Durante as discussões da COP-26 em Glasgow, o presidente da Celo Foundation, Rene Reinsberg, comentou sobre o impacto das criptomoedas nas mudanças climáticas, principalmente após dados alarmantes serem divulgados no último relatório do IPCC. Se o nível de emissões de carbono se mantiver nos níveis atuais, a temperatura do planeta deverá subir aproximadamente 6C até 2100. Hoje, 40% da energia consumida por fazendas de mineração de criptomoedas ainda utilizam carvão em sua origem.

Aproximadamente 80% de Bitcoins e outras criptomoedas são mineradas na China. Isso tem sido um grande desafio para que o país possa atingir a meta de se tornar carbono neutro até 2060. 

De acordo com a revista Nature, se o consumo energético continuar nesse ritmo a China deve gerar 130,4 milhões de toneladas de CO2 até 2024. Emissões semelhantes a países como Itália e Arabia Saudita. Em 2020, segundo um relatório da Bloomberg, as criptomoedas consumiram cerca de 67 terawatts de energia e, para 2021, a projeção é um consumo de 97 terawatts. Consumo semelhante a países como Paquistão, que tem 221 milhões de habitantes.

A crítica em torno das criptomoedas se deve, em parte, pela energia desperdiçada durante o processo de validação de transações. Para validar uma operação é necessário um grande esforço computacional relativo a à criptografia do blockchain atrelado. No entanto, apesar de muitos computadores participarem da solução da criptografia da operação,apenas um é remunerado pela solução do problema. 

“A Celo não é somente um blockchain proof of stake (que independe da dinâmica de ineficiência energética descrita) e carbon negative, mas uma comunidade que impulsiona em mais de 120 países uma lógica econômica e organizacional que incentiva — inclusive financeiramente — o desenvolvimento de soluções  para a crise climática. Não existe qualquer outro protocolo lastreado na preservação da vida humana e fomento às comunidades locais e ao meio ambiente. É mais do que um storytelling bacana: é uma revolução  verde em sentido econômico, tecnológico e social. ”, comenta Camila Rioja, Head da cLabs no Brasil. 

Climative Collective: organizações blockchain contra as mudanças climáticas

Em junho deste ano a XPRIZE, fundação do bilionário Elon Musk, abriu o desafio  de $100 milhões para neutralizar a emissão de carbono em 10 mil toneladas ao ano até 2050 – e a comunidade de Celo entrou nessa jornada. Para alcançar a meta, organizações de blockchain se uniram e criaram o  Climate Collective, um esforço para combater as mudanças climáticas com a tokenização das florestas tropicais e outros recursos importantes para a eliminação de CO2 da atmosfera.

O coletivo contou com dez empresas no lançamento, incluindo Curve Labs, Kolektivo, Moss e Regen Network, e propõe que, nos próximos 4 anos, essas árvores tokenizadas sejam adicionadas à Reserva Celo. O coletivo também defende que o sequestro de carbono e a consequente redução dos gases de efeito estufa são os caminhos mais rápidos para alcançar a meta do IPCC de remover 10 gigatoneladas de CO2 por ano até 2050, a fim de evitar que as temperaturas aumentem 2C. 

A iniciativa foi inspirada no conceito de Capital Natural de Charles Eisenstein em “Sacred Economics” – Economia Sagrada, em tradução livre – que faz referência à mudança do padrão ouro no lastro do valor das moedas para um sistema baseado em confiança, conhecido como padrão Fiat. Apesar de não ser viável voltar ao padrão ouro, já é possível criar tokens e atribuir valor a recursos que atendam às necessidades sociais, como a preservação de florestas.

Através das moedas de capital natural, que determinam valor na preservação de recursos naturais, é possível gerar benefícios ao meio ambiente. A adesão dessas moedas pode ser uma solução mais eficiente do que a doação de dinheiro direto, ao passo que quanto mais a demanda pelas moedas de capital natural aumenta, mais o sistema se expande e financia o plantio de novas árvores e recursos naturais. 

Os membros do coletivo trabalham em projetos de compensação de carbono em países como Brasil, Serra Leoa, Malaui, Indonésia e Panamá, visando a redução do desmatamento e a proteção de florestas. O Acre, por exemplo, tem 90% de seu território coberto por florestas, mas, devido às atuais taxas de desmatamento, esse total pode cair para 35% até 2030. O envolvimento da comunidade visa prevenir o desmatamento em mais de 100.000 hectares de floresta tropical intocada na bacia amazônica e proteger alguns dos habitats de maior biodiversidade do mundo.

Sequestro de carbono e proteção do capital natural

Hoje, a Reserva Celo já totaliza cerca de $850 milhões de dólares em ativos. As organizações que integram o Climate Collective propõem que até 40% da Reserva Celo (que apoia stablecoins como cEUR e cUSD) faça a transição para floresta tropical tokenizada e outros ativos sequestrantes de carbono nos próximos 4 anos, permitindo capital natural às moedas lastreadas no ecossistema da Celo. 

Ao alocar uma fração desses ativos para o capital natural, a Reserva pode criar um mecanismo de incentivo que alinha a demanda por moedas estáveis com a proteção do capital natural. Este mecanismo atua como um sequestrador de carbono em grande escala. 

Recentemente a comunidade Celo decidiu alocar 0,5% da Reserva como crédito de carbono voluntário e comprou créditos de carbono tokenizados pela Moss.Earth, que tem como objetivo a preservação de florestas.

Gostou dessas dicas? Se sim, compartilhe com seus familiares e amigos, e também em suas redes sociais. Receba conteúdo gratuito, diariamente, e siga-nos no Google News.