empréstimo consignado

O Indicador de demanda do consumidor por crédito apontou um aumento de 13,3% na procura por crédito entre maio e abril de 2022. O indicador é medido pela Serasa Experian (https://www.serasaexperian.com.br/conteudos/indicadores-economicos/).

Houve um aumento na procura por crédito para o mês de julho, representando uma variação de 3,5% quando comparamos com o mês anterior. Este acréscimo se deve principalmente pelo aumento da demanda por crédito pela parcela da população que possui renda mensal de até R$ 500.

Sobre crédito pessoal, muitas são as modalidades disponíveis no mercado. Dentre elas, a que costuma ter taxas de juros menores é a do empréstimo consignado.

O que é e como funciona um empréstimo consignado?

O volume de empréstimo consignado teve um aumento de 30% nos últimos dois anos, de acordo com o Banco Central, coincidindo com o período de pandemia da covid-19, em que o impacto das mudanças macroeconômicas, aumento da taxa de juros básica e de endividamento das famílias trouxe maior procura por modalidades de crédito.

O empréstimo consignado possui menores taxas de juros porque a instituição que fornece o crédito tem menos riscos envolvidos na operação, já que o valor das parcelas do empréstimo é descontado diretamente do salário ou aposentadoria do consumidor, dando mais garantias de que existe renda disponível para o pagamento da dívida.( veja a taxa de juros consignado)

As pessoas que geralmente têm acesso ao consignado são funcionários públicos, aposentados e pensionistas do INSS. Porém, vem crescendo o número de empresas privadas que praticam esta modalidade com seus funcionários, fazendo parcerias com bancos.

Existe uma facilidade para a contratação de um empréstimo consignado porque o banco terá garantia do recebimento, ou seja, haverá pouca burocracia e a liberação do dinheiro será rápida. Além disso, são disponibilizados prazos maiores para pagamento.

Neste mês de agosto, o governo federal publicou no Diário Oficial uma medida provisória que amplia o valor máximo do empréstimo consignado aos servidores públicos federais, aumentando de 35% para 40% o desconto máximo em folha de pagamento do servidor para contratação do crédito.

Portabilidade de empréstimo consignado

A Portabilidade de crédito consiste na transferência de contrato de uma instituição financeira  para outra instituição é realizada somente com o pedido do cliente. Essa mudança pode acontecer, devido a uma oferta de juros mais baixos ou um atendimento personalizado.

Essa modalidade de portabilidade de empréstimo consignado está disponível a todos que possuem um contrato em seu nome.Vale lembrar que as instituições financeiras não podem cobrar para efetuar a portabilidade.  

Para mais informações acesse: https://www.gov.br/servidor/pt-br/assuntos/noticias/2022/agosto/margem-de-emprestimo-consignado-e-ampliada-para-servidores-publicos-federais#:~:text=A%20Medida%20Provis%C3%B3ria%20n%C2%BA%201.132,autom%C3%A1tico%20em%20folha%20de%20pagamento

Comparação com empréstimo pessoal e financiamento

Quando falamos em empréstimo pessoal, as taxas aplicadas variam com o banco escolhido e seu relacionamento com ele. Pode ser usado quando se precisa de pouco dinheiro e quando o pagamento da dívida for por um período pequeno.

Atualmente no mercado existem modelos de empréstimos pessoais nos quais podem ser dadas garantias. O cliente pode oferecer um bem próprio no momento da contratação, garantindo que o valor será pago à instituição que oferece o crédito.

A Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor de São Paulo realizou pesquisa com seis instituições financeiras do país (Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú, Safra e Santander), para conhecer as taxas de juros aplicadas por elas na contratação de empréstimos pessoais em agosto deste ano.

O resultado da pesquisa apontou que a taxa média aplicada pelos bancos pesquisados foi de 7,00 % ao mês, tendo um acréscimo de 0,12 % em relação ao mês anterior.

Você pode acompanhar o resultado da pesquisa em: https://www.procon.sp.gov.br/wp-content/uploads/2022/08/RTXJUROS08.22.pdf

Já para os financiamentos, o consumidor seleciona para onde o dinheiro será direcionado, por exemplo, compra de um carro ou de uma casa. Os juros aplicados à dívida também variam com a instituição escolhida e as condições para quitar o valor são específicas de cada cenário.

Pesquisa feita pela Valor Investe, publicada em julho deste ano, apontou que considerando os maiores bancos do país, o financiamento imobiliário com a taxa de juros Selic a 13,25%, pode ser conseguido com juros mínimos de 8,8% ao ano. Para conhecer mais, acesse: https://valorinveste.globo.com/produtos/imoveis/noticia/2022/07/27/qual-a-taxa-mais-barata-para-financiar-a-casa-propria-nos-grandes-bancos.ghtml

Seja qual for o tipo de crédito a ser contratado, é muito importante comparar o que cada banco pode oferecer, a taxa de juros envolvida e qual a modalidade se encaixa com seu perfil consumidor.