Imagem: Pixabay

A relação entre humanos e animais vem se fortalecendo cada vez mais ao longo dos anos. De acordo com a pesquisa Radar Pet 2021, apresentada pela Comissão de Animais de Companhia (COMAC), a adoção teve um aumento de 30% nos lares brasileiros durante o isolamento social. Dentre estes, 23% adotaram um pet pela primeira vez. 

No entanto, outros dados mostram que a taxa de abandono também cresceu. Segundo informações divulgadas pela Ampara Animal, a taxa de recolhimento de animais abandonados aumentou cerca de 61% durante a pandemia. Na maioria dos casos, o abandono ocorre por falta de preparo ou suporte dos tutores. 

Por esse motivo, antes de decidir adotar um bicho de estimação os tutores precisam estar atentos às responsabilidades que essa decisão pode demandar. 

O que é preciso saber antes de adotar um animal de estimação

Não há dúvidas de que os animais são ótimos companheiros e podem proporcionar muita alegria para quem os adota. No entanto, antes de tomar a decisão é preciso estar ciente dos cuidados necessários e responsabilidades que essa atitude carrega. 

Atente-se ao espaço que irá receber o animal 

Adotar um animal de estimação demanda diferentes cuidados para garantir o bem-estar tanto para os pets quanto para seus tutores. O primeiro aspecto está relacionado ao ambiente que irá abrigar o animal. 

Antes de tomar qualquer decisão, é preciso entender se a casa ou apartamento oferece o espaço suficiente para acomodar a espécie escolhida. Caso a moradia seja em um apartamento ou uma casa com pouco espaço, o ideal é optar por raças menores e estabelecer uma rotina de passeios para que o animal possa se exercitar com regularidade. 

Outro detalhe importante é preparar o espaço para garantir mais segurança e conforto para os pets. No caso dos cães, é fundamental cercar a casa para que eles não fujam e corram perigo na rua. Já quem deseja adotar gatos deve adicionar telas nas janelas para proteger o animal, principalmente em casos de apartamentos em andares mais altos. 

Escolha a ração de acordo com idade, peso e porte do animal

A alimentação é outro detalhe fundamental para garantir que a adoção seja responsável. Muitos tutores de primeira viagem podem ficar confusos com os tipos de ração e qual a quantidade necessária por dia.

O mais importante é saber que a alimentação, tanto para cachorros quanto para os gatos, varia de acordo com o peso, idade e porte do animal. É possível identificar todas as informações na embalagem dos produtos.

No geral, os cães se alimentam duas vezes ao dia, já os gatos comem pequenas porções ao longo do dia. A água do animal deve ser fresca e trocada com frequência.

Cuidados frequentes com o animal

Além da alimentação, os tutores devem estar atentos aos cuidados que um animal pode necessitar. Os gatos normalmente não precisam de banho, mas os cães necessitam de higienização semanalmente ou a cada quinze dias.

Cada animal necessita de acessórios específicos de acordo com sua espécie para realizar suas necessidades fisiológicas. As caixas de areia são ideais para os gatos, que costumam aprender a usá-las sozinhos. É possível encontrar em pet shops e também em supermercados. 

Já para os cães os tapetes higiênicos são boas opções. Uma dica é investir no uso de tapete higiênico lavável, pois os itens são mais sustentáveis, econômicos e duráveis. 

Prepare-se para os gastos com saúde 

Um dos cuidados que mais assustam os tutores de primeira viagem são os gastos com a saúde do animal. Por esse motivo, antes de decidir adotar ou não um pet, tenha atenção às despesas que podem ser necessárias. 

Além de todos os itens mencionados acima, o animal também precisará de vacinas, vermífugos, anti-pulgas, castração e de cuidados no veterinário quando eventualmente estiver doente.  

Em caso de ausência, planeje-se com antecedência 

Os pets não devem ficar sozinhos por longos períodos, pois podem ficar estressados e acabar fazendo bagunça para se distrair. 

Nas férias ou em períodos de ausência frequente, o ideal é levar os pets nas viagens e verificar se o local de destino aceita animais. Outra alternativa é deixá-los com amigos ou hotéis especializados para pets durante o período. 

Também é importante realizar um check up no veterinário antes de viajar, adquirir caixas de transporte apropriadas para espécie e tamanho do animal e separar algum petisco para que se alimentem no caminho. 

Maus tratos contra animais é crime

Quem deseja adotar deve ter certeza dessa decisão, pois o abandono e maus tratos de animais é considerado crime. A principal lei que protege os bichos é a Lei Federal 9.605/98, conhecida como Lei dos Crimes Ambientais. 

A legislação prevê pena de 3 meses a 1 ano de prisão e multa para casos de abuso, maus-tratos, abandono e mutilação. Caso ocorra a morte do animal, a pena pode aumentar para até seis anos.

Gostou dessas dicas? Se sim, compartilhe com seus familiares e amigos, e também em suas redes sociais. Receba conteúdo gratuito, diariamente, e siga-nos no Google News.