Notícias

Editora se posiciona a favor de Bolsonaro e divide opiniões na Internet

Posicionamento Político-partidário dos donos da Editora Selo Jovem foi divulgado no perfil oficial do Facebook da empresa

A Editora Selo Jovem é uma empresa de publicação paga que oferece os seus serviços para autores iniciantes e independentes. O serviço é conhecido no mercado literário como Vanity Press. Esse é um modelo onde o próprio autor paga pela publicação do seu livro, que fica à venda nos canais de distribuição da editora.

No último dia 24 de setembro, a Editora Selo Jovem publicou em seu perfil oficial no Facebook o apoio político ao candidato a Presidência da República Jair Bolsonaro. No post, a editora escreveu: “Nós estamos com Jair Bolsonaro e desafiamos vocês do Movimento LGBT a tirar uma foto com um apoiador do Bolsonaro. Viva o respeito e o direito de livre expressão!”.

Nos comentários, os seguidores da editora não ficaram muito felizes com o posicionamento político da empresa. Um seguidor escreveu “Que triste saber que vocês apoiam o Bolsonaro. Eu estive na Bienal do Rio, conheci a editora e nunca imaginaria que vocês apoiam o Bolsonaro”.

“Eu nunca mais verei a editora com os mesmos olhos. Expor o nome da empresa foi um erro. Eu não coloco mais o meu dinheiro dentro dessa empresa. Não me interessa se o dono ou qualquer outro funcionário apoia tal candidato. Expor abertamente o nome da empresa foi totalmente antiprofissional” escreveu Raissa Sara. Em resposta, a Editora Selo Jovem escreveu: “Entendo, mas nós somos uma empresa diferente e sempre fomos assim. Se dar as nossas opiniões pelo Brasil é antiético, então somos antiéticos”.

Histórias da Minha Morte, livro de Maya Falks

A escritora Maya Falks escreveu: “Vocês, em algum momento, pensaram que representam e estão atrelados a dezenas de autores que tem um posicionamento político diferente do de vocês? Não me interessa se é Bolsonaro, se é Lula ou se é o Zezinho da Quitanda, vocês são uma Pessoa Jurídica com um selo atrelado a pessoas que não foram consultadas se gostariam de ter os seus nomes associados a esse político”.

A leitora Dany Lima escreveu “Eu respeito muito a opinião de vocês, pois cada um tem os seus próprios valores e princípios. Entretanto, uma empresa como essa dizer abertamente o seu posicionamento político é extremamente antiprofissional, visto que nem todos os seus funcionários e clientes partilham da mesma opinião”.

“Como empresa, era melhor que ficassem neutros em uma situação dessas, tendo em vista que os seus leitores tem ideologias políticas diferentes” comentou Camila Torres. A editora respondeu ao comentário de Camila dizendo que “Não tem neutralidade na nossa empresa. Apoiamos Bolsonaro e não temos vínculo com nenhum movimento social, seja LGBT, Feminista, Anarquista, o que for”.

A leitora Catherine Marcelle escreveu: “É claro que temos que respeitar os posicionamentos individuais das pessoas, mas vocês como empresa jamais deveriam se posicionar em um assunto tão complexo. Nem todo mundo vê solução na ideologia desse candidato e vocês deveriam respeitar isso”.

LEIA TAMBÉM:  Confira o Resultado do Jogo do Bicho das 18 Horas – PTN
Editora Selo Jovem

“Vocês precisam de uma empresa séria de Marketing. Mesmo não sendo a opinião dos autores, vocês precisam dos autores para sobreviver. Esse posicionamento político foi um tiro no pé” escreveu Cris Paulino.

O leitor Bruno Marques comentou “Eu nem consigo expressar o desgosto que estou sentindo agora. Nunca pensei em ver uma editora tendo um posicionamento político. Para mim, as editoras sempre foram casas neutras para abrigar confortavelmente autores das mais diversas opiniões pessoais e políticas”.

“A editora precisa lembrar que é uma empresa e que esse tipo de posicionamento vincula não só o selo, mas também os seus autores. Os donos da empresa deveriam se posicionar apenas no seu perfil pessoal” opinou Raquel Costa.

“Uma editora apoiando um candidato que não possui uma proposta para a educação e a cultura é surreal” comentou Bárbara Paiva.

Doughie Godoi comentou: “Eu só acho que a editora tinha que ser mais imparcial quanto a política. Tem pessoas que publicaram os seus livros aí que não tem o mesmo posicionamento político e isso pode prejudicar bastante os escritores. Uma falta de profissionalismo gigante”.

