De acordo com o Global Catastrophe Recap: First Half of 2022 da Aon, líder global em consultoria de riscos e seguros, catástrofes naturais causaram US$ 92 bilhões em perdas econômicas durante os primeiros seis meses deste ano.
 

À medida que as catástrofes naturais aumentam em frequência e gravidade, as perdas resultantes também aumentam. Quando essas perdas crescem, também aumenta a lacuna de proteção — a diferença entre a perda econômica total e o valor coberto pelo seguro. Do total de perdas no período, apenas US$ 39 bilhões foram segurados — uma lacuna de proteção de 57%.
 

Oito dos eventos que mais geraram perdas econômicas ultrapassaram os US$ 3 bilhões. Entre eles, aparecem as secas registradas no Brasil em todo o semestre, somando US$ 4 bilhões em perdas econômicas, o quinto maior valor entre os mais custosos (abaixo o ranking completo).
 

Os primeiros seis meses de 2022 foram marcados por desastres de grande escala em quase todos os continentes que levaram a perdas acima da média para o setor de seguros. O primeiro semestre também viu novas complexidades adicionadas ao processo de resposta a eventos (incluindo custos de reposição mais altos e colocações de resseguro) que foram influenciados por fatores sociais e financeiros desafiadores externos, como a guerra na Ucrânia e a inflação mais alta observada em décadas.

As mudanças climáticas continuaram a se tornar mais evidentes no comportamento de eventos individuais e nas tendências de temperatura e precipitação de longo prazo no primeiro semestre de 2022.

Temperaturas mais quentes do que a média foram citadas em uma ampla faixa do globo, o que ajudou em padrões climáticos mais incomuns que já foram acionados pela influência primária das condições de La Niña, que estão em andamento há quase três anos consecutivos.

À medida que se aproximam o terceiro trimestre de 2022 — que geralmente é o trimestre mais caro do ano — e o quarto trimestre, haverá um foco particular na temporada de furacões no Atlântico e no potencial de tempestades em terra. A atividade elevada de incêndios florestais e a ameaça contínua de tempestades convectivas severas também exigirão monitoramento próximo. Com a pressão inflacionária somando maiores custos de fornecimento e mão de obra combinados com desastres mais impactantes, prevê-se que outra rodada desafiadora de renovações de resseguros esteja por vir.

Um dos maiores impulsionadores do crescimento das perdas nominais em 2022 tem sido a inflação acelerada em todo o mundo, que deve continuar durante o resto do ano. Isso aumentou notavelmente os valores de reposição após os eventos, seja devido a custos mais altos de fornecimento, mão de obra ou outros gastos discricionários para reconstrução. Os efeitos da interrupção da cadeia de suprimentos do COVID-19 também continuam sendo um parâmetro não negligenciável, o que aumentou ainda mais o estresse das perdas.