Como a tecnologia ajuda o seu negócio a ser mais sustentável

Os consumidores estão procurando fazer negócios mais sustentável com frequência maior e junto a marcas que demonstram preocupação com o verde e com o meio ambiente. 

Parte dos consumidores escolhem empresas que são social e ambientalmente sustentáveis, procurando por lugares que se relacionam com suas causas e valores, como ser cruelty free.

Além disso, a sociedade, de um modo geral, espera que os negócios com o qual se relacionam tenham consciência ambiental e adotem práticas mais corretas e alinhadas com as crenças que têm, visando a continuidade das atividades e de um bem-estar geral a longo prazo.

Como resultado, as empresas buscam por estratégias de crescimento exclusivas, melhoria nas operações e decisões de negócios e tecnologia ecologicamente corretas, o que pode diminuir o prejuízo e impacto ambiental e aumentar sua relevância e sustentabilidade. 

Consequentemente, principalmente nos últimos anos, viu-se uma preocupação maior com o ambiente e com as formas de preservá-lo.

Exemplo prático disso é a introdução de sacolas de compras 100% recicláveis, produção de carros elétricos na indústria automobilística, a substituição de canudos de plástico por alternativas verdes e a criação de projetos como “Segunda Sem Carne” para reduzir os impactos que a indústria da carne causa ao ambiente e ao corpo.

Nova conscientização sobre o meio ambiente

Não são apenas grandes corporações associadas a administração de condomínios, por exemplo, e governos, que precisam se preocupar e se posicionar acerca de práticas mais verdes. 

Isso porque, cada vez mais é percebido que uma ação conjunta é fundamental para o sucesso das estratégias ecológicas, preservando o ambiente.

Com isso, pequenas empresas e novos empreendedores também estão adotando ações mais sustentáveis, oferecendo turnos de trabalho mais flexíveis e híbridos, incentivando o transporte público, instalando lâmpadas econômicas e instruindo os funcionários a reciclarem, por exemplo.

Para além dessas práticas, contudo, cada vez mais tem-se percebido o poder e o impacto da tecnologia para auxiliar na otimização de processos e identificação de modelos mais sustentáveis para as atividades empresariais.

Na verdade, com a pegada energética da tecnologia já respondendo por aproximadamente 7% da eletricidade global, é fundamental que as empresas entendam onde ela pode ser uma força para o bem e como pode ser usada para reduzir a pegada de carbono.

As metas das empresas no contexto ecológico

Uma empresa administradora de condomínio pode entender que atingir metas de sustentabilidade ambiciosas, em qualquer aspecto, requer uma abordagem sistêmica para a transformação dentro de um contexto ecológico e a favor do meio ambiente.

Assim, independentemente do setor de atuação, é preciso que se tenha uma visão de 360o do desafio que precisa ser traçado e quais impactos e mudanças podem ser realizados. 

Afinal, construir a sustentabilidade como uma vantagem competitiva precisa contar com a tecnologia e dados desde o início, bem como um planejamento claro dos processos adotados, estágios de evolução e cada prática adotada, bem como os impactos trazidos.

Assim, o papel da tecnologia vai muito além da “TI verde”. 

À medida que mais empresas pensam em agendas de tecnologia e sustentabilidade em conjunto, as equipes de gerenciamento devem perguntar se estão implementando uma tecnologia revolucionária e pensamento digital para atingir a sustentabilidade.

A ecovantagem tecnológica

Para empresas dispostas a pensar amplamente sobre como avançar em relação às iniciativas de sustentabilidade, a tecnologia pode atuar como um grande acelerador. 

Essa mentalidade é denominada, nos meios corporativos, como “ecovantagem tecnológica”.

Isso significa que, usando tecnologias avançadas e formas de trabalhar inovadoras é possível pensar em soluções otimizadas, com impacto ambiental positivo, bem como o alcance de metas ambientais, sociais e de governança para qualificar a relação com o ambiente.

Essas iniciativas também podem gerar economias substanciais de custos. 