“Que triste um editor que nunca leu ou compreendeu Senhor dos Anéis. Do contrário, jamais apoiaria um candidato tão ridículo. Eu tenho pena dos autores que estão vinculados com essa editora” escreveu Fabiana Ferraz.

“Amor, respeito e Bolsonaro são duas coisas opostas. Editora, revise os seus conceitos. Os editores deveriam ter um bom conhecimento das coisas, mas não é o que vemos por aqui” comentou Fernando Siqueira.

A leitora Bárbara Nunes escreveu “Uma editora que apoia um candidato que votou pelo congelamento de recursos para Educação não merece nem consideração”.

“Vocês estão afetando os seus autores. Está falando pela empresa e isso atinge os pobres autores que infelizmente tomaram a péssima decisão de publicar com vocês. Se manifestem nos seus perfis pessoais e não no perfil da empresa” escreveu Paula Vieira.

A escritora Vanessa Nunes escreveu: “Eu não apoio uma editora que brinca com os autores como vocês fazem. Isso é um desrespeito. Não me importo em quem vocês votam, mas uma editora deveria permanecer neutra. Deixe os posicionamentos políticos para o seu perfil pessoal”.

“A editora é uma empresa formada por vários profissionais com diferentes opiniões políticas. Inclusive autores que não apoiam esse candidato violento. Postar esse tipo de coisa no perfil de uma empresa é completamente antiético” comentou Lucas Di Capri.

O Lado Real do Abstrato, livro de Caroline Fortunato

Os autores da editora também se posicionaram contra a postagem. Caroline Fortunato, autora do livro “O Lado Real do Abstrato“, escreveu “Fiquei surpresa em descobrir esse posicionamento da editora por acaso. Indiretamente, vocês estão falando por todos nós, autores. E eu nunca vou agradecer por ter o meu nome ligado a esse candidato”.

LEIA TAMBÉM:  Tudo por um Popstar: Ouça a versão da música Amor Perfeito para o filme

Diego Mendes, autor do livro “Detalhes de um Crime”, também publicado pela Editora Selo Jovem, comentou: “Nem todos os escritores da Selo Jovem apoiam esse candidato. Eu achei desrespeitoso vocês incluírem os autores nesse discurso”.

Jessé Diniz, autor de “Sozinhos no Escuro”, escreveu que, embora seja um dos contratados pela empresa, não concorda com o posicionamento político da editora.

Danilo Potens, autor de “O Culto – A Origem da Cabra Preta”, escreveu “Em respeito aos autores gays, autores e autoras negras, a Editora Selo Jovem jamais poderia apoiar esse candidato. Inclusive, vou verificar na legislação se Pessoas Jurídicas podem fazer propaganda política dessa forma”.

O blogueiro Michel Uchiha, do blog No Meu Mundo, comentou: “Uma editora tão insignificante que precisou disso para ter comentários na sua página. Só não se esqueça que esses que estão apoiando o seu posicionamento não vão comprar os seus livros, pois eles não leem”.

Na seção de comentários, houve também quem apoiou o posicionamento político da editora. A leitora Lidielly Silva escreveu “Parabéns a editora pela coragem de se posicionar por um Brasil melhor para todos”.

“Parabéns pelo posicionamento. O PT está no poder desde 2002. Já votei neles e deu no que deu. Nunca estivemos tão mal em segurança, educação e saúde” escreveu outra leitora.

A especialista em Marketing Gabrielle Pires comentou: “Olha, eu sou especializada em Marketing e trabalho no Mercado Editorial há anos. O impacto do posicionamento de uma editora afeta sim os seus autores. Isso é conceito básico de qualquer mercado. Uma marca afeta os seus produtos e os seus funcionários”.

Para responder as críticas, a Editora Selo Jovem escreveu a seguinte mensagem: “Não apoiamos nenhuma causa LGBT, Feminista ou Anarquista. O que queremos é uma mudança drástica no Brasil. Não estamos lutando contra grupos LGBT e nem a favor. A nossa luta é por um país sem corrupção. Nós não estamos preocupados em defender nenhum grupo LGBT. Estamos preocupados apenas com o nosso país. Somos uma empresa independente que nunca tivemos ajuda do MEC e nem da Lei Rouanet”.

Raigor Ferreira

Olá! Eu sou o Raigor. Sou escritor de livros infanto-juvenis desde 2014 e redator nas horas ocupadas. Autêntico canceriano e apaixonado pela escrita desde que aprendi a ler com quatro anos, escrevo sobre celebridades, séries e filmes aqui no Meio Ambiente Rio. Eu amo esse universo e se quiser entrar em contato comigo, escreva pararaigorbooks@gmail.com

Tags
Mostre mais

Verifique também

Close
Close