Gabriel Prado

Garbologia: Saiba como o lixo pode revelar os costumes de uma população

Garbologia: Saiba como o lixo pode revelar os costumes de uma população

Você sabe o que é garbologia? Resumidamente, a garbologia é um termo da arqueologia que refere-se ao estudo e análise dos restos deixados pelas populações na tentativa de obter informações sobre seus costumes.

Este termo vem de garbage, que na língua inglesa significa lixo, e foi cunhado pelo escritor e ativista americano A. J. Weberman no início da década de 1970.

No entanto, alguns anos depois, o também antropólogo americano William Rathje trouxe a garbologia para o reino da ciência.

Ao pesquisar a cultura maia, Rathje percebeu que muitos dos artefatos encontrados eram materiais descartados. Ele então decidiu aplicar a mesma abordagem aos resíduos nas cidades americanas, lançando o Waste Project em 1973.

Ou seja, o que as pessoas jogam no lixo, sejam restos de comida ou descartaveis cirúrgicos, pode revelar qualquer coisa, desde hábitos alimentares indisciplinados até hábitos sexuais e gostos pessoais.

Ou seja, é algo que realmente pode contribuir para uma análise minuciosa de hábitos de consumo da população, bem como são informações que podem servir para que esses estudos possam ser utilizados e empregados para fins de melhorias.

Melhorias estas que podem ser inseridas em diversos setores, como no setor de fabricação de alimentos, a fim de entender e criar melhores estratégias de embalagens sustentáveis, por exemplo.

Mas também pode ser interessante para uma empresa fabricante de máquinas para industria alimentícia a fim de analisarem melhores estratégias sustentáveis para descarte adequado de resíduos acumulados pela fábrica.

Pensando em esclarecer esse assunto tão importante, vamos conhecer mais um pouco nesse artigo sobre essa ciência, a garbologia e algumas particularidades sobre o assunto! Confira!

Particularidades da garbologia

Flutuando acima dos esgotos, puxado por um cabo longo e prático com uma pequena rede de pesca como a usada por um atacadista de peixes, um funcionário gentilmente inclinou a rede no lodo fétido antes de levantar algo um tanto curioso: um preservativo usado.

No final da década de 1980 (pico da epidemia de AIDS nos Estados Unidos), uma equipe de profissionais de saúde queria monitorar se as pessoas estavam seguindo as recomendações de sexo seguro.

Para isso, começaram a contabilizar os preservativos que eram jogados no ralo, porque saberiam que eles tinham sido usados, assim como é necessário utilizar equipamentos de proteção individual, que acabavam em usinas de descarte.

No início de 1988, os funcionários encontravam entre 200 e 400 preservativos por dia. “Não é um trabalho agradável, é claro, mas é importante”, disse um diretor de vigilância do HIV no departamento de saúde local à Associated Press na época.

Autoridades de outros países têm usado o mesmo método desde então. Em 2006, trabalhadores de esgoto na Essuatíni (antiga Suazilândia) estimaram que o uso de preservativos no país africano havia aumentado em 50%.

Eles apontam que as pílulas são do tamanho certo para entupir o segundo conjunto de filtros na estação de tratamento para que possam ser contadas.

A Zâmbia também viu um aumento acentuado no uso de preservativos em 2015, com milhares de esgotos entupidos na capital Lusaka.

O lixo pessoal, mesmo em sua forma mais repugnante, é mais uma fonte de dados para uma pessoa.

Ou seja, com todas essas particularidades sobre o lixo no mundo, seja jogado no ralo, descartado ou reciclado, carrega um infinito e profundo mar de informações sobre as escolhas e comportamentos das pessoas.

Quem são os garbologiastas?

Os garbologistas são também conhecidos em alguns lugares como cientistas do lixo, e são as pessoas corajosas que se atrevem a examinar detritos humanos.

Sem dúvidas, muitos podem até ter que solicitar um atestado médico ocupacional devido aos riscos de toxicidade que podem enfrentar muitas vezes.

Seus esforços nos ajudam a entender tudo, desde a saúde das pessoas e as escolhas alimentares até as ações inadequadas.

Para Thomas Hylland Eriksen, antropólogo da Universidade de Oslo, na Noruega, o estudo dos resíduos tem uma clareza tranquilizadora, assim como uma janela para enxergar realmente as pessoas e como elas se comportam de verdade.

Tipos de lixo analisados na garbologia

Dentro da ciência da garbologia, os estudos e análises do que é descartado pelas pessoas é separado em algumas categorias específicas, como:

  • Lixo histórico;
  • Lixo comercial;
  • Lixo acumulado e tóxico;
  • Lixo virtual.

Para você entender melhor como isso é realizado pelos estudiosos e instituições dedicadas à ciência da garbologia, vamos agora explicar cada um desses tipos de lixo.

Afinal, é um assunto importante, principalmente para quem tem um comércio ou empreendimento, seja uma empresa de alimentos saudáveis ou uma loja de papelaria.

