Credit: Pixabay/CC0 Public Domain

O jornalismo é uma profissão em rápida mudança. O jornalismo digital está transformando a forma como as tecnologias de informação e comunicação são utilizadas pelos trabalhadores da mídia. Com esta mudança as práticas, normas e valores do jornalismo também estão sendo reformulados. Isto conclui Tomás Dodds em sua pesquisa de doutorado, razão pela qual ele fez 7 meses de observação dos participantes em duas redações chilenas. Na quarta-feira 9 de fevereiro de 2022, ele defenderá sua tese: “Dissonâncias na redação: Como as novas tecnologias digitais estão mudando os papéis profissionais nas redações contemporâneas”?

Sua tese se chama “Dissonância da redação”, o que isso significa?

Uma dissonância é uma falta de acordo ou harmonia entre pessoas ou coisas. Durante meu trabalho etnográfico em uma estação de televisão Canal 13 e no jornal La Tercera, eu vi as conseqüências das tecnologias digitais. O que é um jornalista, é o resultado de uma negociação entre o jornalista, o editor e as pessoas que controlam a redação. Mas com estas novas tecnologias, os jornalistas precisam seguir a lógica das plataformas que estão utilizando. Eles precisam obedecer às regras de empresas terceirizadas como Facebook, Twitter e Google para escrever notícias. E estas ‘regras’ são construções algorítmicas que não são totalmente transparentes. Estas empresas externas dizem às redações quem é seu público. E como as receitas da publicidade dependem de quão bem você se sai nestas matrizes, é mais provável que as salas de redação publiquem mais destas histórias que se saem bem. Alguns jornalistas têm que continuar a escrever sobre temas, embora isso vá contra sua própria identidade profissional e sobre o que eles acreditam que devem escrever. Isto garante uma dissonância profissional dentro da redação. Os jornalistas estão sentindo uma lacuna entre seus valores e suas práticas diárias.

Esta mudança no jornalismo é um problema?

Eu gostaria que minha tese fosse mais feliz, mas acho que é assustadora. Não sabemos como funcionam estes algoritmos porque eles não são transparentes. E você tem que acreditar naqueles terceiros no que diz o dia. Isso também acontece em outros campos, como na academia. O Google Scholar lhe diz como seus artigos são bem sucedidos. Mas isso também é uma matriz. Se a única coisa que uma universidade se importa é com o número de citações, você é forçado a perseguir esses números. É assustador porque o jornalismo tem o poder de colocar na agenda. Esse poder é agora transferido dos jornalistas e das redações para as plataformas, o que pode ter grandes efeitos sobre uma sociedade democrática.

Existe um caminho de volta?

Não se trata de voltar atrás. Acho que as redações precisam de um modelo em que dependam dos assinantes. Precisamos encontrar um equilíbrio entre as decisões algorítmicas que as plataformas exigem e a autonomia das salas de redação. Para o jornalismo digital, há menos tempo para fazer verificações de antecedentes ou pesquisas, porque eles precisam quebrar as histórias muito rapidamente. Uma das dissonâncias é como eles podem correlacionar sua identidade como jornalista onde eles sentem que precisam de fontes para seu artigo, mas o sistema está forçando-os a escrever um artigo sem fonte. Precisamos encontrar a resposta para a questão de como podemos encontrar um equilíbrio entre as plataformas e o trabalho jornalístico, em vez de deixar as plataformas ditarem o que um jornalista deve ser.

As pessoas parecem gostar de notícias ‘livres’, você acha que há uma responsabilidade também do lado do público?

Sim. Os últimos anos têm mostrado o pouco que sabemos sobre as plataformas e o que elas fazem com nossos dados. Havia todo este sonho de democratização da informação, mas o que vimos na última década é que não sabemos como funcionam as plataformas. Apanhou muita gente de surpresa. Mas acho que o público tem a responsabilidade de cuidar das organizações jornalísticas. Elas cumprem um papel fundamental nas sociedades democráticas. Com o uso das plataformas este papel está mudando, meramente baseado em uma matriz e isso é uma coisa terrível. Não estou argumentando que precisamos evitar a tecnologia, mas precisamos cuidar do jornalismo como uma sociedade e não depender de algoritmos opacos.

Você fez sua pesquisa no Chile, os resultados são aplicáveis em todo o mundo?

Esta pergunta surge com mais freqüência e não parece ser uma pergunta justa. Ninguém pergunta isso quando você pesquisa nos EUA. As pessoas dizem: “ohhh muito interessante, mas é no Chile”. Isso é um viés terrível e uma desigualdade na academia. Mas sim, o Chile é um grande exemplo para estudar como as tecnologias estão afetando as identidades profissionais. Desde o fim da ditadura nos anos 80, tem havido um enorme investimento no setor privado pró-tecnologia. O Chile está se esforçando para se modernizar o máximo possível. Isso o torna um caso interessante porque se pode comparar a transição muito recente do analógico para o digital.

Fonte: Phys.org

Gostou dessas dicas? Se sim, compartilhe com seus familiares e amigos, e também em suas redes sociais. Receba conteúdo gratuito, diariamente, e siga-nos no Google News.