Pelo terceiro ano consecutivo, o Índice Dow Jones de Sustentabilidade reconheceu a CMPC como uma das empresas mais sustentáveis do mundo. A companhia ficou em segundo lugar na categoria Celulose e Papel. Além disso, sua posição contribuiu para que fosse incluída nos indicadores da indústria “DJSI Chile”, “MILA Pacific Alliance” e “Emerging Markets”, que reúnem empresas de mais de 27 países.

O Dow Jones Sustainability Index (DJSI) é um índice internacional que avalia diferentes indicadores sobre o desempenho sustentável das empresas listadas. Desta forma, a medição permite ter uma visão geral das diferentes indústrias da economia mundial em termos ambientais, sociais e econômicos, distinguindo as organizações que mais se destacaram nesses campos.

Sobre o desempenho da CMPC, o CEO da empresa, Francisco Ruiz-Tagle, disse que “é muito gratificante para todos nós que fazemos parte do Grupo CMPC que o DJSI mais uma vez tenha nos considerado entre as empresas mais sustentáveis do mundo. E, acima de tudo, é um novo reforço das metas ambientais que estabelecemos, da maneira como nos relacionamos com as comunidades, enfim, de como estamos fazendo nosso trabalho na direção certa”.

O reconhecimento vai ao encontro dos compromissos ambientais assumidos pela empresa em 2019. O grupo estabeleceu quatro metas alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Agenda 2030 das Nações Unidas. Em nível global, a CMPC estabelece que até 2025 deve diminuir em 25% o uso de água nos processos industriais e ser uma companhia com zero resíduo em aterros sanitários. Também são objetivos da companhia que até 2030 haja a redução de 50% das emissões de gases causadores de efeito estufa e ocorra o acréscimo de novos 100 mil hectares de área de conservação.

Da mesma forma, a visão da CMPC vai além do seu trabalho, que entende que os seus parceiros, fornecedores e clientes também devem alinhar-se sob os mesmos princípios sustentáveis. É também por isso que, em 2021, a empresa aderiu à campanha Business Ambition for 1.5 °C, que foi lançada em 2019 pela Science Based Targets e que visa comprometer as organizações a reduzir o impacto ambiental em sua cadeia de produção e em suas emissões de gases de efeito de estufa a fim de limitar o aumento da temperatura global a não mais de 1,5 °C acima dos níveis pré-industriais.

Sustentabilidade da CMPC no Brasil

O ano de 2021 marcou o lançamento do projeto BioCMPC, maior investimento em ESG da história do Rio Grande do Sul. A iniciativa prevê a implantação de 31 ações de sustentabilidade e performance na Unidade Guaíba. Ao final, o BioCMPC irá gerar um relevante ganho de eficiência para a unidade de Guaíba, por meio do aumento de aproximadamente 18% da capacidade produtiva, quando comparado aos nossos resultados dos últimos doze meses. Com investimento de cerca de R$ 2,75 bilhões, a previsão é que sejam criados cerca de 7,5 mil novos postos de trabalho durante a execução das obras.

A soma dessas medidas eleva a planta da CMPC em Guaíba para a condição de uma das mais sustentáveis do Brasil, quando considerados os parâmetros gestão de resíduos, tratamento de efluentes, emissões atmosféricas, sistemas de tratamento de gases e gestão ambiental. As obras iniciaram ainda em 2021, logo após a obtenção de todas as permissões necessárias, e a conclusão deve ocorrer em dezembro de 2023.