Destaques

Gaza abrigará uma usina de dessalinização para 2 milhões de pessoas com apoio renovável

A Comissão Europeia eo Governo da Palestina, em colaboração com a União para o Mediterrâneo ( UPM) , foram realizada em Bruxelas uma conferência internacional de doadores que prometeram 456 milhões de euros para a construção de uma usina de dessalinização e infraestrutura de abastecimento de água na Faixa de Gaza, um projeto que fornecerá água potável para 2 milhões de palestinos. A infra-estrutura associada ao projeto será apoiada por energia solar fotovoltaica e eólica.

A estação de dessalinização é um dos principais projectos da UpM e é uma solução a escassez de água crónicas e permanentes e crise humanitários em Gaza, onde mais de 95% da água é impróprio para consumo humano devido ao Superexploração do aquífero costeiro.

Este projeto está agora mais próximo de se tornar realidade após a conferência de doadores realizada ontem em Bruxelas. A reunião foi aberta pelo chefe da Autoridade de Água palestino, o ministro Mazen Ghunaim e Comissário Europeu para a Política Europeia de Vizinhança e negociações para alargamento Johannes Hahn, que teve a participação de representantes de organismos internacionais, como o Banco Desenvolvimento Islâmico, o Banco Europeu de Investimento (BEI), o Banco Mundial e o Quarteto.

Os participantes reiteraram o seu apoio a este projecto, prometendo um total de € 456 milhões dos € 562,3 milhões requeridos (mais de 80% do custo total), o que permitirá avançar nas fases seguintes de implementação, conforme indicado pela UM. O BEI lançará o processo de licitação em 15 de abril.

A usina de dessalinização será o maior projeto de infraestrutura construído até agora na Faixa de Gaza. O projeto consiste em três elementos integrados: a construção da planta de dessalinização de 55 milhões de m3 de água através de um procedimento de osmose reversa da água do mar; um sistema de abastecimento de água norte-sul; e um projeto de redução de água não contabilizado.

A usina de dessalinização terá 25 MW de capacidade instalada e operará, principalmente, com combustíveis fósseis (gás e diesel). O telhado da casa instalação de uma central solar fotovoltaica de 2,8 MW e outro 13 MW de energia solar no solo e um parque eólico constituído por duas turbinas eólicas com uma capacidade combinada de 4 MW ser construído, infra-estrutura associada que acompanha a planta de dessalinização. No total, as energias renováveis ​​contribuirão com 15% da energia demandada pelo projeto.

Efeito direto na saúde pública

A disponibilidade de água potável na Faixa de Gaza, um dos lugares mais densamente povoados do planeta, está entre as mais baixas do mundo. Atualmente, 2 milhões de habitantes dependem quase exclusivamente do aqüífero costeiro como única fonte de água potável na região, o que é inadequado para atender à demanda da população. Além disso, apenas 3% da água proveniente do aquífero e consumida por uma população em constante crescimento atende aos padrões de qualidade da água potável estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde.

“O projeto, que está mais perto do que nunca de ser uma realidade, terá um efeito direto na saúde pública e na situação humanitária na Faixa de Gaza. Contribuirá também para a regeneração e sustentabilidade do aquífero costeiro. Proporcionará igualmente perspectivas de emprego e desenvolvimento económico, contribuindo assim para a estabilidade na região “, afirmou Miguel García-Herraiz, Secretário-Geral Adjunto da UM.

Ministro Ghunaim, chefe da Autoridade de Água palestino, saudou o resultado da conferência e salientou a prioridade deste projecto para o Governo da Palestina, promovido desde 2011 com o apoio dos 43 Estados membros da União para o Mediterrâneo, em colaboração com a Comissão Europeia, o Banco Europeu de Investimento, o Banco Islâmico de Desenvolvimento e o Banco Mundial.

A UPM reúne os 28 países da União Europeia e 15 países do sul e do leste do Mediterrâneo. O seu objectivo é reforçar a cooperação regional, o diálogo e a implementação de projetos e iniciativas concretos com impacto tangível nos cidadãos, principalmente nos jovens, abordando assim os três objetivos estratégicos da região: estabilidade, desenvolvimento humano e integração.

Tags
Ler matéria completa

Aurélio Barbato

Aurélio Barbato é Administrador de Empresas e Economista, formado pela Faculdade de Ciências Econômicas de São Paulo, especializado em Economia Sustentável, coordenou de eventos importantes no setor da indústria eletroeletrônica. E-mail: [email protected]

Artigos relacionados

1 thought on “Gaza abrigará uma usina de dessalinização para 2 milhões de pessoas com apoio renovável”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close