Crédito: iStock

O setor industrial possui forte ligação com o progresso econômico, pois além de produzir riquezas, gera emprego e renda para a população. Entretanto, está entre os meios de produção que mais causam impacto ao meio ambiente. O conceito de desenvolvimento sustentável surgiu para equilibrar essa balança e as soluções ecológicas começaram a ser empregadas nas fábricas. 

A Confederação Nacional das Indústrias (CNI) desempenha um papel essencial no cenário da sustentabilidade industrial brasileira. Sua função mais importante é orientar o segmento como se tornar mais sustentável. Para tanto, incentiva o uso de fontes renováveis de energia, uso da economia circular, bioeconomia e gestão de resíduos sólidos. 

Como incentivo e reconhecimento pelo esforço empregado, as empresas que conseguem manter os níveis de emissão de gases e resíduos no limite estabelecido pelo Governo Federal, podem solicitar o Certificado de Gestão Ambiental (ISO 14000). Essa certificação é um aceno positivo para o mercado e para o consumidor porque demonstra a eficiência no uso e gestão das matérias-primas. 

Valor de mercado

O espaço e o valor ocupado pela sustentabilidade no mercado são tamanhos que tem sido pré-requisito para a assinatura de contratos. Em pesquisa recente realizada pela CNI, 45% dos entrevistados afirmaram exigir os certificados ambientais dos fornecedores. Em comparação com 2021, esse percentual era de apenas 26%. 

A exigência dos consumidores por produtos de origem mais “limpa” também incentiva a mudança no setor. Segundo o levantamento da CNI, 7 em cada 10 indústrias pretendem implementar ações de sustentabilidade nos próximos dois anos. Porém, a maior parte dos executivos, 55%, afirmou encontrar dificuldades para acessar os créditos necessários para custear essas alterações. Vale lembrar que os governos federal, estadual e municipal oferecem incentivos fiscais e financiamentos, como o IPTU verde, para estimular projetos voltados ao reaproveitamento de água, redução de consumo de energia elétrica e outras práticas ambientais. 

Sustentabilidade industrial na prática

Para ser uma indústria sustentável é necessário atender as 3 esferas: economia, meio ambiente e sociedade. De maneira objetiva, as ações devem relacionar a distribuição das riquezas com a capacidade produtiva; utilizar os recursos naturais de maneira consciente para não comprometer as gerações futuras; e desenvolver uma agenda social que provoque o bem-estar da comunidade. 

Em resumo, o investimento em equipamentos com maior eficiência energética, automóveis elétricos, reciclagem de resíduos sólidos, uso de energia renovável e descarte correto de resíduos químicos beneficiam os negócios. Os reflexos dessas ações reverberam na manutenção do meio ambiente, redução de custos e aumento do valor de mercado, visto que melhora a imagem da empresa diante de investidores e público consumidor.