ESG: automóveis elétricos contribuem para a responsabilidade socioambiental das empresas

Frotas elétricas são tendência do mercado e empresas enxergam benefícios a longo prazo

Fonte da foto: Freepik
Fonte da foto: Freepik

Atualmente os carros elétricos recebem inúmeros adjetivos: são modernos, econômicos e são considerados os automóveis do futuro. Mas, para o meio corporativo e governamental, os carros elétricos são muito mais do que apenas uma escolha pessoal, eles fazem parte das práticas ESG (environmental, social and governance) que traduzidos significam governança ambiental, social e corporativa das empresas. Além disso, eles ainda podem custar, em longo prazo, muito menos do que os carros a combustão.

Na última semana, a 99, aplicativo de transporte urbano, anunciou novas parcerias para intensificar a transição para os eletrificados. A atitude da empresa não é um caso isolado, empresas de logística, transporte público e até mesmo redes varejistas, já têm apostado na tração elétrica.

Esse é um cenário promissor, confirmado pelos dados da Associação Brasileira de Veículos Elétricos (ABVE). Segundo a associação, é possível que o país passe dos 100 mil carros elétricos ainda em 2022. Os elétricos geram menos impacto ambiental e proporcionam, ao mesmo tempo, mais economia para as empresas que dependem de frotas para transporte de insumos e produtos. É isso que explica Ricardo David, sócio-diretor da Elev, uma empresa que atua com soluções para o ecossistema dos automóveis elétricos.

“Quem acompanha a evolução das práticas ESG pelo mundo percebe que a responsabilidade socioambiental melhora o desempenho das empresas. E, neste cenário, com a economia gerada pelos carros elétricos, será comum observarmos governos e companhias privadas adotando as frotas eletrificadas”, afirma o executivo.

Ricardo David explica que muitas empresas que adotam os carros elétricos em suas frotas já perceberam benefícios que muitos consumidores comuns ainda não conseguem enxergar. “As empresas conseguem projetar os custos a longo prazo, percebendo que mesmo com a barreira de entrada de alto custo para a eletrificação das suas frotas, o gasto neste período de adaptação faz o investimento fazer muito sentido”, declarou o executivo.

O especialista explica que, em comparação direta com os veículos a combustão, a produção dos eletrificados tem muito menos impacto ambiental. “Todo o processo de produção dos veículos elétricos emite cerca de 10 vezes menos carbono. Isso significa que quando a empresa aposta nos eletrificados, eles estão comprando uma prática que gera menos impactos ambientais em toda a sua cadeia de produção”, explica.

O especialista, que também é engenheiro eletricista, completa, explicando que os carros elétricos utilizam menos peças que os veículos a combustão, o que torna a manutenção destes automóveis muito mais barata. “Quando falamos de manutenção, os carros elétricos estão na vantagem, eles possuem apenas 20% da quantidade de peças dos modelos movidos a combustão. Além de não possuírem filtros e outras peças que necessitam de uma manutenção frequente. Há estudos que apontam que a manutenção dos elétricos está na ordem de 15% a 25% do valor gasto nos automóveis de combustão”, explica.

Além disso, o consumo dos veículos eletrificados é mais barato. Com o carro elétrico você tem uma economia de cerca de 83,34% no valor de recarga, quando comparamos aos modelos movidos a combustíveis fósseis.