Carla Crippa no ESG Update, evento realizada nesta quinta-feira, 3, que reuniu especialistas e parceiros da Ambev para debater as iniciativas recentes da companhia

A Ambev quer dar novas perspectivas de futuro para 5 milhões de pessoas nos próximos dez anos, ajudando brasileiros a enfrentarem a pobreza e apoiando quem busca por trabalho ou oportunidades de crescimento de seus negócios. Para isso, criou o Bora, programa de inclusão produtiva que vai atuar em três frentes: conhecimento, apoio financeiro e conexão.
 

“O Bora é uma plataforma para a Ambev ajudar a incluir produtivamente milhões de brasileiros. Com o Bora conseguimos promover crescimento compartilhado e gerar impacto positivo”, explica Carla Crippa, Vice-Presidente de Impacto Positivo e Relações Corporativas da Ambev para América do Sul.
 

Como o Bora vai funcionar?
 

O Bora está estruturado em três pilares: conhecimento, apoio financeiro e conexões.
 

No primeiro, serão disponibilizadas ferramentas de expansão e aperfeiçoamento de negócios para micros e pequenos empreendedores; e trilhas de conhecimento com foco no empreendedorismo e inclusão no mundo de trabalho para as comunidades. No segundo pilar, serão oferecidas soluções financeiras com programas de pontuação e opções personalizadas de microcrédito, além de bolsas de estudos. E, no terceiro, a Ambev coloca sua maior força: conexão com parceiros para networking, indicações de vagas e profissionais disponíveis por meio de plataforma virtual, gerando emprego e renda.
 

“Como empreendedor social, fico muito entusiasmado em colaborar com iniciativas como o Bora, esse projeto de inclusão produtiva que vai conectar pessoas com oportunidades de renda”, comenta Raull Santiago, ativista, empreendedor social e consultor da Ambev.
 

Dois projetos já estão em andamento: no Rio de Janeiro, por meio da parceria com o Instituto da Criança, o programa está treinando 500 jovens maiores de 18 anos para atuar em bares, restaurantes, hotéis e eventos e depois conectá-los com empresas do setor, aumentando as chances de conquistar um emprego; e, em Recife e São Luís, por meio da parceria com a Rede Mulher Empreendedora, está treinando 2 mil micros e pequenas empreendedoras que atuam com gastronomia.
 

Edital Bora
 

Além disso, a Ambev vai reconhecer 10 práticas de inclusão produtiva no Brasil por meio do 1° Prêmio Ambev de Inclusão Produtiva: Empreendedorismo e Empregabilidade, edital que oferece suporte financeiro a organizações que trabalham com inclusão produtiva. O apoio total é de R$200 mil reais, que serão distribuídos a 10 organizações (R$20 mil cada). As propostas podem ser enviadas até 17 de novembro e todas as informações, como critérios de seleção, estão disponíveis no site oficial.
 

Segundo dados do relatório Inclusão Produtiva e o Empreendedorismo da Era Digital, da Fundação Artemísia, 30,4% da população adulta brasileira exerce alguma atividade empreendedora, sendo que 9,9% são negócios consolidados, enquanto 21% são empreendedores iniciais, ou seja, em operação há 3,5 anos ou menos. Destes, 48,9% empreendem por necessidade. Por isso, a importância em estruturar projetos que possam auxiliar esses empreendedores a avançar é tão importante.
 

“O Bora reúne vários projetos que estão sendo pensados e estruturados para atender as demandas específicas do nosso ecossistema. Nós queremos que cada brasileiro e brasileira possa sonhar grande”, explica Carlos Pignatari, diretor de Impacto Social da Ambev.
 

Jornada de impacto positivo
 

O Bora integra uma sólida jornada de impacto social da Ambev, que busca combater a pobreza e gerar transformações em todo o ecossistema.
 

Neste ano, para ajudar a minimizar o desperdício e contribuir com a alimentação de 33 milhões de brasileiros que não têm o que comer, a Ambev fez uma parceria com a startup social Comida Invisível que vai conectar quem quer doar alimentos — neste caso, estabelecimentos como restaurantes, bares, mercados e supermercados — com quem precisa. Além disso, a companhia também participa com a doação dos alimentos de seu Centro de Distribuição. O projeto está sendo escalado para todo o país, podendo alcançar mais de 190 mil pontos de vendas parceiros da Ambev, além dos 97 centros de distribuição da companhia, que devem destinar 60 toneladas de alimentos às ONGs.
 

Outra ação de destaque nessa jornada é o VOA, programa de transformação social da Ambev focado em capacitar os responsáveis por organizações e negócios sociais para realizarem uma gestão mais eficaz. Criado em 2018, já soma mais de 10 milhões de pessoas impactadas e mais de 30 mil horas doadas por voluntários da companhia, que ofertam seu tempo e conhecimento para atuarem como mentores, lado a lado com as entidades parceiras.
 

Com foco na geração de renda e ampliação de oportunidades, a companhia se uniu à Pronto e Brasil ao Cubo, em abril, para levar curso profissionalizante em construção civil para mulheres em vulnerabilidade social, em Aquiraz, no Ceará. Em Maués, a Ambev mantém a Fazenda Santa Helena desde 1971, local onde a companhia desenvolve as melhores técnicas para o cultivo de Guaraná.
 

Incentivo ao empreendedorismo
 

Não é de hoje que a Ambev aposta no empreendedorismo. Com foco no crescimento compartilhado e no desenvolvimento sustentável, a Aceleradora 100+ conecta soluções de impacto positivo que estejam em linha com os compromissos socioambientais da Ambev. Desde a primeira edição do programa, mais de 60 startups foram aceleradas e R$15 milhões investidos em negócios parceiros.
 

Ano passado, a companhia fortaleceu também o seu ecossistema de fornecedores negros. Foram mais de 800 novos fornecedores liderados por profissionais negros cadastrados pela Ambev e mais de R$ 50 milhões movimentados em 2021. Neste ano, a previsão é de que esse valor ultrapasse os R$ 100 milhões nesses parceiros.

Além disso, a plataforma BEES impacta mais de 600 mil pequenos e médios empreendedores parceiros com a plataforma de conhecimento ‘Meu Negócio’, que disponibiliza conteúdos educativos gratuitamente.