continua após a publicidade

Infelizmente se há uma coisa que está presente no Brasil há muito tempo é a prática da corrupção, ela se faz, nas mais diversas esferas da vida, seja pública ou privada, está por todo lado, e o país é mundialmente conhecido por esta prática.

Por vezes, é chamada de “jeitinho brasileiro” a forma malandra de se lidar com a vida, tendo que enfrentar um leão por dia, e tentando sempre se pôr um passo à frente de todos, tirar vantagem de alguma forma. 

Poderíamos dizer que nos últimos anos, o Brasil passou por uma alta na corrupção generalizada, que afeta todas as áreas da vida, desde os processos e gestões políticas até mesmo o futebol, paixão nacional. Infelizmente tal afirmação de que estamos mais corruptos é facilmente refutável, uma vez, que nunca estivemos tão ativos no combate às más práticas, sendo assim, há a possibilidade de que as coisas sempre foram desta exata forma, porém, não tínhamos conhecimento.

Como  já foi dito, os desvios estão presentes em todos os lugares, do setor público ao privado, do mundo corporativo até as lojas e comércios tradicionais, sendo assim, ficamos de mãos atadas, e só nos resta correr atrás de métodos para diminuir estas práticas, imputando obstáculos legais, práticas internas de vigilância e outras coisas, neste momento que entra a gestão de riscos e compliance.

O que é compliance

A prática de um compliance nada mais é que um conjunto de atitudes que afeta todos os setores da economia com o objetivo de alinhar as práticas internas de uma organização com as legislações vigentes.

A palavra é estrangeira, e vem do Inglês “to comply” que e tradução direta significa estar de acordo com a legislação, fazendo assim, com que se torne transparente para com o público, e com menores probabilidades de corrupção interna, uma vez que com as práticas os desvios de conduta se tornam mais difíceis e são vigiados de perto.

No Brasil, este assunto há muito já é debatido, mas a sua popularização se deu principalmente, após a legislação de anticorrupção, que foi implantada no ano de 2013, que gerou bases muito mais fortes dentro da constituição para que houvesse maior combate e fiscalização no setor público e privado.

Em suma, o ato de haver um compliance dentro de uma determinada corporação, significa que a empresa está de acordo com as leis e regulamentos.

Como funciona na prática

A implantação de uma gestão de compliance não é feita de qualquer maneira, muito pelo contrário, ela abrange tudo que diz respeito à empresa, de modo que todos que fazem negócios, colaboram ou nela trabalham devem estar alinhados às práticas.

Abrangendo todos os lados, desde contratos, até as regras, todas as políticas, colaboradores, controles internos e muito mais, aplicando o modo de gestão às regras, a corporação se torna deste modo, mais confiável, dificilmente corruptível e principalmente transparente com o público.

O que é programa de compliance

Como já foi dito, o compliance basicamente é um conjunto de práticas para pôr a empresa de acordo com a legislação vigente, porém, esta não é a única forma de atuação do método nem a sua principal forma de alinhamento.

Dentro do conjunto de ações que o compliance prega, está também formas de lidar com a cultura empresarial, como lidar com a parte ética da corporação, de modo que nem sempre deve-se visar o lucro, sabendo equilibrar o bem comum com os objetivos financeiros da corporação, a busca pela sustentabilidade por parte da iniciativa privada.

Ou seja, um programa de compliance busca equilibrar o objetivo da empresa com as regras, boas práticas e bem comum, atingindo além da parte de legislação e regras, mas também, regras e valores de cada instituição.

Qual a importância do compliance

Muitos dos gestores de negócios relutam para adquirir um conselho de compliance, principalmente porque tem a errada impressão que as empresas vão estar deixando de ir atrás de seu objetivo, o que não é a realidade.

O objetivo do compliance é fazer com que cada corporação conquiste seu objetivo, sem que passe por cima de regras, ou então que seja feita da melhor maneira possível para todos.

Até mesmo as mais simples práticas de compliance vão elevar a qualidade e maturidade da gestão da empresa, fazendo bem para todos os aspectos, os colaboradores vão se sentir mais confortáveis, investidores, sócios e acionistas vão enxergar a empresa como mais sustentável ao longo prazo e transparente.

Isso ocorre, pois, não estar de acordo com o compliance, é correr um risco desnecessário, uma vez que nenhuma instituição está 100 % livre da corrupção interna, sendo assim, os danos patrimoniais e financeiros podem ocorrer sem que se saiba.

Para que um programa seja efetivo e implementado da maneira correta, deve sempre contar com profissionais da área do direito, gestores financeiros e principalmente que tenham experiência com compliance.

continua após a publicidade