Miami, FL — As fortes chuvas que atingiram os condados de Miami-Dade e Broward em 12 de junho foram um lembrete alarmante da crescente vulnerabilidade do sul da Flórida às inundações e ao aumento do nível do mar. Sem a necessidade de um furacão com nome, como Irma ou Andrew, os moradores foram surpreendidos por uma intensa tempestade que transformou ruas em rios e paralisou partes da cidade.

Impacto Imediato e Desafios Enfrentados

As chuvas causaram fechamento de rodovias importantes, como a Interestadual 95 em Broward, devido ao acúmulo de água. Locais como Hollywood e Miami Beach ficaram intransitáveis, levando as autoridades a emitir uma rara emergência de enchente repentina. Esse cenário se repetiu de forma dramática em abril, quando inundações históricas em Fort Lauderdale exigiram resgates com aerobarcos e deixaram carros abandonados nas ruas do centro.

Esses eventos evidenciam que a ameaça das mudanças climáticas e do aumento do nível do mar já não é um problema distante. Mesmo com os esforços locais e estaduais para manter as ruas secas, a infraestrutura de Miami continua vulnerável, como qualquer motorista pode observar durante dias chuvosos no centro da cidade.

Uma Nova Realidade Climática

Tradicionalmente, os moradores do sul da Flórida têm algum tempo para se preparar para furacões, mas as tempestades rápidas e inesperadas deste ano mostram uma nova realidade. As previsões de cheias, muitas vezes divulgadas com antecedência limitada, podem não ser suficientes para preparar os residentes para a gravidade das inundações.

Nos últimos 80 anos, o nível do mar local aumentou cerca de 30 centímetros, com 20 centímetros desse total ocorrendo apenas nos últimos 30 anos. As previsões indicam que o próximo aumento significativo pode ocorrer ainda mais rapidamente, exacerbando os desafios enfrentados pelas áreas costeiras de baixa elevação, como Miami, onde a elevação média é de apenas cerca de um metro.

Além disso, fatores como o aquecimento das águas oceânicas e o derretimento das camadas de gelo estão acelerando o aumento do nível do mar. A Corrente da Flórida, uma extensão da Corrente do Golfo, também pode influenciar esses níveis. A subsidência, ou o afundamento gradual do solo, agrava ainda mais a situação.

Resposta à Crise e Ações Necessárias

Para mitigar esses impactos, a verdadeira solução, segundo a maioria dos cientistas, é reduzir drasticamente a queima de combustíveis fósseis que alimentam as mudanças climáticas. No entanto, a preparação local para enfrentar os efeitos imediatos também é crucial. Em Miami, por exemplo, os eleitores aprovaram um referendo em 2018 para financiar projetos de mitigação do aumento do nível do mar, mas a implementação desses projetos tem sido lenta.

Embora a Flórida tenha tomado medidas significativas para financiar projetos de resiliência, incluindo a nomeação de um oficial de resiliência pelo governador Ron DeSantis, houve contratempos. Este ano, DeSantis assinou leis que reduzem os padrões para projetos de elevação do mar elegíveis para financiamento e removem referências às “mudanças climáticas” da legislação estadual.

A Necessidade de Ação Rápida e Efetiva

O recente evento de chuvas intensas mostrou que os moradores e as empresas precisam estar preparados para inundações mais frequentes e severas. Projetos de obras públicas que visam a adaptação às mudanças climáticas podem levar anos para serem concluídos, o que significa que a adaptação e a resiliência devem ser prioridades urgentes para a região.

A visão de uma Miami submersa está se tornando cada vez mais real. A comunidade precisa aceitar e se preparar para essa nova realidade, impulsionando ações imediatas e eficazes para proteger a cidade e seus habitantes dos impactos crescentes do aumento do nível do mar e das mudanças climáticas.

Fonte: Conselho Editorial do The Miami Herald, The Miami Herald

5/5