Meio Ambiente

Chefes de missões olímpicas conhecem estruturas para os Jogos Rio 2016

Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil

Terminou hoje (20), no Rio de Janeiro, o Seminário de Chefes de Missão dos Jogos Rio 2016. Desde segunda-feira (17), representantes de 201 delegações olímpicas se reuniram com o comitê organizador para tirar dúvidas sobre a logística durante o megaevento esportivo e também conheceram algumas instalações olímpicas, como a Vila dos Atletas.

De acordo com o diretor de Relações com Confederações Nacionais do Comitê Rio 2016, Mário Cilenti, os delegados também são recebidos em reuniões individuais e têm saído satisfeitos com a organização.

“Isso aqui acontece em todos os Jogos Olímpicos. Tem que acontecer obrigatoriamente um ano antes dos Jogos e durante o período dos jogos, porque uma das coisas que eles querem ver é a situação climática da cidade. A gente preparou para eles um dossiê dois meses atrás, com mais de 300 páginas, com todos os detalhes. Agora, basicamente, a gente continua explicando todos os detalhes”.

Cilenti explica que cerca de 70 comitês olímpicos já haviam visitado o Rio anteriormente, mas, para 130, esta foi a primeira oportunidade. “São comitês olímpicos muito pequenos e provavelmente vai ser a única vez deles no Rio antes dos jogos. Então, para eles é fundamental ter esses três, quatro dias para absorver tudo e entender a logística da cidade para poder repassar a seus países. Eles estão procurando os detalhes, fizeram mais de 200 perguntas, como ‘a que horas sai o ônibus para a cerimônia de abertura no Maracanã?’ Tem detalhes que a gente ainda não tem, mas teremos o momento para informar.”

O representante de Angola, Mario Rosa de Almeida, diz que já esteve no Rio de Janeiro três vezes para cuidar da preparação para os jogos e gostou do que viu.  “O que o Rio fez nesta semana aqui é uma demonstração de que os jogos vão ser um sucesso total. Sob todos os pontos de vista, a maioria das obras vai estar pronta em mais ou menos seis meses. Do ponto de vista da organização, a maneira como os voluntários se posicionaram, a maneira como o comitê organizador respondeu às questões que foram colocadas. Essa é a minha sexta missão de Jogos Olímpicos, e nos sentimos agradavelmente surpreendidos pela maneira como o Rio de Janeiro apreendeu e nos facilitou a vida”. Angola deve trazer 36 atletas para a competição, em agosto do ano que vem.

O chefe da missão do Catar, Mohammed Al-Fadhala, que esteve pela segunda vez no Rio, parabenizou a hospitalidade do país e do comitê.  “Primeiro que, como chefes, temos que ver a hospitalidade para todos nós, do comitê organizador e do país. A vila olímpica está perto de 90% das obras prontas, assim como os locais das competições. Nós visitamos os lugares, estão em nível muito avançado. Estamos muito felizes”. A expectativa do Catar é ter sete ou oito atletas nos jogos.

Está prevista a participação de 206 países nos Jogos. O chefe de missão é a pessoa no comitê nacional responsável pela delegação que participa do evento. Ele é o interlocutor no país-sede entre os atletas e todas as confederações locais, reunindo todas as informações necessárias para repassar à delegação.

Ler matéria completa

Vagner Liberato

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Jornal Sustentabilidade com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close