Meio Ambiente

Mortalidade de botos na Baía de Sepetiba já é quatro vezes superior ao aceitável para 2015

Desde o início do ano, já foram recuperadas 31 carcaças de boto-cinza na Baía de Sepetiba. O quadro é extremamente grave, visto que já é quatro vezes superior ao número máximo de mortes por causas não naturais aceitável por ano. Caso esta elevada taxa de mortalidade de mantenha, não tardará para a população de botos-cinza da Baía de Sepetiba se extinguir.

São várias as causas de morte: captura acidental em redes de pesca, sobrepesca, poluição química, sonora e marítima, o crescente tráfego de embarcações na baía, o turismo desordenado… Um dos principais problemas é a falta de fiscalização na Baía de Sepetiba, visto que a pesca industrial é proibida por lei, mas continua sendo praticada na Baía. Espera-se que com a implantação da APA Marinha Boto-Cinza (área de proteção ambiental), criada em abril, seja possível combater esses problemas.

Ontem (02/06), a equipe do Projeto Abrace o Boto-Cinza, patrocinada pela Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental, recolheu duas carcaças de boto na Baía de Sepetiba. Ambos eram machos adultos e apresentavam estado de decomposição moderado. O primeiro foi encontrado no costão rochoso da Praia de Sepetiba; e o segundo, um dos mais pesados que o Instituto Boto Cinza já recolheu, estava boiando próximo à Ilha da Marambaia.

DSCN6485

Fonte: institutobotocinza.org.br

 

 

Vagner Liberato

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.