Inclusive, para se ter uma ideia da importância dessas medidas, já existem casos de uso bem desenvolvidos para descarbonização digital em vários setores, incluindo:

  • Automotivo;
  • Bens de consumo;
  • Eletricidade;
  • Finanças;
  • Petróleo e gás;
  • Produtos farmacêuticos.

Um grande benefício da mentalidade de ecovantagem tecnológica é que as empresas podem definir um roteiro para adoção de novas tecnologias que aceleram a jornada sustentável, ajudando a incorporá-la como um valor central. 

A chave para a implementação é repensar as abordagens tradicionais da tecnologia, principalmente nas áreas de operações digitalizadas, como a aplicação de IA (Inteligência Artificial), compartilhamento de dados e computação em nuvem.

Além disso, há outros aspectos tecnológicos que visam ampliar de forma qualificada, dentro de uma construção e gerenciamento de ecossistemas, o design de produtos e a oferta de serviços digitais, em conjunto com a abrangência que a IoT (Internet of Thing – Internet das Coisas) adquire.

Exemplos de implementação da tecnologia verde

Há vários exemplos que mostram como os líderes alavancaram efetivamente as novas abordagens de tecnologia para acelerar as transformações de sustentabilidade, conforme apresentado a seguir.

  1. Operações digitalizadas

Os pioneiros nessa área criam operações e processos mais sustentáveis, como novas tecnologias de fabricação ou materiais que aproveitam insumos alternativos para reduzir emissões de resíduos e, como resultado, ganham recompensas para consumidores e investidores. 

As operações digitalizadas também podem melhorar a resiliência dos negócios, sendo que alguns processos voltados para plataforma elevatória preço e tecnologias envolvidas se tornam padrões para a indústria. 

Quanto maior o impacto ambiental e social que uma empresa cria, por meio de economia de energia e redução de emissões, mais ela é recompensada financeiramente pelos clientes e mais rápido o negócio se expande.

  1. Produtos e serviços digitais

As empresas líderes criam novos canais de distribuição que quebram as restrições econômicas para expandir o alcance, a escala e o acesso para um impacto social benéfico a custos acessíveis. 

Assim, aplicativos que digitalizam e facilitam o acesso a bens e serviços essenciais se mostram um exemplo bastante útil nesse contexto.

Para se ter uma ideia do impacto desses processos, uma autoridade no segmento de transporte urbano projetou 3 soluções de sustentabilidade centradas no cliente, reinventando a forma como as encomendas são entregues, reduzindo emissões de gases, transformando a experiência do cliente e proporcionando crescimento e lucro sustentáveis.

  1. IoT e blockchain

Tecnologias e ferramentas digitais avançadas desbloqueiam novos recursos para a medição e rastreamento do impacto ambiental e social nas cadeias de valor. 

Isso pode ser empregado a partir de sensores e monitores de IoT conectados, plataformas de dados baseadas em nuvem e sistemas de rastreamento habilitados para blockchain 

Com isso, as empresas podem melhorar a tomada de decisão, processos de gestão e o investimento em diferentes processos, qualificando o desempenho em relação às metas ASG (Ambiental, Social e Governança). 

Por exemplo, as soluções de transparência da cadeia de valor que usam a tecnologia blockchain podem garantir a integridade e a segurança dos produtos, desde a fonte de fornecimento até o produtor, do varejista ao consumidor.

  1. IA e análise avançada

As tecnologias geram dados e insights sobre o impacto ambiental e social de um produto, serviço ou processo. 

Mais ainda, as plataformas digitais integram recursos, compartilham dados e criam transparência e responsabilidade entre parceiros e equipes. 

Os pioneiros aproveitam esses recursos para desenvolver e ajustar as ofertas, envolver os clientes e melhorar o desempenho ao longo do tempo, se destacando no mercado e reduzindo o impacto ambiental.

Deste modo, as soluções baseadas em Internet das Coisas e Inteligência Artificial também podem otimizar a eficiência energética em tempo real, reduzindo emissões e economizando dinheiro.

