Uma nova pesquisa conduzida por cientistas da Universidade de Berna identificou 1740 como o ano mais frio da Europa Central em seis séculos. O estudo revela que o inverno de 1739-1740 foi cerca de 4°C mais frio que a média atual, causando devastação em larga escala e afetando profundamente a biodiversidade e os ciclos de vida na região.

O inverno de 1739-1740 na Europa Central foi o mais rigoroso dos últimos 600 anos, com temperaturas 4°C abaixo da média atual, de acordo com um estudo recente publicado na revista Climate of the Past. Os pesquisadores, liderados pelo professor Stefan Brönnimann da Universidade de Berna, usaram uma combinação de registros instrumentais e observações históricas para entender as causas desse evento climático extremo.

A pesquisa destaca que as temperaturas excepcionalmente baixas foram acompanhadas por nevascas intensas, geadas severas e rios congelados com camadas de gelo de mais de 50 cm de espessura. Esse frio extremo levou à destruição de colheitas, especialmente de batatas e cereais, e causou a morte de gado e peixes. As consequências foram tão severas que contribuíram para a fome na Irlanda entre 1740-1741, resultando da interrupção do abastecimento de alimentos.

Para mapear o clima da época, os cientistas combinaram medições de temperatura e pressão ao nível do mar com observações diárias de locais como Gdańsk (Polônia), Berlim (Alemanha), Versalhes (França) e Saint-Blaise (Suíça). Eles identificaram que a primeira quinzena de janeiro de 1740 foi “extraordinariamente fria”, com temperaturas caindo 6 desvios padrão abaixo da média de longo prazo da Europa Ocidental.

O estudo sugere que esse frio extremo foi amplificado por um aumento na pressão atmosférica sobre a Escandinávia, que criou um efeito bloqueador, permitindo que o ar frio se espalhasse do continente em direção ao oeste. Durante os meses de fevereiro a junho de 1740, a alta pressão predominante sobre a Irlanda trouxe ar frio do Atlântico Norte, resultando em anomalias de temperatura negativas adicionais em março e maio. Esse padrão foi seguido por um verão com clima ciclônico frio e chuvoso, particularmente na Europa Central.

Os pesquisadores investigaram se a Oscilação do Atlântico Norte (NAO), um importante fenômeno climático, poderia explicar essas anomalias. Embora a NAO estivesse em sua fase negativa durante 1740, o que geralmente resulta em invernos mais frios e secos na Europa, os dados sugerem que esse ciclo não estava em uma condição extrema naquele ano específico. Portanto, algo mais deve ter impulsionado as condições climáticas anômalas.

Uma possível explicação é o Padrão do Atlântico Leste (EA), que estava em uma fase negativa incomumente pronunciada durante a primavera de 1740. Esse padrão, que afeta a circulação atmosférica do leste ao oeste do Atlântico, pode ter levado a temperaturas abaixo da média e a precipitações reduzidas no norte da Europa, enquanto aumentava as chuvas no sul do continente.

Além disso, a equipe considerou a possível influência de eventos globais como o El Niño e a erupção do Monte Tarumae no Japão em agosto de 1739. No entanto, não encontraram correlações estatisticamente significativas entre esses eventos e as condições climáticas observadas na Europa. A erupção, apesar de significativa, parece ter tido apenas um impacto leve nas condições do Atlântico.

A singularidade do evento climático de 1739-1740 é reforçada pelo fato de que foi seguido por outros dois invernos frios em 1741 e 1742, contrastando com a década de 1730, que havia sido relativamente amena. Embora a persistente fase negativa do Padrão do Atlântico Leste seja identificada como a principal causa desse inverno excepcionalmente frio, os mecanismos exatos que levaram a esse padrão climático ainda permanecem indefinidos.

Fonte: Hannah Bird, Phys.org – Phys.org

Sem avaliações ainda