água
De acordo com pesquisas, 900 milhões de pessoas ainda não têm acesso a uma água de qualidade.

A crise hídrica é um problema que vem acontecendo a bastante tempo no Brasil. Inclusive, muitas pessoas sabem desse cenário pelo simples fato de ser notícia nos principais programas de jornal do país, afetando o consumo de água. 

Devido a forma que as pessoas utilizam a água, a própria seca e a ameaça de uma escassez hídrica, este problema se torna cada vez mais gritante. 

Resumidamente o panorama atual é preocupante, onde temos pessoas que ainda não têm acesso a água potável, e por esse motivo, algumas acabam falecendo por doenças advindas da falta de tratamento de água. 

O problema consegue, infelizmente, ir mais além, sendo a principal causa de mortalidade no mundo. 

O ideal, é que todas as pessoas tivessem a mesma qualidade de água que surge após passar pela estação de tratamento de agua, isso porque é removido qualquer substância que possa causar algum tipo de doença na pessoa. 

Os números não nos enganam, de acordo com pesquisas, 900 milhões de pessoas ainda não têm acesso a uma água de qualidade. 

Felizmente, negócios estão surgindo para combater a crise hídrica, trazendo soluções tecnológicas para lutar contra a falta de água potável no mundo. No geral, essas invenções passam por uma fase final que é a análise de água para saber, só então, se os consumidores podem beber. 

Há um documentário disponível na internet chamado de “Brave Blue World”, que explica detalhadamente sobre esses empreendimentos que nos oferecem condições melhores. 

Crise hídrica no Brasil

Nas últimas duas décadas, o Brasil vem sofrendo eventos extremos relacionados à escassez de água. 

Podemos citar a crise hídrica que ocorreu no Sudeste, no Distrito Federal, e a forte seca que, historicamente, assola o Nordeste, acrescentando-se secas extremas em 2005 e 2010 que afetou todo o território nacional.

Inclusive, é necessário comentar sobre outros eventos que ocorreram, onde chuvas extremas aconteceram e, consequentemente, houveram deslizamentos de terra em 2011 e 2013. Tudo isso ocorreu na Região Serrana do Rio de Janeiro, que infelizmente deixou centenas de mortos. 

Todas essas ocasiões se enquadram nas projeções de aumento da frequência e da intensidade dos eventos extremos decorrentes das mudanças climáticas. 

Devido a esses episódios, em alguns lugares há equipamentos semelhantes aos que são usados em serviço de drenagem, para que o local permaneça intacto nos eventos climáticos. 

Causas da crise hídrica no Brasil 

Assim como no Brasil e em grande parte dos países, os motivos para que ocorram as crises hídricas estão relacionados ao aumento do consumo de água, desperdício e diminuição das chuvas. As principais causas de crise hídrica são:

1 – Aumento do consumo de água

Por mais que a água tenha o poder de se renovar, o seu consumo ainda é maior do que esse poder. Na prática, é como lidar com uma inspeção de tubulações, isso porque é necessário que tenhamos todos os cuidados possíveis para fazer com que água seja utilizada de maneira correta. 

No Brasil, o alto consumo está ligado à indústria e da agricultura onde ocorre a produção em larga escala sendo necessário quantidade exorbitante de água.

Indubitavelmente é necessário citar a contaminação da água ocasionada pela devolução da mesma com produtos químicos após a utilização por empresas, despejando esse líquido em rios e afluentes assim contaminando e diminuindo a fonte de água potável natural. 

Para que você entenda melhor esse panorama, de acordo com a Agência Nacional de Água (ANA), de cada 100 litros de água que são consumidos pelos brasileiros, 72 litros são usados para irrigação agrícola. 

2 – Desperdício de água

Como podemos perceber, o grande consumo dos brasileiros está associado à irrigação agrícola, além disso o setor também é um dos maiores responsáveis pelo desperdício de água. 

Esse mesmo tipo de prática acontece com materiais recicláveis, onde muitas pessoas não fazem questão de descartar os seus objetos no lugar correto. Felizmente, há negócios com empresas que atuam como distribuidor de descartáveis que reduzem a quantidade de lixo no país, preservando assim, a sustentabilidade no planeta. 

3 – Diminuição dos níveis de chuva

Quando o assunto é sobre a diminuição de chuvas no Brasil, é inevitável não comentarmos sobre desmatamento que vem acontecendo na Amazônia, isso porque ele também está relacionado aos níveis de chuva no país. 

Algumas pessoas não sabem qual a relação entre a Amazônia e as chuvas, portanto, iremos explicar. 

Resumidamente, a falta de chuvas ocorre devido ao fenômeno dinâmico dos “rios voadores”, que leva a umidade a várias partes do Brasil. É através dessa umidade que empresas que fazem prestação de serviços de terraplanagem se baseiam para identificar o estado do solo. 

