Meio AmbienteNotíciasSustentabilidade

Chuva diminuiu movimento na Região dos Lagos no Carnaval

O movimento de turistas na Região dos Lagos foi 25% menor que nos anos anteriores. A estimativa foi feita pelos Conventions Bureau, comerciantes e hoteleiros, que atribuem a queda ao tempo ruim, ao fato de o Carnaval 2019 ter caído em março e ao crescimento dos blocos de rua no Rio de Janeiro como um todo. Com o movimento menor, contudo, os visitantes não tiveram problemas com longos engarrafamentos nas cidades, falta de água e de energia elétrica, que foram motivo de muitas reclamações durante o réveillon na capital carioca.

O Comandante do 25º BPM, o coronel Roberto Dantas, estima que cerca de 2 milhões de pessoas passaram o Carnaval nos sete municípios da Região dos Lagos, que ficam na área do batalhão. Nos quatro dias de festa, foram feitas 28 prisões. Além disso, oito armas foram apreendidas, quatro pessoas foram mortas (uma delas em confronto com a PM), 59 motos e 38 carros irregulares foram apreendidos, e 82 aparelhos de som foram recolhidos pela PM. O caso policial mais grave ocorreu às 4h da madrugada de terça-feira na Praia do Forte, em Cabo Frio, onde uma pessoa morreu e quatro ficaram feridas após uma tentativa de assalto.

Nas estradas, os turistas reclamaram do excesso de pardais eletrônicos (controladores de velocidade). Eles reclamaram também dos buracos nas rodovias estaduais que ligam Niterói à Região dos Lagos. Na BR-101, houve retenções em frente aos postos da Polícia Rodoviária Federal (devido à redução da velocidade), no Trevo de Manilha e na Avenida do Contorno devido a obras inacabadas.

Um Carnaval menos movimentado na Região dos Lagos

Em Búzios, o presidente do Búzios Convention Bureau, Angel Waizer, calculou uma queda no movimento entre 20 e 30% em relação aos últimos anos nas pousadas e no comércio. Ele acredita que a previsão de tempo ruim no Carnaval, com muitas chuvas, foi o principal motivo para a queda no movimento. Búzios tem a segunda maior rede hoteleira do estado, ficando atrás apenas da capital. Os grandes shows que estavam programados para a Praia de Geribá foram cancelados depois de complicações da organização com o Ministério Público e com a Justiça.

Em Cabo Frio, o Convention Bureau, entidade que congrega 170 empresários ligados ao turismo, também registrou queda no movimento de turistas. Os blocos desfilaram na Praia do Forte sem maiores problemas. No Peró, o Bloco Perócão arrastou mais de três mil foliões no domingo sem qualquer incidente. Na praia, que conquistou a Bandeira Azul, os banhistas reclamaram da fiscalização de posturas, que não reprimiu as caixas de som na areia, entre outras irregularidades.

Região dos Lagos no carnaval
Região dos Lagos no Carnaval / Foto: Divulgação PM (bloco na Praia do Forte) e Otacílio Neto (Praia do Peró)

O movimento foi abaixo do registrado no ano passado no comércio e na hotelaria. Apesar disso, o Carnaval foi tranqüilo. Mas existem muitas coisas que ainda precisam ser ajustadas” disse a presidente do Convention de Cabo Frio, Maria Inês Oliveiros.

O dono do Supermercado Tucano, Availdes Vianna, estima em 25% a queda de movimento em relação ao réveillon, que foi “muito bom”, segundo ele:

Vários fatores influenciaram para a queda do movimento. A data foi ruim. Muita gente não recebeu pagamento. E as chuvas na Região Serrana e no Grande Rio desanimaram as pessoas a pegar a estrada para a Região dos Lagos, onde também havia previsão de chuvas” comentou ele.

O gerente do Paradiso Peró, Márcio Nascimento disse que a taxa de ocupação não foi tão boa quanto à do réveillon e que muita gente deixou para fazer reservas na última hora. A abertura da “melhor temporada” foi marcada para o dia 16 de março na Praia do Peró.

Tivemos um incremento na ocupação na última hora. Os hóspedes, contudo, encontraram um ambiente seguro com blocos populares, calor e praia com boa ocupação” disse Márcio Nascimento.

Tags
Saiba mais

Paulo Araújo

Paulo Roberto Araújo fez sua carreira jornalística no jornal O Globo, onde atuou como repórter e chefe de reportagem da editoria Rio. Sempre com foco no meio ambiente e no turismo, especialmente no interior fluminense, que o levou a ser agraciado com o Prêmio CREA de Meio Ambiente. Paulo Roberto Araújo - Jornalista - MT: 18146/RJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

1 + 7 =

Close
Close