Lixo histórico

O lixo histórico refere-se a elementos e resíduos dos antepassados, e eles podem ser usados para uma minuciosa análise da sociedade e como ela foi até o momento atual.

Por exemplo, nos anos 1990 e início dos anos 2000, os pesquisadores perceberam que poderiam desvendar a história da Revolução Cultural da China estudando as pilhas de papéis descartados por autoridades ou moradores locais.

Jeremy Brown, historiador da Simon Fraser University, no Canadá, é um desses pesquisadores.

Frustrado com a falta de acesso aos arquivos oficiais, ele vai aos mercados de pulgas em Tianjin, norte da China, todo fim de semana para encontrar um tesouro de documentos descartados agrupados para venda.

Quando um vendedor do mercado de pulgas sabia o que estava procurando, eles começaram a desenterrar pilhas de lixo.

Graças aos esforços desses empresários, Brown conseguiu obter documentos que demonstram como o governo local orquestrou a deportação de pessoas das áreas urbanas para as rurais.

Mais recentemente, a garbologia tem ajudado outros que tentam estudar um país mais fechado e misterioso: a Coreia do Norte.

Em fevereiro, o jornal britânico The Guardian informou que o professor sul-coreano Kang DongMan havia coletado mais de 1.400 pacotes de produtos norte-coreanos levados para as costas sul-coreanas.

O que é interessante sobre o estudo é que as embalagens de doces mais recentes são coloridas e delicadas, sugerindo mudanças culturais sutis em um país onde a vida cotidiana é fortemente restrita.

Lixo comercial

O lixo comercial tornou-se algo importante para as empresas em geral que querem realizar análises essenciais. Ou seja, em outras palavras, a garbologia tornou-se uma ferramenta atraente para as empresas também.

Para explicar melhor, o fato é que as empresas começaram a observar que o lixo verificado pode torná-las mais seletivas sobre o que oferecer aos seus clientes, e com isso diminuir custos e aumentar lucros.

Obviamente o rastreamento das compras das pessoas ficou mais fácil com o advento dos códigos de barras e dos cartões de fidelidade, que permitem que os varejistas acompanhem todos os produtos vendidos.

Mas para quem trabalha com marketing, a garbologia também oferece uma perspectiva interessante da realidade.

Datha Damron-Martinez, professora de marketing aposentada da Truman State University, no Missouri, disse que, em seu trabalho como consultora, ocasionalmente propõe o uso da garbologia.

Ela afirmou que utilizou esse recurso como uma forma de pesquisa observacional para empresas que desejam entender mais sobre as tendências de consumo do grupo-alvo.

Ou seja, a garbologia também pode contribuir veemente para que cada vez mais as empresas entendam seus clientes e contribuam para uma maior assertividade de produtos e serviços oferecidos por elas.

Portanto, até mesmo um empreendedor distribuidor de seringas descartáveis, por exemplo, pode utilizar essa grande ciência para entender seus clientes e como melhorar suas distribuições.

Lixo acumulado e tóxico

Dentro da garbologia, também é incluída a análise de lixo tóxico, e dos mais horrendos possíveis. Não é algo tão motivador assim, mas é sem dúvidas importante.

Precisamos destacar que há de fato uma grande quantidade de lixo disponível, esperando para ser minerado ou simplesmente removido e analisado, como no caso do lixo de uma empresa de admissão temporária de máquinas usadas, por exemplo.

O antropólogo Erickson acredita que as enormes pilhas de lixo espalhadas pelo planeta hoje são sintomas do que ele chama de “modernidade superaquecida”.

Tudo está acelerado, dos negócios ao lixo. Com isso, a maneira como a civilização global é gerenciada – ou não gerenciada – nos diz que muitas coisas estão fora de controle ou dentro dos limites.

Em particular, comunidades mais remotas e tradicionais às vezes geram muito menos resíduos.

Lixo virtual

O termo lixo virtual refere-se às cópias desnecessárias de e-mails, arquivos, aplicativos, fotos e vídeos que às vezes armazenamos em nossos computadores e até mesmo em nossos telefones.

Esse tipo de resíduo também tem um impacto negativo no planeta. Tudo isso é armazenado em backups de servidores que consomem energia continuamente.

Como resultado, a internet e seus sistemas de suporte geram 900 milhões de toneladas de dióxido de carbono todos os anos – o equivalente a 7% dos gases de efeito estufa do mundo.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos s

Sobre o autor Gabriel Prado | Website

Formado em Jornalismo e Comunicação Social. Assessor digital pela equipe Guia de Investimento. Meu compromisso é entregar conteúdos de qualidade para diversos setores, entre os principais: Tecnologia, finanças e meio ambiente.

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.

Este site usa cookies e outras tecnologias similares para lembrar e entender como você usa nosso site, analisar seu uso de nossos produtos e serviços, ajudar com nossos esforços de marketing e fornecer conteúdo de terceiros. Leia mais em Política de Cookies e Privacidade.