Jogos Olímpicos

Avaliar postagem!

Agricultores fluminenses comemoram fornecimento de alimentos saudáveis para Vila Olímpica e Vila de Mídia

O saldo positivo dos Jogos Olímpicos não se restringe apenas aos atletas e delegações, que durante vinte dias puderam mostrar suas competências e conviver com pessoas do mundo inteiro. O espírito olímpico também mobilizou muitos agricultores familiares de todo o Rio de Janeiro, que foram os responsáveis pela produção de alimentos consumidos diariamente por atletas e jornalistas na Vila Olímpica, Vila de Mídia, e também em hotéis que hospedaram delegações da Rio 2016.

A opção por produtos da agricultura familiar tem relação direta com um tema que esteve muito presente ao longo dos Jogos: a sustentabilidade. E a produção familiar é um dos pilares para a construção de uma agricultura sustentável em todo o mundo. No Rio de Janeiro, o Programa Rio Rural, da secretaria estadual de Agricultura, tem auxiliado os agricultores neste desafio. Desde 2006, o programa vem promovendo o desenvolvimento sustentável e a melhoria da qualidade de vida e renda no campo, incentivando a adoção de práticas agroecológicas e a preservação dos recursos naturais.

Trabalho coletivo

Os agricultores fluminenses forneceram frutas, verduras e legumes produzidos de forma sustentável, por meio de associações e cooperativas de produtores, como a Unacoop (União das Associações e Cooperativas de Pequenos Produtores Rurais do Rio de Janeiro). Um convênio estabelecido entre a Unacoop e o buffet Cláudia Vasconcellos, por exemplo, resultou no fornecimento de seis toneladas de alimentos produzidos por agricultores familiares. A entrega foi feita semanalmente, com a garantia de que os produtos foram produzidos de forma sustentável ou orgânica.

“Recebemos todas as informações necessárias sobre produção sustentável no Rio de Janeiro, por meio da Rio Alimentação Sustentável. Foi assim que chegamos aos agricultores familiares que já vendiam seus produtos através de cooperativas. Fiquei encantada com a forma de produção sustentável que está sendo estimulada em nosso estado e esta parceria será o legado destes jogos para nossa empresa. A partir de agora, vamos adquirir somente produtos destes agricultores e cooperativas para nossos serviços”, explicou a empresária Cláudia Vasconcellos.

Leia agora  BlackRock: fatores climáticos 'subestimados e sub-precificados'

Produtores buscam o ouro da sustentabilidade
A maioria dos alimentos fornecidos são frutas (banana, pokan, abacaxi, laranja, carambola), legumes e verduras, além de doces regionais, com e sem açúcar. Todos produzidos nas regiões Serrana, Norte e Noroeste do estado. As encomendas de alimentos foram feitas pela Unacoop junto às associações e cooperativas de produtores de cidades como Teresópolis, Petrópolis, Paraty, Nova Friburgo, Itaocara, Cachoeiras de Macacu, São Fidélis, São Francisco de Itabapoana e São Sebastião do Alto. Para o produtor Alcenir de Souza, de Itaocara, do Noroeste fluminense, ter seus tomates entre os produtos consumidos pelos atletas nestes Jogos Olímpicos é motivo de orgulho. “Aumentei minha produção este ano justamente para o fornecimento nestes Jogos”, disse.

agricultor Ademir Rezende dos Santos, de Teresópolis, Região Serrana, não conseguiria fornecer para os Jogos Olímpicos sem o apoio do Rio Rural. Em 2011, sua propriedade foi atingida pela tragédia das chuvas e ele só conseguiu recomeçar sua plantação de pokan com o recurso emergencial do programa. Ele, que é presidente da Associação de Pequenos Produtores Rurais de Santa Rita, comemora o envio de suas tangerinas para os atletas. “Do dia 4 de julho, quando começou o fornecimento para quem já estava trabalhando na Vila de Mídia, até esta última semana, já enviei 272 caixas de 20kg de pokan para a Unacoop. Me disseram que os atletas estão encantados com nossas frutas”, contou, orgulhoso, o produtor.

A Unacoop foi apenas uma das fornecedoras de alimentos nestes Jogos, já que a Vila Olímpica foi abastecida com produtos oriundos de outras cooperativas de agricultores do estado. Todas se engajaram em mostrar ao mundo que a Agricultura tem vencido desafios, fazendo chegar alimentos saudáveis à mesa da população.

Leia agora  Exxon e a morte dos recifes

Segundo o secretário estadual de Agricultura, Christino Áureo, as Olimpíadas foram um ótimo ambiente para a propagação da mensagem da sustentabilidade. “Os Jogos Olímpicos potencializaram a importância do desenvolvimento sustentável, um desafio que abraçamos com o Rio Rural. Por meio desse programa estimulamos não apenas as práticas agroecológicas, mas também o empoderamento dos agricultores para buscarem oportunidades como esse fornecimento para a Vila Olímpica”, destacou o secretário.

Sobre o Rio Rural
Para promover o desenvolvimento sustentável na agricultura familiar, o Programa Rio Rural adota uma estratégia de ação a partir das microbacias hidrográficas, estimulando a autogestão das comunidades rurais. Até 2018, serão investidos US$ 233 milhões em ações de desenvolvimento, beneficiando 48 mil agricultores familiares residentes em 366 microbacias de 72 municípios.
Executado pela Superintendência de Desenvolvimento Sustentável da Secretaria de Agricultura e Pecuária do Estado do Rio de Janeiro (SEAPEC), o Rio Rural possui financiamento do Banco Mundial e apoio da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). As atividades envolvem uma ampla rede de parceiros, que inclui entidades do poder público, ONGs, empresas e centenas de organizações rurais.

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.