Diplomacia

Márcio Florêncio Nunes Cambraia

A diplomacia dedica-se primordialmente às relações entre os Estados que compõem o sistema internacional. Com origem remota nas cidades-estados gregas e nos Estados italianos do Renascimento, a diplomacia implementa a política externa dos Estados. Do simples envio de um representante para negociar uma trégua com outro país a diplomacia foi paulatinamente adquirindo a dimensão complexa que tem hoje. No Congresso de Viena de 1814/1815, quando as potencias reorganizaram o cenário geopolítico europeu e, portanto, mundial, após a derrota da França napoleônica, foram estabelecidos ritos, símbolos e linguagem que caracterizam a diplomacia atual.

Esses avanços consolidaram-se na Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas de 1961.

As funções clássicas da diplomacia são representar, informar e negociar. Nos tempos atuais têm se tornado cada vez mais multifacetadas por causa da globalização, da ampliação das comunicações, do crescimento das relações comerciais e financeiras, da proliferação das organizações internacionais governamentais e não governamentais, bem como a disseminação de novos temas como a defesa de direitos humanos, a proteção de minorias, o meio ambiente, o terrorismo e os movimentos migratórios.

Ademais, tivemos uma proliferação de estados, como resultado da descolonização, e posteriormente, com a derrocada da União Soviética. Registre-se também a formação de grandes blocos políticos e comerciais e a escalada armamentista.

Esse mundo mais complexo implica maior pressão sobre a atividade diplomática embora as relações internacionais continuem sendo basicamente interestatais, a diplomacia tem se adaptado ao surgimento e a afirmação de novos atores e novos valores no cenário internacional.

Desafio recente foi a pandemia de Covid. Embora epidemias letais tenham existido antes, como a terrível gripe espanhola de 1918, o atual surto foi agravado, em seu espraiamento, pelo exponencial aumento do trânsito de pessoas no mundo, depois da Segunda Guerra.

O Serviço Diplomático brasileiro enfrentou a nova ameaça em três áreas. O acompanhamento, com obtenção e processamento de informações sobre a evolução da pandemia em todos os continentes, por meio de rede de embaixadas e consulados, de ampla capilaridade. Outra dimensão foi a assistência e repatriação de brasileiros que se encontravam no exterior no auge da pandemia e tiveram que enfrentar fechamentos de fronteiras, e suspenções de transportes, frequentemente sem recursos e em ambiente estranho. Além disso, coube aos diplomatas participar da luta pela obtenção de vacinas e equipamentos hospitalares. Foi uma luta desigual, porque os países mais ricos apressaram-se a obter vacinas, a qualquer custo, para a proteção de suas populações.

A diplomacia brasileira desdobrou-se, valendo-se de habilidade reconhecida internacionalmente, e do patrimônio de uma tradição de relações diplomáticas universalistas, sem exclusões. Assim, em momento crucial, tínhamos canais desobstruídos com os principais fornecedores.

Márcio Florêncio Nunes Cambraia, embaixador e especialista da Fundação da Liberdade Econômica

Gostou dessas dicas? Se sim, compartilhe com seus familiares e amigos, e também em suas redes sociais. Receba conteúdo gratuito, diariamente, e siga-nos no Google News.