A crise energética levou a Petrobras – e seus pares globais no setor de energia – a contabilizar um recorde no pagamento de dividendos no terceiro trimestre de 2022, de acordo com o último Índice Global de Dividendos de Janus Henderson. Os produtores de petróleo e gás foram os grandes impulsionadores do crescimento no terceiro trimestre, aumentando seus dividendos em três quartos em relação ao ano anterior para um recorde de 46,4 bilhões de dólares. As empresas petrolíferas em todo o mundo aumentaram seus pagamentos, em grande parte através de dividendos especiais em vez de aumentos em seus pagamentos regulares.

A Petrobras liderou essa tendência no Brasil, igualando sua enorme distribuição do segundo trimestre no terceiro trimestre, com pagamentos totalizando US$ 9,7 bilhões em suas ações ordinárias. Isto ajudou o Brasil a lançar um recorde de US$ 13,1 bilhões em dividendos (em uma base subjacente) em comparação com US$ 11,9 bilhões no terceiro trimestre de 2021. No terceiro trimestre deste ano, a Petrobras foi a empresa com o terceiro maior dividendo do mundo.

Crescimento global

O total de dividendos globais pagos pelas empresas aumentou em 7,0% em uma base nominal para $415,9bn, claramente um recorde para o terceiro trimestre. O dólar em alta também teve um impacto na história dos dividendos globais. O aumento subjacente foi de 10,3% assim que a força do dólar e outros fatores foram levados em conta. Globalmente, 90% das empresas aumentaram os dividendos ou os mantiveram estáveis, um pouco abaixo dos 94% registrados no primeiro semestre do ano.

O aumento dos dividendos do petróleo compensou uma queda nos pagamentos da mineração

Sem o impacto positivo do setor de energia, o total global teria sido aproximadamente estacionário no terceiro trimestre. O aumento do petróleo correspondeu exatamente à queda na mineração, onde as empresas estão agora cortando dividendos de seus recentes recordes em resposta aos preços mais baixos das commodities. No Brasil, o dividendo do terceiro trimestre da Vale caiu 56% em relação ao mesmo período em 2021, significando que a empresa caiu do terceiro maior pagador de dividendos no terceiro trimestre de 2021 para o 15º lugar no T3 do 2022. Em outros setores, houve crescimento em quase todos eles, mais especificamente no transporte (incluindo transporte marítimo), bancos, semicondutores e produtos químicos. 

Taiwan e os EUA tiveram a maior contribuição para o crescimento, mas a China decepcionou e a Austrália viu diminuições

De uma perspectiva geográfica, Taiwan, os EUA, Hong Kong e Canadá foram os mais importantes contribuintes para o crescimento. Uma mistura de energia e finanças foi fundamental para os três últimos, mas em Taiwan houve uma força excepcional em toda uma série de indústrias. A sazonalidade do 3º trimestre é muito importante para os dividendos chineses. Aqui, o crescimento subjacente dos pagamentos atrasou o mundo inteiro (+6,7%) e um terço das empresas no índice cortou os dividendos – o setor imobiliário chinês, atingido por uma severa retração, foi um ponto de fraqueza notável.

Previsão melhorada

O encorajador terceiro trimestre provocou um aumento de 30 bilhões de dólares nos números de Janus Henderson para o ano inteiro, impulsionado principalmente por maiores dividendos especiais únicos, força no setor petrolífero e na Ásia. A Janus Henderson espera, agora, dividendos nominais de US$ 1,56 trilhão, um aumento de 8,3% em relação ao mesmo período do ano anterior. E o total acumulado da Petrobras de 19,4 bilhões de dólares é provável que seja suficiente para torná-la a segunda maior pagadora do mundo este ano, depois da BHP.

Enquanto isso, o crescimento subjacente deverá ser de 8,9%, um aumento de 0,4 pontos percentuais em comparação com as expectativas de Janus Henderson três meses atrás e ainda firmemente à frente da tendência de crescimento dos dividendos de 5-6% a longo prazo.

Jane Shoemake, Gerente de Portfólio de Clientes para renda variável global, disse: O aumento dos dividendos do petróleo coincidiu com as reduções dos mineradores, embora os pagamentos do setor sejam, no entanto, muito altos em comparação com o histórico. Como outras commodities, os preços da energia são cíclicos, e o preço do petróleo já é inferior aos níveis atingidos no início deste ano, de modo que o atual nível excepcional de pagamentos provavelmente não seja permanente. 

“A partir de 2023, um crescimento econômico global mais lento provavelmente terá um impacto nos lucros e na capacidade de algumas empresas de aumentar os pagamentos. Mas a cobertura de dividendos, a relação entre os lucros de uma empresa e seus dividendos, está próxima dos máximos históricos – isto porque a rentabilidade é atualmente forte enquanto a pandemia resultou em muitas empresas rebaixando os dividendos para níveis mais sustentáveis. Isto pode oferecer algum suporte, mesmo que os lucros estejam sob pressão em 2023. De modo crucial, os dividendos variam muito menos ao longo do ciclo econômico do que os lucros, pois as empresas procuram manter um nível de renda sustentável para seus investidores”.