Meio Ambiente

Brasil e Alemanha unem forças em reação à mudança climática

Por Anthony Boadle

BRASÍLIA (Reuters) – Brasil e Alemanha se comprometeram nesta quinta-feira a adotar uma abordagem conjunta para lidar com a mudança climática, um gesto que harmoniza as maiores economias da Europa e da América Latina antes da cúpula climática de Paris em dezembro.

A chanceler alemã, Angela Merkel, e a presidente Dilma Rousseff se concentraram basicamente na cooperação ambiental durante a visita de 24 horas da líder europeia, que também tratou do fortalecimento do comércio e dos investimentos na estagnada economia brasileira.

“Acordamos ações comuns para enfrentar uma das grandes questões do século 21”, disse Dilma, acrescentando que o Brasil está engajado em zerar o desmatamento na Amazônia até 2030.

A reunião da Conferência sobre Mudança Climática da Organização das Nações Unidas (ONU), a COP-21, na capital francesa, irá buscar um acordo obrigatório sobre a maneira de dividir o fardo de se diminuir o aquecimento global em 2 graus Celsius, ou menos, acima dos níveis pré-industriais.

Abrindo os cofres para comprovar seu discurso, o governo alemão anunciou 550 milhões de euros em financiamento para programas ambientais no Brasil.

O Ministério do Desenvolvimento da Alemanha irá oferecer ao Brasil 525 milhões de euros em empréstimos para custear o desenvolvimento de fontes de energia renovável e para a preservação das florestas tropicais. A Alemanha ainda doou 23 milhões de euros para ajudar o Brasil a criar um registro rural com o objetivo de aprimorar o monitoramento do desmatamento.

Dilma, cujo governo sofre com a pior recessão econômica em três décadas e os desdobramentos de escândalos de corrupção, informou Merkel a respeito dos ambiciosos planos de infraestrutura do país e convidou empresas alemãs a participar de licitações de construção de estradas, portos, rodovias e aeroportos.

Tanto empresas locais quanto estrangeiras se queixam há décadas da dificuldade de se fazer negócios no Brasil devido à burocracia e à lentidão das agências reguladoras.

Em entrevista ao jornal alemão de negócios Handelsblatt, Dilma afirmou que o Brasil está trabalhando em uma regra que concederia aprovação automática a propostas que não sejam decididas em um determinado prazo de tempo.

A Alemanha é o quarto maior parceiro comercial do Brasil. O México desbancou o Brasília como principal parceiro de Berlim na América Latina.

Merkel e Dilma disseram que querem acelerar as negociações de um acordo comercial da União Europeia com o Mercosul, que se arrasta há 15 anos.

A troca de propostas para uma redução de tarifas, agora marcada para o fim deste ano, foi freada pela crise econômica da Argentina.

A Alemanha está interessada colocar as conversas em andamento com os países do Mercosul que estejam prontos. Merkel afirmou a repórteres que Dilma também está disposta a isso.

(Reportagem adicional de Andreas Rinke)

 

Vagner Liberato

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.