O processo inicia através do vapor de água formado nas águas tropicais do oceano Atlântico e encontra-se alimentado pela umidade da floresta amazônica. 

Toda essa umidade percorre um caminho, até encontrar o paredão da Cordilheira dos Andes. 

Nesse momento, a umidade é transformada em chuva e alimenta nascentes e grandes rios, como o Rio Amazonas. Por fim, as outras partes da chuva são distribuídas nas demais regiões que formam o Brasil. 

Regiões afetadas pela crise

Em 2014 e 2015 a região sudeste foi a mais afetada no Brasil pela falta de água. 

O sistema Cantareira, localizado em São Paulo, foi o que mais sofreu com a estiagem, ainda assim, ele conseguiu levar água para mais de 9 milhões de pessoas, todavia tendo aumento exponencial na conta de água e energia da população afetada. 

A capacidade de um dos principais sistemas hídricos é de 1,46 trilhão de litros, dos quais 973 milhões constituem o chamado “volume útil”. Esse volume corresponde à reserva de água acumulada acima do nível das comportas.

Em 2014 o sistema Cantareira infelizmente acabou utilizando esta reserva e entrando no chamado “volume morto”, tendo este nome pelo fato de estar abaixo da tubulação de captação de água usual, sendo uma reserva emergencial pouco utilizada.

Felizmente, em 2016 o nível de água do sistema voltou ao seu normal decorrente de uma racionamento de água, do incentivo governamental e aumento dos níveis das chuvas. 

Contudo, em meio a tanta escassez que surgiu nas regiões do Brasil, houveram muitas movimentações, incluindo pessoas dedicadas a fazer um estudo de análise de risco ambiental, para estudar sobre a situação de determinados lugares. 

Por outro lado, o Rio de Janeiro e Minas Gerais foram palcos de outra crise hídrica no país. Passaram a ter níveis preocupantes, e esse mesmo cenário acontece no nordeste que, por sua vez, sofre a escassez de água a muito mais tempo que as outras regiões. 

As condições climáticas são, de fato, extremamente importantes para que determinados locais se mantenham preservados. Por esse motivo, há áreas como consultoria ambiental que estuda todo um local para saber se ele é adequado ou não para exercer atividades.  

Enquanto a região Sudeste tenta recuperar os níveis de água de seus reservatórios, o Nordeste é afetado pela pior seca do século. Essa situação fez com que as cidades nordestinas decretaram calamidade pública ou estado de emergência entre 2015 e 2017. 

Nesse artigo, iremos compartilhar algumas ideias que estão presentes no livro “O Futuro é Mais Rápido do que Você Pensa”, do Peter Diamandis e do Steven Kotler. 

3 negócios capazes de combater a crise hídrica

De acordo com o livro, uma das grandes ameaças que pode acontecer para impedir os avanços tecnológicos é, justamente, a crise hídrica. Por esse motivo, os autores mostram alguns empreendimentos que prometem combater e preservar esse bem que o planeta nos oferece. 

Slingshot

Para explicar de maneira direta, o slingshot é um sistema de destilação por compressão a vapor. 

Para que você entenda melhor essa invenção, basta imaginar um purificador de água no tamanho de um frigobar, capaz de funcionar com qualquer tipo de combustível, incluindo até mesmo esterco de vaca. 

A sua criação, originalmente, foi feita pelo Dean Kamen. A sua criação é bastante promissora, considerando que ela é capaz de purificar água de qualquer origem, mesmo vindo de:

  • Aquíferos poluídos;
  • Água salobra;
  • Esgoto;
  • Urina.

O mais interessante desse projeto, é que uma única máquina consegue fornecer água potável para, até trezentas pessoas em um único dia. 

Omni Processor

Curiosamente, esse projeto é financiado pelo Bill Gates e funciona de um jeito bastante peculiar. 

No caso, trata-se de uma máquina que funciona por meio de fezes humanas. Para a maioria das pessoas, pode parecer uma ideia um tanto inusitada, porém, o conceito da máquina do dono da Microsoft é transformar as próprias fezes em água, produzindo ao mesmo tempo eletricidade e fertilizante com as cinzas. 

Até o presente momento, a máquina financiada por Bill Gates ainda está em desenvolvimento. O que dá a entender é que, ainda há muitas coisas a se fazer para que ela possa, de fato, funcionar. 

Skysource

O terceiro negócio é uma tecnologia capaz de extrair 2 mil litros de água por dia da atmosfera, sendo o suficiente para até 200 pessoas. 

Uma outra curiosidade que podemos citar que está relacionado a esse tipo de projeto, está ligada ao fato de ser bastante promissor, a ponto de conquistar o prêmio X Prize da categoria Abundância de Água. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Gostou dessas dicas? Se sim, compartilhe com seus familiares e amigos, e também em suas redes sociais. Receba conteúdo gratuito, diariamente, e siga-nos no Google News.