COP27 trouxe foco em adaptação e resiliência na crise climática, aponta BCG

Em série de artigos, consultoria aborda aquecimento global como desafio de todos os países e negócios do mundo

A mudança climática é um fenômeno que tem papel decisivo em todos os países e negócios do mundo — a afirmação vêm de uma série de artigos sobre clima, elaborados por executivos do Boston Consulting Group, parceiro exclusivo de consultoria da COP27 presidida no Egito. Em quatro textos, diretores executivos e sócios do BCG destacam a relevância de uma estratégia climática bem-preparada para os próximos anos, para garantir o sucesso nos negócios.

De acordo com Charmian Caines, diretora executiva e sócia sênior do BCG, é muito importante que líderes de empresas privadas — e não só governos e iniciativas públicas — também abordem os desafios de adaptação às mudanças climáticas e ajudem a tornar comunidades mais resilientes ao seu impacto. A executiva afirma, ainda, que esse é o principal foco da COP27 presidida no Egito: fortalecer a capacidade de adequação à nova realidade climática e resiliência.

Já Hamid Maher, diretor executivo e sócio do BCG, aborda, em seu artigo, o desafio de muitos CEOs de convencerem seus acionistas de que a empresa precisa investir em áreas que podem não gerar retorno imediato, como o caso do meio ambiente. Principalmente, porque o papel de um CEO é maximizar o valor dos negócios e torná-lo lucrativo, e não “salvar o mundo”, como ressalta.

Outros destaques da série de artigos são:

Comprometa-se a combater as mudanças climáticas — e seus efeitos, por Charmian Caines

  • É extremamente importante que os líderes abordem os desafios de se adaptar às mudanças climáticas e tornar as comunidades resilientes ao seu impacto.
  • Adaptação e resiliência serão o foco principal da conferência climática COP27 de novembro deste ano, presidida no Egito.
  • O financiamento dedicado aos esforços de adaptação e resiliência em países de baixa e média renda dobrou nos últimos cinco anos, para cerca de US$ 50 bilhões.
  • De acordo com algumas estimativas, até 300 bilhões de dólares serão necessários anualmente apenas para adaptação até 2030.
  • Precisamos desenvolver um conjunto de cenários baseados em fatos a partir dos melhores dados disponíveis sobre os níveis do mar projetados, temperaturas e o provável impacto nas populações, economias e ecossistemas mais vulneráveis.
  • Uma estratégia bem-sucedida envolverá uma série de agências governamentais, bem como o setor privado, e mobilizará o financiamento necessário.

Localize seus planos de adaptação climática, por Dave Sivaprasad

  • Cada região possui diversos players (governos, ongs, empresas), que podem ter visões diferentes das compensações envolvidas nos planos de adaptação. Em suma, a maioria dos governos simplesmente não está preparada para resolver esses desafios a longo prazo.
  • Os líderes devem entender como o complexo conjunto de riscos climáticos afetará comunidades, economias e ecossistemas específicos.
  • Dados e o foco nos impactos socioeconômicos podem ajudar os líderes a lidar com essa complexidade para determinar a melhor forma de implantar os recursos disponíveis e, no processo, ajudar as comunidades locais a se adaptarem e se tornarem mais resilientes aos efeitos das mudanças climáticas.

Combatendo a ação climática com análises baseadas em IA, por Hamid Maher

  • Todo o mundo tem falado sobre mudanças climáticas nos dias de hoje. No entanto, quando se trata de se preparar para impactos, os líderes de nações, cidades e empresas geralmente parecem presos no mesmo lugar.
  • Muitos CEOs não sabem convencer os acionistas de que sua empresa precisa investir em áreas que podem não gerar retorno financeiro imediato. O mandato de um CEO não é salvar o mundo — é maximizar o valor para o acionista e tornar a empresa lucrativa.
  • A análise de dados habilitada pela inteligência artificial (IA) pode desbloquear a ação climática. Ela pode ser usada para construir sistemas de alerta precoce que ajudam as autoridades a antecipar e se preparar para desastres iminentes.
  • A IA também pode ser usada para ajudar a prever o impacto a longo prazo das mudanças climáticas e identificar as soluções ideais. E os dados podem fornecer as informações críticas de que os líderes precisam para entender o custo da inação e os retornos socioeconômicos de seus investimentos climáticos.
  • A análise de dados habilitada para IA também pode ajudar a modelar os impactos socioeconômicos de longo prazo de uma combinação de eventos climáticos para uma região, país ou cidade.

É preciso tornar a adaptação climática uma prioridade de negócios, por Annika Zawadzki e Lorenzo Fantini

  • Até recentemente, a maioria dos líderes empresariais adotava principalmente a adesão à batalha contra as mudanças climáticas como algo que deveriam fazer como parte de seus compromissos ESG corporativos.
  • Na verdade, as mudanças climáticas estão emergindo rapidamente como uma das maiores fontes de risco estratégico enfrentados pelos líderes empresariais.
  • Lançar luz sobre a exposição dos negócios aos riscos climáticos, portanto, tornou-se fundamental. Você precisa avaliar como sua empresa reagirá em diferentes cenários climáticos e em diferentes períodos.

A mudança climática é um fenômeno tão grande e complexo que afeta todos os países e todos os negócios. É um problema de todos — e, portanto, a avaliação, a adaptação e a resiliência do risco climático devem estar no topo das agendas corporativas e governamentais.

Artigo anteriorMitos e verdades sobre a carne suína
Próximo artigoESG: a volta dos eventos presenciais e os critérios para brindes
Avatar
Para falar conosco basta enviar um e-mail para redacaomeioambienterio@gmail.com ou através do nosso whatsapp 021 989 39 9273.