bike elétrica

Cada vez mais populares nas maiores cidades do país, as bicicletas elétricas têm ganhado mais adeptos. Se você ainda não aderiu a essa moda, confira!

As políticas de transporte e mobilidade suscitam cada vez mais discussões e acompanhamento pela sociedade civil. Os protestos de junho de 2013 evidenciaram a insuficiência do modelo adotado em diferentes cidades do país e a necessidade de criar novas políticas públicas nessa área para reduzir os custos e o tempo de deslocamento para os usuários de diferentes transportes públicos.

Na última década, a expansão de políticas envolvendo bicicletas tem motivado as pessoas a apostarem mais nesse meio de transporte para percorrer, se não totalmente, pelo menos parte do seu percurso até o trabalho, a faculdade ou a escola, e também em situações cotidianas, como ir ao mercado ou a um determinado centro comercial.

Dados da Aliança Bike, organização que reúne empresas e lojistas voltados a outras modalidades de transporte, indica que as vendas de bicicletas elétricas cresceram 93% entre agosto de 2019 e de 2020. Desde o início da pandemia, elas foram ainda mais adotadas por muitos que buscavam evitar aglomerações ao precisar sair de casa.

Você já utilizou uma bicicleta elétrica, sabe como ela funciona e quais são as principais vantagens que ela oferece tanto para o usuário como para a cidade? Fique por dentro desse assunto a seguir!

Como funciona

Essas bicicletas possuem motores elétricos de corrente contínua sem escovas, denominados Brushless DC (BLDC). O mais comum é que esses motores sejam instalados no cubo, facilitando a rolagem das rodas.

São esses motores que transformam a energia elétrica dada pela bateria em energia mecânica, que vai ajudar o ciclista a mover a bicicleta aplicando uma força menor do que seria exigido em uma bicicleta não elétrica. Para carregar a bicicleta elétrica, basta conectá-la à tomada. O tempo necessário para carregar a bateria completamente varia entre um modelo e outro.

Vantagens

A principal vantagem das bikes elétricas é que elas permitem ao usuário pedalar com menos força, o que é especialmente estratégico para percorrer áreas muito inclinadas, que exigiriam muito mais força nas pernas e preparo físico para serem percorridas por bicicletas manuais.

Outro benefício de utilizar esse tipo de bicicleta é que é ajustável à intensidade da força exigida para o ciclista para colocar a bicicleta em movimento. Existe um sensor que informa ao usuário que os pedais da bicicleta foram acionados.

Ao permitir que o usuário pedale, a bike elétrica permite a realização de atividade física, o que é fundamental para garantir a saúde do corpo e da mente. Pesquisas apontam que, ao adquirir uma bike elétrica, os usuários que já utilizavam bicicletas de forma esporádica passaram a utilizá-la como meio de transporte ainda mais (aumento de 55% para 91%).

Ou seja: se você tem algum problema de saúde, como hipertensão, colesterol ou diabetes, pedalar regularmente pode ser bom não só para o meio ambiente como  para sua saúde.

Por fim, a bicicleta elétrica é um meio de transporte muito menos poluente do que os automóveis, já que não queima combustíveis fósseis, como a gasolina, para obter energia.

Uma diferenciação importante a ser feita na hora de optar por transportes alternativos é entre bike elétrica e ciclomotores. Os últimos funcionam com propulsão motorizada e oferecem controle de velocidade ao condutor, o que não ocorre com as primeiras.

Também vale lembrar que, para conduzir uma bicicleta elétrica, não é necessário ter um registro ou uma habilitação específica, como ocorre com os automóveis. Mas existem algumas exigências: a bicicleta não deve possuir acelerador, a potência do seu motor não deve ultrapassar 350 Watts e a velocidade máxima deve ser até 25 km/h. Com potência e velocidade acima disso, o aparelho passa a ser equiparado pela legislação aos ciclomotores.

Gostou dessas dicas? Se sim, compartilhe com seus familiares e amigos, e também em suas redes sociais. Receba conteúdo gratuito, diariamente, e siga-nos no Google News.