Meio Ambiente

Projetos de novas usinas a carvão diminuem em todo o mundo

Avaliar postagem!

A quantidade de usinas eletricas a carvão em desenvolvimento em todo o mundo teve uma queda dramática no primeiro semestre de 2016, principalmente devido à mudança de políticas na Ásia. Os resultados foram relatados hoje pelo Global Coal Plant  Tracker da organização não governamental CoalSwarm.
No geral, o pipeline de usinas de carvão – o montante total da capacidade de geração a carvão que está em planejamento pré-construção – caiu de 1.090 gigawatts (GW) em janeiro para 932 GW em julho, uma queda de 14% em nível mundial.  O Leste da Ásia foi a região onde se registrou  um declínio mais dramático, de 22%. A redução total em todo o mundo, de 158 GW, equivale a aproximadamente toda a capacidade de geração a carvão da União Europeia (162 GW).

LINK PARA O RELATÓRIO

A maior queda foi registrada na China (114 GW), seguida pela Índia (40 GW). Ambos os países anunciaram recentemente grandes políticas para reduzir a presença do carvão em suas matrizes energéticas.

Em abril, a China anunciou restrições radicais destinadas a usinas de energia movidas a carvão em 13 províncias. Em junho, o Ministério da Energia da Índia emitiu uma avaliação afirmando que há mais usinas do que seriam necessários nos próximos três anos e que “qualquer usina térmica que ainda está para começar a construção deve recuar.”

No sudeste da Ásia, vários países tomaram medidas para reduzir ou retardar novas usinas a carvão. Em março, o Vietnã revisou seu Plano Revisado de Desenvolvimento de Energia VII, cancelando ou adiando 23 GW de usinas a carvão planejadas. O plano RUPTL 2016-2025 da Indonésia, que abrange todo o desenvolvimento de energia na próxima década, mostrou um reescalonamento de mais de 7 GW de energia gerada por carvão para anos posteriores. Em julho, a Secretária de Ambiente e Recursos Naturais da Filipinas, Gina Lopez, anunciou novos planos para priorizar as energias renováveis em relação ao carvão no processo de licenciamento.

Leia agora  Barcos recomeçam trabalho de limpeza da Baía de Guanabara para Olimpíada

O diretor da CoalSwarm, Ted Nace, disse: “Embora a retração recente no pipeline de usinas a carvão seja um progresso significativo, reduções muito mais intensas são necessárias para evitar um perigo sério. Os níveis de capacidade em construção (350 GW) e em planejamento (930 GW) excedem em muito o orçamento de carbono para limitar o aquecimento a 1,5° C. Além disso, um novo relatório da AIE mostra 6,5 milhões de mortes por ano a partir de poluição do ar, com o carvão como fator principal.”

Detalhes completos podem ser encontrados no relatório ““A Shrinking Coal Plant Pipeline: Mid-2016 Results from the Global Coal Plant Tracker”  e na página de resumo dos dados no EndCoal.

###

Leia o relatório aqui.

Sobre CoalSwarm
CoalSwarm é uma rede de pesquisadores que procuram desenvolver recursos informacionais colaborativos sobre os impactos do carvão e as alternativas a ele. Os projetos atuais incluem a identificação e mapeamento proposto e projetos de carvão existentes em todo o mundo, incluindo plantas, minas e infra-estrutura. Para mais informações, visite http://www.coalswarm.org/.

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.