Leidiana TorresSaúde e Bem estar

O abuso de álcool antes da gravidez pode prejudicar a prole

As mães que bebem em excesso antes de engravidar podem ser mais propensas a ter filhos com níveis elevados de açúcar no sangue e outras mudanças na função da glicose que aumentam o risco de desenvolverem diabetes como adultos, de acordo com um novo estudo realizado em ratos. Os resultados serão apresentados no domingo na 99ª reunião anual da Sociedade Endócrina em Orlando, na Flórida.

“Os efeitos do uso de álcool durante a gravidez em um feto são bem conhecidos, incluindo possíveis defeitos congênitos e problemas de aprendizagem e comportamento.No entanto, não se sabe se o uso de álcool da mãe antes da concepção também poderia ter efeitos negativos sobre a saúde e a doença do seu filho Suscetibilidade durante a idade adulta “, disse o pesquisador principal Dipak Sarkar, Ph.D., DPhil, um professor ilustre na Rutgers University em New Brunswick, NJ, e diretor de seu programa de pesquisa endócrina.

O consumo excessivo de álcool é comum nos Estados Unidos.Entre os usuários de álcool de 18 a 44 anos, 15 por cento das mulheres não grávidas e 1,4 por cento das mulheres grávidas relatam que bebeu em excesso no mês passado, de acordo com uma pesquisa telefônica de 2012 dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos. Para as mulheres, beber em excesso é o equivalente a quatro ou mais bebidas em cerca de duas horas.

Para avaliar os efeitos do uso do álcool pré-conceitual, Sarkar, com o doutorando Ali Al-Yasari, MS, e seus colegas, realizaram um estudo, financiado pelo National Institutes of Health, em ratos, cujos processos básicos de função glicêmica são semelhantes aos Em humanos, disse Sarkar. Durante quatro semanas, eles deram ratos fêmeas uma dieta contendo 6,7 por cento de álcool, o que elevou seus níveis de álcool no sangue para aqueles de binge beber em seres humanos. O álcool foi então removido da dieta dos ratos, e eles foram criados 3 semanas mais tarde, igual a vários meses em seres humanos. Os descendentes adultos destes ratos foram comparados com descendentes de controlo: descendentes de ratos que não receberam álcool antes da concepção. (Um grupo de controlo recebeu ração e água normais e o outro recebeu uma dieta líquida não-alcoólica igual em calorias à alimentação de álcool).

Depois que a prole dos ratos atingiu a idade adulta, os pesquisadores usaram técnicas de laboratório padrão para monitorar seus níveis de glicose no sangue e insulina e outros dois hormônios importantes, glucagon e leptina. Glucagon estimula o fígado para converter glicogênio (glicose armazenada) em glicose para mover para o sangue, fazendo níveis de glicose no sangue mais elevados. Embora a principal função da leptina é inibir o apetite, também reduz a produção de insulina estimulada pela glicose pelo pâncreas.

A equipe de pesquisa descobriu que, em comparação com os dois grupos de prole de controle, os descendentes de ratos expostos ao álcool antes da concepção apresentaram vários sinais de homeostase anormal da glicose (função). Alterou a homeostase da glicose segundo se informa incluiu aumento dos níveis de glicose no sangue, diminuição dos níveis de insulina no sangue e tecido pancreático, reduziu os níveis de glucagon no sangue enquanto está aumentado no tecido pancreático e aumentou os níveis sanguíneos de leptina.

Além disso, os pesquisadores disseram que encontraram evidências de que a exposição ao álcool pré-conceitual aumentou a expressão de alguns marcadores inflamatórios no tecido pancreático. Al-Yasari disse que isso pode diminuir a produção de insulina e ação no fígado que aumenta os níveis de glicose no sangue. A superexpressão de marcadores inflamatórios pode ser como o uso de álcool antes da gravidez alterou a homeostase normal da glicose na prole, afirmou.

“Essas descobertas sugerem que [os efeitos do] abuso de álcool da mãe antes da concepção podem ser repassados ​​para sua prole”, disse Al-Yasari. “Essas mudanças podem ter efeitos ao longo da vida sobre a homeostase da glicose da prole e, possivelmente, aumentar sua suscetibilidade à diabetes”.

Ler matéria completa

Vagner Liberato

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Jornal Sustentabilidade com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close