Destaques

Piraquê consegue reduzir 400 toneladas de lixo por mês em ações sustentáveis

Nos últimos dois anos, a Piraquê – uma das mais conhecidas fabricantes de biscoitos, massas e refrescos do país – vem reunindo esforços para reduzir os resíduos destinados aos aterros sanitários da Baixada Fluminense do Rio de Janeiro. Ao longo deste período foram planejados e desenvolvidos projetos cujos resultados a Piraquê contabiliza que deixa de enviar de 350 toneladas de resíduos, por mês, para o aterro sanitário. Porém, o mais positivo das ações é que os programas encontraram finalidades sustentáveis para a destinação, como por exemplo, o aproveitamento de resíduos das massas de biscoitos e de macarrão e as sobras e os retalhos de biscoitos e massas fora do padrão de qualidade Piraquê, onde aproximadamente 320 toneladas por mês, se transformam em ração animal. Agindo assim, o que antes era descartado no aterro atualmente é destinado a várias fazendas do interior do Rio de Janeiro. Uma das empresas que recebe o retalho de biscoito é a Mantiqueira, granja produtora de ovos.

 

Outro projeto que foi desenvolvido é o aproveitamento dos resíduos gerados na preparação dos alimentos e a sobra de comida provenientes das refeições dos próprios colaboradores, 10 toneladas por mês, que são realizadas em restaurante próprio da empresa, vão para compostagem na empresa Vide Verde, na Cidade de Cachoeiro de Macacu. Por meio de um processo simples, os resíduos de alimentos são transformados em adubo utilizado para o cultivo de alimentos orgânicos. Com este insumo, a Vide Verde produz coco totalmente orgânico. Os paletes de madeira, as caixas e os caixotes utilizados na fábrica, cerca de 18 toneladas por mês, são encaminhados a uma empresa de manufatura que reutiliza toda esta madeira. Com isso, a companhia contribui para o uso consciente de recursos naturais.

 

A empresa também destina para reciclagem papelão, embalagens plásticas e sucatas metálicas, de forma a reduzir a produção de embalagens com novos produtos. As estopas com solvente passam por uma blendagem – processo que mistura resíduos compatíveis, gerando um produto completamente alternativo que serve de matéria-prima para abastecer fornos de cimenteiras. Estas estopas são totalmente descaracterizadas e geram um produto de alto poder calorífico.

 

Segundo Carlos Roberto Coutinho – Engenheiro e Gerente de Segurança do Trabalho, Meio Ambiente e Saúde da Piraquê – a empresa tem tratado seus resíduos com foco na política dos 3 Rs – reduzir, reutilizar e reciclar – com efetivo controle dos processos produtivos, mitigando os riscos, controlando as perdas de formar a garantir uma produção segura e sustentável. Neste contexto, outro projeto no controle de resíduos relacionado com a borra mista da sua produção de gordura, a partir do óleo vegetal – cerca de 100 toneladas /mês – se transformam em insumo para produtos de limpeza. Já o óleo lubrificante dos caminhões e os solventes contaminados na limpeza de peças da sua oficina mecânica são vendidos para uma empresa especializada que direciona para purificação, transformando-os em novos produtos de 2ª linha.

 

Além do resíduo industrial, o consumo de energia elétrica também merece atenção especial da área de Meio Ambiente da Piraquê. Para reduzirem o consumo de energia elétrica consumida na empresa vem do sistema de cogeração a partir de gás natural, cuja tecnologia de geração e distribuição é desenvolvida por uma empresa especializada dentro do seu parque industrial. Com este processo, além de não aumentar o consumo da energia da população, a fabricante de biscoitos e massas garante uma produção mais estável sem quedas de energia, o que significa menos perdas no processo. Neste mesmo conceito, a nova fábrica de Queimados tem implantado um processo de sistema de água de reuso, utilizada para jardinagem e banheiros.

 

“A Piraquê realiza de forma estruturada diversas iniciativas sustentáveis, incluindo as de energia, água e reciclagem de resíduos. Desta forma, cerca de 400 toneladas de resíduos deixam de ser descartados para os Aterros Sanitários de Nova Iguaçu e Seropédica. Queremos desenvolver para o nosso segmento, o conceito que é possível produzir e garantir o desenvolvimento sustentável, preservando o meio ambiente. Ainda temos planos, projetos e ações para a comunidade, coletando produtos da população do nosso entorno, que possam ser reciclados ou destinados de forma ecologicamente correta”, explica o engenheiro Carlos Roberto Coutinho.

 

“Como empresa nós trabalhamos para garantir que nossa produção siga rigorosamente a legislação ambiental e as boas técnicas e práticas de produção, com foco nos processos e mitigação dos possíveis impactos ambientais decorrentes desta atividade”, comenta Alexandre Colombo.

Tags
Ler matéria completa

Guiga Liberato

Meu nome é Guiga Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: [email protected]

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close