Pesquisadores dizem que veículos a diesel emitem até 50% mais óxido de nitrogênio

As emissões de óxido de nitrogênio do mundo real dos veículos a diesel são até 50% maiores do que as estimativas resultantes de testes laboratoriais, de acordo com um novo artigo publicado na revista Nature .

O trabalho, que foi bastante abrangente, investigou 11 mercados de veículos , que juntos representaram mais de 80% das vendas de veículos a diesel novos no ano de 2015.

Entre esses mercados, os pesquisadores descobriram que os veículos a diesel emitiam cerca de 13,2 milhões de toneladas de óxido de nitrogênio em condições reais – cerca de 4,6 milhões de toneladas de emissões mais do que os testes oficiais de laboratório estimam (8,6 milhões de toneladas).

Os pesquisadores envolvidos no trabalho foram espalhados por todo o Conselho Internacional de Transporte Limpo e Análise de Saúde Ambiental, o Instituto de Meio Ambiente de Estocolmo (SEI) da Universidade de York, a Universidade do Colorado e o Instituto Internacional de Análise de Sistemas Aplicados.

O pesquisador do SEI, Chris Malley, comentou o estudo: “Este estudo mostra que o excesso de emissões de óxido de nitrogênio no diesel afeta o rendimento das colheitas e uma variedade de problemas de saúde humana.

Estimamos que a implementação de padrões de próxima geração poderia reduzir a perda de produção agrícola em 1-2% para o trigo chinês, o milho chinês e a soja brasileira, resultando em mais 4 milhões de toneladas de produção vegetal globalmente “.

O comunicado de imprensa fornece mais: “O estudo estima que as emissões de óxido de nitrogênio do veículo diesel em excesso em 2015 também foram ligados a aproximadamente 38.000 mortes prematuras em todo o mundo – principalmente na União Europeia, China e Índia.

Em nível global, o estudo estima que o impacto de todas as emissões de óxido de nitrogênio diesel no mundo real crescerá para 183.600 mortes precoces em 2040, a menos que algo seja feito para reduzi-lo. Em alguns países, implementar as normas mais rigorosas – já em vigor em outros lugares – poderia melhorar substancialmente a situação, de acordo com os pesquisadores.

No que diz respeito aos tipos de veículos em causa (que emitiu mais óxido de azoto), não há surpresas lá.

Josh Miller do Conselho Internacional de Transporte Limpo comentou: “Os veículos pesados, como caminhões comerciais e ônibus, foram de longe o maior contribuinte em todo o mundo, representando 76% do total de emissões de gases em excesso. 5 dos 11 mercados que olhamos, Brasil, China, UE, Índia e EUA, produziram 90% disso.

Para os veículos ligeiros, como os automóveis de passageiros, os camiões e as furgonetas, a União Europeia produziu cerca de 70% das emissões de óxido de azoto gasoso em excesso. ”

Sobre o que você esperaria. Você pensaria que em algum ponto toda a pesquisa e PR negativo que cercam veículos diesel conduziriam a uma mudança nas regulamentações , não é?

Redação Meio Ambiente Rio

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.