Em um pitoresco canto da Macedônia do Norte, Magda Miloseska, de 63 anos, enfrenta um desafio crescente. O que antes era uma atividade prazerosa, a apicultura, agora se tornou uma batalha constante contra o clima e doenças. Com temperaturas em junho já ultrapassando 30°C, três graus acima da média histórica, Miloseska e outros apicultores na vila de Stence, situada a 650 metros de altitude, lutam para manter suas colmeias produtivas.

Impacto das Mudanças Climáticas na Apicultura

Miloseska produz mel em sua pequena propriedade há mais de 20 anos. Recentemente, ela notou que as mudanças climáticas transformaram a apicultura em um trabalho árduo e incerto. “Antes, a apicultura era um prazer”, disse Miloseska. “Agora, só temos que combater as condições climáticas e as doenças que entraram na apicultura”.

A Macedônia do Norte, país conhecido por suas paisagens montanhosas, tem visto um aumento nas temperaturas e variações climáticas extremas. Os invernos estão mais quentes, a primavera traz mudanças rápidas de temperatura e os verões secos se estendem até setembro e outubro, afetando gravemente as abelhas e a produção de mel.

Queda na Produção de Mel e Aumento dos Preços

Historicamente, apicultores da região conseguiam extrair entre 30 e 50 kg de mel por colmeia. Hoje, em condições ideais, esperam no máximo 30 kg, com uma média de apenas 10 a 20 kg por colmeia. Vladimir Petroski, que cuida de 120 colmeias em seu tempo livre há 13 anos, confirma essa queda. “Antigamente, podíamos esperar de 30 a 40 kg por colmeia. Hoje, temos que nos contentar com 15 kg por temporada”, lamenta.

Essa escassez de mel elevou os preços significativamente. Onde antes o mel custava cerca de 10 euros, agora os preços variam entre 15 e 20 euros por quilo. Esse aumento reflete a dificuldade crescente em manter a produção diante das mudanças climáticas.

Doenças e Parasitas Ameaçam as Abelhas

Além das condições climáticas adversas, os apicultores enfrentam uma proliferação de parasitas e vírus que ameaçam as abelhas. Petroski observa que essas mudanças obrigam os apicultores a se educarem e se adaptarem às novas condições e ao microclima local. “O apicultor precisa se educar e se adaptar de acordo com as condições e o microclima onde trabalha”, afirmou.

Esforços de Adaptação e Cooperação

As associações regionais de apicultores estão desempenhando um papel crucial na adaptação a esses novos desafios. Elas promovem boas práticas e organizam festivais de mel, onde os apicultores podem compartilhar conhecimentos e estratégias. No entanto, a situação exige uma resposta mais coordenada dos governos e instituições.

Grupos ambientalistas pedem uma ação mais integrada entre os ministérios e agências governamentais para enfrentar os desafios impostos pelas mudanças climáticas às abelhas. Até agora, esses pedidos têm sido amplamente ignorados. “Sem uma melhor coordenação entre as instituições estatais, será mais difícil emitir medidas e recomendações”, alerta Frosina Pandurska Dramikjanin, da Sociedade Ecológica da Macedônia.

Importância das Abelhas para a Biodiversidade

Um relatório recente do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) destacou o papel crucial das abelhas na produção de alimentos e na manutenção da biodiversidade. Das 100 espécies agrícolas que fornecem 90% dos alimentos consumidos mundialmente, 71 são polinizadas por abelhas.

O impacto das mudanças climáticas na apicultura da Macedônia do Norte é um microcosmo dos desafios globais enfrentados pelos apicultores e pela agricultura. A adaptação a essas mudanças será essencial para garantir a continuidade dessa prática vital e a proteção da biodiversidade.

Fonte: Darko Duridanski, AFP News

Sem avaliações ainda