Meio Ambiente

Relatório mostra que grandes empresas de combustíveis fósseis não estão preparadas para as mudanças climáticas

ExxonMobil, Chevron, BP e Shell, entre outras, foram avaliadas segundo 30 critérios, incluindo declarações sobre a ciência do clima e divulgação dos riscos climáticos
WASHINGTON (6 de outubro de 2016) – Um detalhado estudo feito pela Union of Concerned Scientists (UCS), dos Estados Unidos, mostra que a indústria de combustíveis fósseis não se preparou para cumprir os termos do Acordo de Paris, que deve entrar em vigor no próximo dia 4 de novembro. A pesquisa, que avaliou oito gigantes da indústria de combustíveis fósseis, descobriu variações significativas na forma como o setor está lidando com o aquecimento global. No entanto, nenhuma delas fez uma ruptura clara com a desinformação sobre a ciência e a política climáticas. .

O “Climate Accountability Scorecard: Ranking Major Fossil Fuel Companies on Deception, Disclosure, and Climate Action” utilizada 30 indicadores para examinar as multinacionais de petróleo BP, Chevron, ExxonMobil e Royal Dutch Shell; a Peabody e a Arch Coal, respectivamente a primeira e a segunda maiores produtoras de carvão dos Estados Unidos; e as empresas de energia norte-americanas ConocoPhillips e CONSOL Energy. A pontuação máxima, “avançado”, reflete as melhores práticas. “Chocante” é a pontuação mais baixa e indica uma corporação que age de forma irresponsável. Nenhuma empresa foi melhor que as outros em todas as categorias: vários se mostraram líderes em algumas áreas e retardatárias em outras.

“A análise mostra que estas oito empresas continuam a depreciar a ciência e a minar a urgência da ação climática, seja diretamente ou através das associações de classe e grupos industriais que apoiam”, explicou Kathy Mulvey, principal autora do relatório e gerente da campanha de Responsabilidade Climática da UCS . “Após as numerosas denúncias que revelaram registros dessas empresas trabalhando para enganar o público sobre o aquecimento global, muitas delas insistem que eles não promovem mais a negação e aceitam a realidade das mudanças climáticas. Este estudo desmente essas alegações”, alertou.

O estudo vem num momento em que as empresas de combustíveis fósseis estão enfrentando maior escrutínio e pressão por parte do governo e dos investidores. Pelo menos dois procuradores gerais de Estado estão investigando se a ExxonMobil enganou intencionalmente seus acionistas e o público sobre a ameaça das mudanças climáticas e a Securities and Exchange Commission dos EUA está investigando como a empresa tem avaliado suas reservas de petróleo agora que existe a perspectiva de potenciais cortes de emissões de carbono. Enquanto isso, os acionistas de cinco das oito empresas preencheram resoluções relacionadas com as alterações climáticas este ano.

Segundo o estudo da UCS:

● Sete das oito empresas ainda não começaram a se planejar para um mundo livre de poluição de carbono, mesmo depois que países em todo o mundo se comprometeram com metas ambiciosas para reduzir as emissões no acordo climático internacional alcançado em Paris em dezembro de 2015 e que entra em vigor em novembro deste ano. A Shell recebeu um “justo” e todas as outras foram classificadas como “pobres” (BP, Chevron, ConocoPhillips e ExxonMobil) ou “chocante” (Arch Coal, CONSOL Energy e Peabody Energy).

● Apenas metade das empresas já começaram a divulgar seus riscos climáticos para os investidores. Quatro empresas foram avaliadas como “justas” (BP, Chevron, ConocoPhillips e Consol Energy) e quatro empresas marcou “pobre” (Arch Coal, ExxonMobil, Peabody Energy e Shell).

● Apenas duas dos oito empresas (BP e Shell) afirmarm consistentemente nas suas declarações públicas diretas a legitimidade da ciência do clima e a consequente necessidade de reduções rápidas e profundas nas emissões de combustíveis fósseis. A Shell recebeu uma pontuação de “avançado”; a BP teve “bom”. No extremo oposto, a ExxonMobil recebeu a avaliação “chocante” em suas demonstrações de ciência climática após o CEO da empresa, Rex Tillerson, lançar dúvidas sobre a exatidão e competência dos modelos climáticos.

● Todas as oito empresas pertencem a associações patronais ou grupos chave da indústria que espalham desinformação e buscam bloquear a ação climática. Todas as cinco companhias petrolíferas do estudo são membros da States Association Western Petroleum (WSPA), um grupo comercial que utilizou reivindicações e táticas de intimidação equivocadas como parte de uma campanha multimilionária para bloquear disposições fundamentais de um projeto de lei de energia limpa promulgada na Califórnia . No entanto, várias destas empresas provaram que podem se afastar de tais grupos que deturpam a ciência do clima. A BP, ConocoPhillips e Shell deixaram American Legislative Exchange Council, com a Shell afirmando que discordava da negação climática promovida por este grupo de lobby e de sua oposição à ação climática.

● Duas empresas receberam um “bom” (BP e ConocoPhillips) no apoio a políticas climáticas justas e eficazes, uma categoria que leva em consideração a política de divulgação das empresas e uma avaliação  relacionados com os gastos políticos em geral. Três empresas foram “justa” e três “pobre” (Arch Coal, CONSOL Energy, e Peabody Energy).

“Agora que as nações do mundo se comprometeram a combater as alterações climáticas, os investidores e formuladores de políticas precisam de informações sobre como todas as empresas estão reduzindo seus impactos climáticos e gerenciar seus riscos – incluindo os riscos físicos, regulatórios e de mercado que a mudança climática representa para seus negócios”, explicou Paul Dickinson, co-fundador e Presidente Executivo do CDP. “Relatórios e análises como este são um recurso vital para os tomadores de decisão, incluindo a liderança sênior de grandes companhias de combustíveis fósseis.”

Além de apelar para a divulgação dos riscos climáticos que podem afetar os resultados financeiros das empresas, os investidores também querem saber se as empresas continuam a financiar a desinformação climáticas. O relatório destaca o quanto essas empresas precisam avançar ainda mais para se retratar de seus esforços de décadas feitos para confundir o público sobre as realidades e os riscos das mudanças climáticas e para bloquear políticas que abordam o tema – um trabalho que continua até hoje. Desde 1988 – quando as  grandes companhias de combustíveis fósseis já deveriam saber, de forma inequívoca, sobre os riscos dos seus produtos –  mais de metade de todas as emissões industriais de carbono foram liberadas para a atmosfera. Os produtos das oito empresas analisadas são responsáveis por quase 15%das emissões de carbono industriais desde 1850.

“É hora dessas grandes corporações orientarem suas empresas e associações de classe a se afastarem da negação das mudanças climáticas e participarem de forma construtiva nas discussões de políticas”, disse Mulvey. “Para evoluir como empresas de energia, elas devem alinhar seus negócios com os objetivos do Acordo de Paris e ajudar a manter a temperatura global bem abaixo de dois graus Célsius de aumento.”

###

A Union of Concerned Scientists coloca a ciência rigorosa e independente para trabalhar para resolver os problemas mais prementes do nosso planeta. Juntando-se com os cidadãos norte-americandos, combina a análise técnica e  a defesa efetiva para criar soluções inovadoras e práticas para um futuro saudável, seguro e sustentável. Para mais informações:  www.ucsusa.org.

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.