agricultura
Os sistemas de agricultura orgânica são projetados para otimizar a saúde e o bem-estar dos animais, recursos naturais, culturas e pessoas, e para manter e melhorar o meio ambiente dentro e fora da fazenda.

De acordo com a Organização dos Alimentos e Agricultura das Nações Unidas, a agricultura biológica pode ser definida como um modo de produção holístico, que promove e melhora a saúde do ecossistema agrícola.

Tudo isso ao fomentar a biodiversidade, os ciclos biológicos e a atividade biológica do solo desenvolvidas entre as empresas.

É uma metodologia de agricultura que privilegia o uso de boas práticas de gestão da exploração agrícola, sempre levando em conta que os sistemas de produção devem ser adaptados às condições regionais e ao licenciamento ambiental para indústrias.

A agricultura biológica pode ser efetivada através do uso de métodos biológicos, organizacionais, culturais e mecânicos em detrimento da utilização de materiais sintéticos.

Pensando em esclarecer do que se trata essa técnica de cultivo sustentável que é a agricultura biológica, vamos esclarecer detalhadamente neste artigo desde a história e desenvolvimento, até os benefícios que toda a sociedade pode conquistar. Confira!

História do conceito de agricultura orgânica

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o termo Agricultura Biológica surgiu por volta de 1920, quando surgiram movimentos e expressões contra os fertilizantes químicos sintéticos.

Mas não somente isso, a causa abrangeu também a luta pela cultura baseada em processos biológicos naturais para a fertilidade do solo e outras práticas agrícolas.

Ou seja, foram movimentos que fizeram com que uma empresa de licença ambiental e outras entidades do meio ambiente se manifestassem para a causa.

Inicialmente, esses movimentos foram agrupados em quatro grandes categorias: 

  • Bioagricultura;
  • Agricultura biodinâmica;
  • Agricultura natural;
  • Agricultura orgânica.

Em meados da década de 1970, esses aspectos foram categorizados e denominados de agricultura alternativa, hoje conhecida como agricultura orgânica.

O objetivo da agricultura orgânica

Os sistemas de agricultura orgânica são projetados para otimizar a saúde e o bem-estar dos animais, recursos naturais, culturas e pessoas, e para manter e melhorar o meio ambiente dentro e fora da fazenda.

Para tanto, essa prática de cultivo não utiliza fertilizantes sintéticos, pesticidas e defensivos agrícolas, e emprega técnicas de produção que aumentam a fertilidade natural do solo e reduzem a incidência de pragas e plantas daninhas na plantação.

Agricultura convencional e agricultura biológica

A principal diferença entre a agricultura orgânica e a agricultura convencional é o uso de fertilizantes, pesticidas e pesticidas para otimizar o processo de produção agrícola.

Além do uso de agrotóxicos, os dois estilos de plantio diferem na prática da monocultura, em que os agricultores cultivam uma única espécie – o que compromete a restauração e manutenção do solo.

A agricultura convencional, por utilizar mecanismos e técnicas artificiais para proteger as lavouras, é considerada muito prejudicial tanto ao meio ambiente quanto à saúde humana de várias formas.

Os principais riscos ao meio ambiente decorrentes do uso indevido de agrotóxicos e fertilizantes incluem:

  • Degradação do solo;
  • Contaminação do solo e água ao redor das plantações;
  • Contaminação dos lençóis freáticos;
  • Desmatamento.

Quando se trata do uso indevido de fertilizantes nitrogenados, como o óxido nitroso, são elementos que impactam o desequilíbrio do efeito estufa e outros riscos ao meio ambiente.

No que diz respeito à saúde humana, estudos têm demonstrado prejuízos decorrentes da ingestão de alimentos contaminados com quantidades excessivas de agrotóxicos.

Os resultados apontam que esses agrotóxicos podem levar à disfunção hormonal, contaminação do leite materno, malformações fetais, entre outros problemas de saúde.

Além disso, tem mostrado o desenvolvimento de problemas cognitivos infantis, sem contar que são substâncias possivelmente cancerígenas, e por isso pode contribuir para o desenvolvimento de vários tipos de cânceres.

A solução para esses problemas oriundos da agricultura massiva e que utiliza agrotóxicos é um programa de educação ambiental em conjunto com a agricultura biológica, que utiliza técnicas naturais para manter a plantação.

Benefícios da Agricultura Biológica

A agricultura biológica promove diversos benefícios para o meio ambiente e também para a saúde dos consumidores e toda a sociedade.

