Meio AmbienteSustentabilidade

Designer cria alternativas para as embalagens plásticas

As embalagens plásticas de alimentos se tornaram um alvo em todo o planeta. Por isso, elas representam uma preocupação para centenas de ambientalistas. Caminhe pelo corredor de qualquer supermercado ou procure em seu próprio carrinho de compras. Dessa forma, é bem provável que você veja pacote feitos de plástico à base de petróleo.

Alguns cientistas e engenheiros, preocupados com o futuro do planeta, estão tentando resolver o problema. Nesse grupo, está a designer Margarita Talep, que desenvolveu uma alternativa baseada em algas para o plástico.

Com o curto ciclo de vida da maioria das embalagens, Talep queria criar um material que resistisse à tarefa de armazenar alimentos e outros produtos, mas que se desfizesse rapidamente assim que atingisse o fluxo de resíduos.

Novas Embalagens Plásticas – Como funciona

Agar é uma substância gelatinosa proveniente de algas marinhas que não é uma novidade no mundo alimentar, pois é comumente usado como espessante alimentar. Com esse entendimento, Talep aquece o agar para criar um polímero. Logo em seguida, ela adiciona água como um plastificante e corantes naturais para a cor. Para atingir o objetivo de ingredientes naturais, os corantes naturais são provenientes de frutas e vegetais. Tais como beterraba, cenoura, mirtilo e repolho roxo.

Depois que a mistura de ágar e outros ingredientes é aquecida, ela é resfriada. Este é um processo que a transforma em gel. Neste ponto, a mistura é transformada em plástico fino ou despejada em moldes para esfriar. Ao ajustar os ingredientes, a Talep criou um material firme que irá moldar em formas, como as bandejas nas quais um pacote de donuts se encontra. A técnica é versátil o suficiente para também criar um substituto para as sacolas plásticas.

Com o objetivo primordial de substituir embalagens descartáveis ​​de uso único, a embalagem de algas decompõe naturalmente dentro de dois a três meses durante os meses quentes de verão, dependendo da espessura do material. Nos meses mais frios do inverno, o material ainda se quebra, mas requer algumas semanas extras.

Tags
Saiba mais

Aurelio Barbato

Aurélio Barbato é Administrador de Empresas e Economista, formado pela Faculdade de Ciências Econômicas de São Paulo, da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado especializado em Economia Sustentável, coordenou atividades, temas, discussões de políticas públicas e eventos importantes no setor da indústria eletroeletrônica. Para falar comigo envie um e-mail para aureliogestaoestrategica.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close
Close