O maior lago ártico do mundo não é tão resistente à mudança climática como os cientistas pensavam

0

Os cientistas costumavam pensar que Lake Hazen, localizado a cerca de 560 milhas de distância do Pólo Norte no Canadá , estava além do alcance do impacto humano. Mas uma nova pesquisa conduzida pelo geógrafo Igor Lehnherr, da Universidade de Toronto, em Mississauga, revela que o lago do Ártico está reagindo à mudança climática . Lehnherr disse no comunicado da universidade : “Mesmo em um lugar tão ao norte, não é mais frio o suficiente para impedir que as geleiras encolham. Se este lugar não for mais propício para o crescimento das geleiras, não existem muitos outros refugos no planeta ”.

Os funcionários e visitantes do parque Lake Hazen notaram a falta de gelo do lago no verão; no passado, era raro o gelo derreter completamente durante esse tempo. Seus relatórios provocaram este novo estudo, assim como a constatação de que as geleiras derreteram mais no verão do que estavam crescendo no inverno, de acordo com Lehnherr.

Os cientistas se basearam em pesquisas que datam da década de 1950 para um estudo que é “o primeiro a agregar e analisar conjuntos de dados massivos em Lake Hazen”, segundo a universidade. Lehnherr disse em seu site , o Laboratório de Biogeoquímica Aquática e Ambiental : “O que nosso estudo mostra é que mesmo no Ártico Alto o aquecimento está ocorrendo a tal ponto que já não é frio o suficiente para as geleiras crescerem, e o gelo do lago para persistir durante todo o ano. ”

Como o Lago Hazen é tão grande, teoricamente ele deve mostrar mais resiliência às mudanças climáticas em comparação com corpos d’água ou lagoas menores, disse Lehnherr no comunicado da universidade. Seu site disse que ele e sua equipe supuseram que Lake Hazen seria “relativamente resiliente aos impactos do aquecimento do Ártico ” e que “descobrir que isso não é verdade é alarmante”.

Lehnherr disse no comunicado da universidade: “Se este lago está exibindo sinais da mudança climática, isso realmente mostra quão difundidas são essas mudanças”.

Deixe uma resposta