Meio Ambiente

A cafeína estimula a enzima que poderia proteger contra a demência

Avaliar postagem!

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Indiana identificou 24 compostos – incluindo a cafeína – com o potencial de estimular uma enzima no cérebro mostrada para proteger contra a demência.

O efeito protetor da enzima, chamado NMNAT2, foi descoberto no ano passado através de pesquisas conduzidas em IU Bloomington. O novo estudo aparece hoje na revista Scientific Reports .

“Este trabalho poderia ajudar a avançar esforços para desenvolver medicamentos que aumentam os níveis desta enzima no cérebro, criando um químico” bloqueio “contra os efeitos debilitantes de doenças neurodegenerativas”, disse Hui-Chen Lu, que liderou o estudo. Lu é professor de Gill no Centro de Linda e Jack Gill para Ciências Biomoleculares e do Departamento de Ciências Psicológicas e Cérebro, uma parte do IU Bloomington College of Arts and Sciences.

Anteriormente, Lu e seus colegas descobriram que o NMNAT2 desempenha dois papéis no cérebro: uma função protetora para proteger os neurônios do estresse e uma “função chaperone” para combater as proteínas erradas chamadas tau, que se acumulam no cérebro como “placas” devido ao envelhecimento.O estudo foi o primeiro a revelar a “função chaperone” na enzima.

As proteínas dopladas têm sido associadas a distúrbios neurodegenerativos tais como as doenças de Alzheimer, Parkinson e Huntington, bem como a esclerose lateral amiotrófica, também conhecida como ALS ou doença de Lou Gehrig. A doença de Alzheimer, a forma mais comum desses distúrbios, afeta mais de 5,4 milhões de americanos, com números esperados a subir à medida que a população envelhece.

Para identificar substâncias com potencial para afetar a produção da enzima NMNAT2 no cérebro, a equipe de Lu analisou mais de 1.280 compostos, incluindo fármacos existentes, usando um método desenvolvido em seu laboratório.Um total de 24 compostos foram identificados como tendo potencial para aumentar a produção de NMNAT2 no cérebro.

Leia agora  O que é Ecoturismo? Princípios, importância e os benefícios de Ecoturismo

Uma das substâncias mostradas para aumentar a produção da enzima foi a cafeína, a qual também demonstrou melhorar a função de memória em ratinhos geneticamente modificados para produzir altos níveis de proteínas tau mal colocadas.

A pesquisa anterior de Lu encontrou que os ratos alterados para produzir tau misfolded produziram também uns níveis mais baixos de NMNAT2.

Para confirmar o efeito da cafeína, cafeína investigadores IU administrada a ratinhos modificados para produzir níveis mais baixos de NMNAT2. Como resultado, os ratinhos começaram a produzir os mesmos níveis da enzima que os ratinhos normais.

Outro composto encontrado para impulsionar fortemente a produção de NMNAT2 no cérebro foi o rolipram, uma “droga órfã” cujo desenvolvimento como antidepressivo foi descontinuado em meados da década de 1990. O composto permanece de interesse para os pesquisadores do cérebro devido a vários outros estudos também mostrando evidências de que poderia reduzir o impacto de proteínas emaranhadas no cérebro.

Outros compostos mostrados pelo estudo para aumentar a produção de NMNAT2 no cérebro – embora não tão fortemente como a cafeína ou rolipram – foram ziprasidona, cantharidina, wortmannina e ácido retinóico. O efeito do ácido retinóico pode ser significativo, uma vez que o composto deriva da vitamina A, disse Lu.

Foram identificados 13 compostos adicionais com potencial para diminuir a produção de NMNAT2. Lu disse que esses compostos também são importantes porque a compreensão de seu papel no corpo pode levar a novos insights sobre como eles podem contribuir para a demência.

“Aumentar nosso conhecimento sobre os caminhos no cérebro que parecem naturalmente causar o declínio desta proteína necessária é tão importante quanto identificar compostos que poderiam desempenhar um papel no tratamento futuro desses transtornos mentais debilitantes”, disse ela.

Leia agora  Fórum Mundial da Água reunirá 30 mil representantes internacionais em Brasília

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.