Whats App
Whats App / foto: pexels

Com a crise econômica que segue em crescimento no Brasil, viver nos Estados Unidos se torna uma opção de grande interesse para muitos brasileiros. No entanto, é necessário seguir todos os procedimentos legais para viabilizar uma autorização de moradia permanente no país, não optando por atalhos que podem ser desastrosos.

Daniel Toledo, advogado que atua na área do Direito Internacional, fundador da Toledo e Associados e sócio do LeeToledo PLLC, escritório de advocacia internacional com unidades no Brasil e nos Estados Unidos, relata o caso de uma família de brasileiros que tiveram sua entrada nos EUA impedida e seus vistos de turismo cancelados. “Eles passaram 14 horas dentro do aeroporto, com uma série de restrições, muitas pessoas fazendo perguntas e uma pressão enorme. Receberam alguns papéis e foram obrigados a voltar ao Brasil, sem ao menos entender o que estava acontecendo”, revela.

A família chegou em Boston, nos Estados Unidos, dia 17 de abril. Saindo da aeronave e passando pelo primeiro agente de imigração e não houve problema. Mas a situação foi diferente no segundo ponto de parada para verificação. “Os brasileiros declararam que ficariam no país por 22 dias e tinham, inclusive, reservado hotel e um carro para esse período. No entanto, a real intenção da família era viver nos Estados Unidos após esse período inicial, não retornando ao Brasil na data planejada”, declara Toledo.

Segundo o advogado, a informação sobre os motivos da negativa na entrada pôde ser encontrada no FOIA (Freedom of Information Act) dos brasileiros. “No documento era relatado que a família mantinha contato em um grupo de Whatsapp, em que diversos brasileiros que vivem em Boston relatam informações relacionadas a como viver de maneira ilegal nos Estados Unidos, mesmo com toda a família. As dicas iam desde compras no supermercado, até a matrícula de crianças em escolas públicas do estado americano. Tudo isso documentado, com provas e prints do grupo em questão”, lamenta.

A família, que possuía visto de turismo há anos e já havia ido aos EUA em outras ocasiões, não só foi deportada e tiveram seus vistos cancelados, como estão impedidos de realizar uma nova solicitação pelos próximos cinco anos.

Para o especialista em Direito Internacional, tentar se manter ilegalmente nos Estados Unidos não é válido frente aos potenciais riscos que esses imigrantes podem enfrentar. “Os agentes de imigração sabem de praticamente tudo. Não adianta ter um visto de turismo, chegar no país norte americano e acreditar que vai poder ultrapassar os 6 meses de estadia nos EUA. Existem pessoas que conseguem, claro. Mas em geral, é uma vasta minoria. Grande parte dos imigrantes que tentam essa abordagem, são deportados e nunca mais tem a possibilidade de entrar no país”, relata.

Toledo acredita que a melhor alternativa é a criação de um plano de imigração robusto e que possibilite a aprovação de um visto de residência permanente no país. “Converse com um advogado de imigração. É a melhor maneira de conseguir um Green Card e a residência permanente nos Estados Unidos sem dores de cabeça”, finaliza.