Meio Ambiente

Governadores querem mais recursos para preservação

Detentores da maior área de preservação ambiental do Planeta Terra, os governadores da Amazônia Legal se reuniram novamente para discutir principalmente as políticas de preservação ambiental e cobraram a participação mais efetiva deles na construção das políticas nacionais e modelos para a superação da crise econômica que afeta diretamente a todos os entes federados.

O assunto ambiental que é essencial e pautará o Encontro Mundial – Conferência das Partes (COP) 21 em Paris, no próximo mês de dezembro, acabou cedendo lugar para o Pacto Federativo que tende a redimensionar o poder de decisão e de distribuição de recursos entre governo federal, Estados e municípios. “De nada adianta se discutir questões ambientais no atual momento de instabilidade política e de falta de poder para os Estados e municípios”, disse o governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PDT).

Assediado pelos ministros presentes ao evento, dos Transportes, Antônio Rodrigues; Meio Ambiente, Isabella Teixeira e de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, por causa da necessidade de apoio para as matérias do Ajuste Fiscal, Pedro Taques teria sinalizado ser favorável desde que o governo federal cumprisse com suas obrigações em relação aos Estados e municípios, já que as matérias como o Fundo de Equalização das Alíquotas do ICMS pode representar uma perda estimada entre R$ 150 até R$ 380 milhões a menos por ano para Mato Grosso. O governador de Mato Grosso que recentemente esteve nos Estados Unidos discutindo em organismos financeiros como o Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, recursos para compensação pela preservação ambiental, o REED que nada mais é do que a Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal.

“REED nada mais é do que mecanismo de remuneração dos países que mantém suas florestas em pé, sem desmatar, e com isso, evitam emissões de gases de efeito estufa associadas ao desmatamento e a degradação. A este conceito se adicionou atividades de conservação, manejo sustentável das florestas e aumento de seus estoques, componentes que deram origem ao REED+”, explicou Pedro Taques que criticou a falta de vontade política da maioria dos países membros das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC). Para o governador Pedro Taques, os governadores de todo o Brasil devem ser ouvidos. “Nós queremos participar. Venho de um Estado que preserva 60% de 904 mil quilômetros quadrados”, disse ressaltando esperar ser compensado, pois Mato Grosso lidera a produção do agronegócio, uma das poucas atividades ainda superavitárias. (M.L)

 

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.