Meio AmbienteVagner Liberato

A sexta extinção em massa na Terra é impulsionada pela agricultura industrial

Avaliar postagem!

A Terra está atualmente experimentando sua sexta “extinção em massa”, e os humanos são em grande parte os culpados, diz um dos principais estudos acadêmicos. Em seu novo livro The Value of Nothing: Como remodelar a Sociedade do Mercado e Redefina a Democracia, o Professor Patel da Universidade do Texas explica como o desmatamento em massa limpa os terrenos para cultivar monoculturas, a criação de grandes zonas mortas no mar causadas por corrida – a redução dos fertilizantes, e a tendência da sobrepesca são um prejuízo para o mundo e estão a conduzir a destruição do nosso planeta.

A sexta extinção em massa na Terra

“A pegada da agricultura global é vasta. A agricultura industrial é absolutamente responsável pela condução do desmatamento, absolutamente responsável por impulsionar a monocultura industrial, o que significa que é responsável pela perda de espécies”, disse Patel. “Nós estamos perdendo espécies que nunca ouvimos falar, as que ainda temos que colocar um nome e a agricultura industrial está muito na ponta da lança”.

Em uma entrevista com The Independent, Patel apontou para a maior “zona morta” no Golfo do México. A região tem pouco oxigênio para a vida marinha como resultado de grandes quantidades de fertilizantes lavados de fazendas nos Estados Unidos continentais para o oceano. “Essa zona morta não é um acidente. É uma exigência da agricultura industrial se livrar do sh * t e do escoamento em outro lugar, porque você não pode tornar a agricultura industrial viável, a menos que você lance os custos em outro lugar “, disse ele. “A história da agricultura industrial trata de externalizar os custos e explorar a natureza”.

Sexta extinção em massa na Terra
Sexta extinção em massa na Terra (Foto: via Pixabay)

As monoculturas, como a soja e o milho, são grandes criminosos no livro de Patel. Não só a prática agrícola resulta em uma perda de diversidade , mas também elimina habitats de espécies potencialmente ameaçadas, incluindo elefantes, jaguares e pinguins”. A extinção é sobre a eliminação da diversidade. O que acontece no Brasil e em outros lugares é obter desertos verdes – monoculturas de soja e nada mais “, afirmou. Prova disso pode ser encontrada em Sumatra, onde as florestas estão sendo dizimadas para abrir caminho para plantações de palmeiras e fábricas industriais de carne.

Nos oceanos, anchovas e sardinhas e sobrepesca. Em vez de serem consumidos por seres humanos, no entanto, eles são triturados e adicionados para alimentar salmão, porcos e galinhas. Para os animais que os alimentam, como os pingüins, isso causa problemas à medida que a fonte de alimentos está em declínio.

O professor está exortando os consumidores a “pensar em uma escala maior”. Disse Patel, “Como consumidor” você está apenas se permitindo uma variedade de ações. “Como consumidor “, você pode comprar algo que seja local e sustentável, que é rotulado como comércio orgânico ou justo”. Ele acrescentou:” Mas “como consumidor”, você não consegue fazer muito bem. Como cidadão, como pessoa decente, você pode exigir mais de seu governo, do empregador, de você mesmo.

O ativista exorta as pessoas a estar conscientes do seu poder “como parte de uma sociedade onde podemos mudar as coisas”. Ele disse: “Temos esse poder de mudar as coisas no futuro. O que temos de fazer é fazer essa mudança. “A resposta não é vegetarianismo, ele disse (embora com certeza possa ajudar). Em vez disso, é hora de a humanidade mudar para um mundo no qual os recursos foram compartilhados e atendidos. Patel também solicita uma mudança de mentalidade, como as “imagens de consumo de pessoas que são inteiramente insustentáveis”.

O professor Patel será um palestrante na Conferência de Extinção e Pecuária em Londres, em outubro. O evento é organizado por grupos como Compassion in World Farming e WWF e está sendo realizada para aumentar a conscientização sobre a rápida taxa de perda de espécies que, em última instância, pode levar à sexta extinção em massa da vida.

 

Ler matéria completa

Vagner Liberato

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro.
Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável.
Desde 2015 faço o Jornal Sustentabilidade com maior prazer!

Para falar comigo, entre em contato pelo email:
contato@meioambienterio.com

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close