  1. Compartilhamento de dados e ecossistemas 

O compartilhamento de dados permite novos modelos de colaboração dentro ou entre indústrias ou setores para desenvolver novas soluções para questões ambientais e sociais, como um  projeto arquitetônico 3D necessário no setor da construção civil. 

Consequentemente, as empresas podem reunir recursos com mais facilidade, preencher lacunas de capacidade, acessar novos mercados e expandir o alcance. 

Por exemplo, plataformas de software que integram subscritores de seguros e provedores de telecomunicações podem fornecer microsseguros por meio de assinaturas telefônicas para populações carentes, integrando a partir dessas instituições.

O impacto do compartilhamento de dados em grandes desafios sociais gera valor de cinco maneiras: 

  • Permitindo inovação;
  • Criando confiança;
  • Facilitando a coordenação;
  • Aumentando a conscientização;
  • Validando hipóteses. 
  1. Computação baseada em nuvem

As empresas estão adotando cada vez mais soluções baseadas em nuvem em favor de sistemas locais, a fim de aproveitar ao máximo uma série de benefícios, incluindo escalabilidade, preços de pagamento conforme o uso e a capacidade de escolher aplicativos sem ter de comprar toda uma infraestrutura.

Isso sem mencionar a possibilidade de integrar equipes alocadas em diferentes espaços. Em outras palavras, as empresas podem criar sistemas sob medida por uma fração do custo e promover a comunicação em tempo hábil e de forma remota.

Outro benefício da computação em nuvem é que, em geral, ela é muito mais verde que outras medidas de inovação.

Isso ocorre porque gerenciar, armazenar e processar dados em um servidor local consome muito mais energia, portanto, mudar as operações para uma nuvem pública reduz o consumo de eletricidade da empresa e as emissões de carbono.

  1. Trabalho remoto

A adoção da tecnologia em nuvem também oferece aos funcionários a oportunidade de trabalhar remotamente, desde que tenham o suporte das ferramentas certas.

A maneira como a sociedade trabalha está mudando, e não vai diminuir tão cedo. 9 horas de trabalho, durante 5 dias úteis por semana, e reuniões presenciais, estão rapidamente se tornando algo do passado. A tecnologia é fator crucial nessa transformação.

Inclusive, ela própria também está sempre avançando, e mais empresas estão adotando esquemas de trabalho flexíveis e culturas remotas em primeiro lugar. 

Os espaços de trabalho colaborativos são um subproduto dessa mudança na cultura de trabalho, pois as pequenas empresas e empreendedores não sentem mais a necessidade de ter um espaço permanente.

Para incentivar o trabalho remoto, muitas empresas investem em ferramentas de videoconferência, permitindo atravessar fronteiras geográficas e fusos horários internacionais, além de reunir funcionários que estão em home office, diminuindo a necessidade de deslocamentos.

As ferramentas de colaboração já estão promovendo o trabalho remoto, mas à medida que se tornam mais avançadas, essa mudança tem o potencial de se tornar sísmica, então as empresas precisam se manter atentas para permanecer à frente da concorrência.

Conclusão

Cada vez mais, as empresas estão analisando os processos de negócios para economizar dinheiro e reduzir o impacto ambiental. 

As organizações estão descobrindo que ser ambientalmente consciente não é apenas bom para o planeta. No fundo, está ajudando a atrair clientes que desejam fazer negócios com marcas que cuidam do meio ambiente, além de reduzir custos e desperdícios nas linhas produtivas.

Ou seja, em outro nível, consegue-se economizar dinheiro, reduzir áreas de resíduos e produção de lixo, bem como encontrar alternativas inteligentes para equipamentos caros. 

Consequentemente, ao empregar essas práticas e obter esses diferenciais, as empresas estão aumentando os lucros para reinvestir nos negócios de maneira significativa, tornando a marca sustentável, tanto em quesitos ecológicos quanto em desenvolvimento contínuo.

Texto originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, canal em que você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.