Vamos ver agora com mais detalhes cada um dos benefícios que podem ser adquiridos com medidas de regularização ambiental de empresas que promovem e realizam agricultura biológica em suas plantações e cadeias produtivas. Confira:

Exposição reduzida a pesticidas

Um dos grandes benefícios da agricultura biológica é de fato o que muitos defensores ambientais e entidades sonham há décadas: a redução de pesticidas na agricultura.

Ou seja, com as técnicas de agricultura biológica, há uma redução considerável de pesticidas prejudiciais ao meio ambiente.

Consequentemente, com essas medidas em prática é possível diminuir os outros muitos problemas ambientais e sociais causados pelo uso de pesticidas e produtos químicos.

Agricultura biológica é sinônimo de solo saudável

Para cultivar alimentos saudáveis e orgânicos, é preciso ter um solo saudável. O tratamento do solo com pesticidas e produtos químicos nocivos pode acabar com um solo que não pode produzir plantações boas.

As práticas de cultivo natural são muito melhores do que o manejo químico do solo.

Um grande estudo de nove anos do USDA Agricultural Research Service (ARS) mostra que a agricultura biológica acumula matéria orgânica do solo melhor do que o plantio direto convencional.

Ou seja, apenas uma colher de chá de solo com composto biológico pode abrigar até 600 milhões a 1 bilhão de bactérias úteis de 15.000 espécies. Por outro lado, uma colher de chá de solo tratado com produtos químicos pode conter apenas 100 bactérias úteis.

Os resíduos orgânicos tratados biologicamente produzem húmus de alta qualidade. Torna o solo poroso, o que facilita a aeração das raízes e retém água e nutrientes.

Os minerais compõem 6% deste composto e consistem em nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e ferro absorvidos pelas raízes das plantas.

Combate à erosão

A agricultura orgânica não apenas constrói um solo saudável, mas também ajuda a combater problemas sérios do solo e da terra, como a erosão.

Os problemas de erosão são extremamente graves, afetando a terra, o abastecimento de alimentos e os seres humanos. No entanto, as práticas de agricultura biológica ajudam a diminuir a ocorrência da erosão.

Uma empresa de estudo de impacto ambiental comparou campos de trigo orgânicos e quimicamente tratados, e mostrou que o orgânico apresentava oito polegadas a mais de solo superficial do que o outro, e também tinha apenas um terço da perda por erosão.

Combate os efeitos do aquecimento global

Rodale Institute Farming Systems Trial é a mais longa comparação lado a lado da agricultura convencional e orgânica da América.

O teste, em andamento desde 1981, mostrou que um sistema de agricultura biológica é muito mais saudável para o meio ambiente e pode realmente reduzir o dióxido de carbono e ajudar a retardar as mudanças climáticas.

Promove a biodiversidade

A agricultura biológica contribui para alcançar a biodiversidade nas plantas – isso significa que várias espécies de plantas prosperam no campo durante um determinado ano.

Além de a biodiversidade ser mais saudável para o solo, também ajuda no controle de populações de pragas e torna um ambiente saudável para inventário de fauna silvestre, como veados, répteis, pássaros e outros animais, garantindo um ecossistema equilibrado.

Preserva o habitat natural

Insetos, pássaros, peixes e todos os outros tipos de criaturas enfrentam problemas quando os humanos atacam e destroem seu habitat natural.

A agricultura biológica não apenas ajuda a preservar mais áreas de habitat natural, mas também incentiva pássaros e outros predadores naturais a viverem felizes em terras agrícolas, o que auxilia no controle natural de pragas.

Além disso, os animais que vivem em fazendas biológicas são expostos a pastagens limpas e livres de produtos químicos, algo crucial que ajudam a mantê-los naturalmente saudáveis ​​e resistentes a doenças.

Considerações finais

A agricultura biológica está cada vez mais sendo valorizada nos últimos anos. Trata-se principalmente de como a agricultura pode andar junto com a preservação do meio ambiente e da biodiversidade.

Até mesmo para análise da qualidade da água para consumo humano a agricultura biológica pode contribuir de forma positiva.

Isso porque, na agricultura biológica, o uso de pesticidas é totalmente abandonado, diminuindo as chances de poluição potencial do solo e torrentes de águas e rios.

A agricultura biológica luta para alcançar a biodiversidade nas plantas – isso significa que várias espécies de plantas prosperam no campo durante um determinado ano.

Além disso, é a melhor medida para combater e fazer uma boa gestão de áreas contaminadas para mudar o quadro dessas áreas.

Sem contar que a agricultura biológica busca alcançar uma agricultura sustentável e promove a existência de bactérias e decompositores que levam a solos sustentáveis.

São tantos os benefícios da agricultura biológica para o meio ambiente, para a saúde humana e para os animais que é impossível de quantificar.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.