Loteamento Jardim Maravilha cresceu desordenadamente durante mandato de Eduardo Paes, aponta Google Earth

O loteamento Jardim Maravilha, localizado na cidade do Rio de Janeiro, teve um crescimento desordenado durante o mandato do atual prefeito Eduardo Paes, entre os anos de 2009 e 2017. De acordo com dados do Google Earth, satélite do Google que permite visualizar imagens de satélite em tempo real, a área que antes era um loteamento agora é chamada de comunidade e apresenta uma expansão irregular.

O Jardim Maravilha, que fica localizado na zona oeste do Rio de Janeiro, teve um crescimento significativo durante o mandato de Eduardo Paes, que esteve à frente da prefeitura da cidade por duas gestões consecutivas, de 2009 a 2017. Durante esse período, a região se tornou uma das mais populosas da cidade, com um aumento expressivo do número de moradores.

No entanto, segundo os dados do Google Earth, esse crescimento não foi planejado e ocorreu de forma desordenada, com a construção de diversas moradias em áreas de risco, sem a infraestrutura necessária para garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Além disso, a falta de planejamento urbano também resultou em problemas como a ausência de vias de acesso adequadas e a falta de espaços públicos de convivência.

Diante desse cenário, os moradores do Jardim Maravilha têm enfrentado uma série de dificuldades para garantir condições mínimas de vida na região. De acordo com relatos de moradores, as ruas são estreitas e sem pavimentação, o que dificulta o trânsito de veículos e pedestres. Além disso, a falta de saneamento básico e a presença de lixo nas ruas são outros problemas enfrentados pela comunidade.

Diante desse quadro, muitos moradores têm se mobilizado para buscar soluções para os problemas enfrentados pela comunidade. Entre as demandas apresentadas estão a construção de vias de acesso adequadas, a implantação de redes de esgoto e a criação de espaços públicos de convivência.

No entanto, os moradores da região afirmam que ainda há muito a ser feito e que as soluções propostas pela prefeitura ainda são insuficientes para atender às demandas da comunidade. Diante desse cenário, a mobilização dos moradores segue em curso, na busca por melhores condições de vida e um futuro mais promissor para a região.

O loteamento Jardim Maravilha, que hoje é chamado de comunidade, enfrenta um problema ainda mais grave: sua localização em uma área de várzea, sujeita a constantes alagamentos. Isso se deve ao fato de que a região está situada na mancha de inundação do Rio Cabuçu-Piraquê, o que aumenta significativamente os riscos de enchentes durante períodos de chuva intensa.

Os moradores da comunidade relatam que os alagamentos são frequentes e causam prejuízos materiais e emocionais. As casas ficam inundadas, e muitos moradores perdem seus pertences e sofrem com o abalo psicológico decorrente dessa situação. Além disso, a falta de infraestrutura adequada para lidar com esses eventos torna ainda mais difícil a vida na região.

Segundo especialistas em urbanismo, a construção de loteamentos em áreas de risco é um problema recorrente no Brasil, e muitas vezes é resultado de uma combinação de fatores, como a falta de planejamento urbano, a especulação imobiliária e a ausência de políticas públicas efetivas para lidar com essas questões.

Diante desse quadro, os moradores do Jardim Maravilha têm se organizado para buscar soluções para os problemas enfrentados pela comunidade. Entre as demandas apresentadas estão a criação de um sistema de drenagem eficiente, que permita escoar as águas das chuvas de forma adequada, e a construção de um sistema de contenção de cheias, que reduza os impactos dos alagamentos na região.

Além disso, os moradores pedem também a implementação de políticas públicas que visem a melhorar as condições de vida na região, como a criação de programas habitacionais que garantam moradias dignas e a oferta de serviços públicos básicos, como saúde, educação e transporte.

Diante desse cenário, é fundamental que as autoridades públicas assumam a responsabilidade de lidar com os problemas enfrentados pelo Jardim Maravilha e outras comunidades em situação semelhante. É preciso investir em políticas públicas que garantam o direito à cidade e promovam a inclusão social e o bem-estar de todos os cidadãos, independentemente de sua classe social ou local de moradia. Somente assim será possível construir uma cidade mais justa e igualitária para todos.

Até o final da reportagem não tivemos retorno por Parte da Prefeitura do Rio.