A preservação da camada de ozônio é um assunto muito importante, uma vez que sobram evidências de que várias substâncias fabricadas pelo ser humano estão destruindo-a.

Ainda em 1977, cientistas britânicos descobriram a existência de um buraco na camada localizada em cima da Antártida.

Desde então, mais e mais registros surgiram de que ela está cada vez mais fina em várias partes do mundo, principalmente no Polo Sul e no Polo Norte.

Muitas substâncias químicas destroem o ozônio assim que entram em contato com ele, e isso faz com que o planeta fique mais quente, um acontecimento conhecido como efeito estufa.

Existe uma enorme lista de produtos que danificam a camada de ozônio, como no caso dos óxidos nítricos, muito comuns em exaustores de veículos e o CO2 proveniente da queima de combustíveis fósseis, como petróleo e carvão.

As montadoras de veículos já tomaram providências para reduzir a emissão de poluentes, mas isso não é o suficiente, considerando que todos precisam fazer a sua parte.

Pensando nisso, neste artigo, vamos explicar o que é camada de ozônio, o que é o buraco nessa camada, além de mostrar de que maneira cada um pode contribuir com sua preservação.

O que é camada de ozônio?

Em volta de todo o planeta Terra existe uma camada de gás bem frágil, conhecida como camada de ozônio. Seu papel é proteger todo tipo de vida dos raios ultravioletas do Sol.

Pessoas, plantas e animais precisam dela para sobreviver, visto que na superfície terrestre, o ozônio agrava a poluição do ar das cidades e torna a chuva mais ácida.

O planeta chegou até aqui e o ser humano pode evoluir e desenvolver várias soluções, como chaveiro personalizado em goiânia, graças à proteção dessa camada.

Nas alturas da estratosfera, mais precisamente entre 25 e 30 km acima da superfície, a camada de ozônio forma um filtro a favor da vida. Se ela não existisse, os raios de sol simplesmente impossibilitariam qualquer forma de existência na Terra.

A radiação ultravioleta desencadeia um processo natural na atmosfera, que ajuda a formar e a fragmentar continuamente o ozônio.

O mundo possui características perfeitas, mas, infelizmente, várias evidências científicas comprovam que o homem está destruindo a camada de ozônio por meio de substâncias fabricadas por ele, então surgem os buracos.

Do que se trata o buraco na camada de ozônio?

Aprendemos na escola que existem buracos na camada de ozônio, mas são poucos que, de fato, compreendem a fundo o que isso significa.

Há uma série de fatores climáticos que fazem da estratosfera sobre a Antártida uma região mais propensa à destruição.

Sabendo disso, pessoas e empresas de vários setores, como uma confecção de uniforme personalizado lanchonete, procuram maneiras de reduzir seus impactos a favor da proteção dessa camada.

No hemisfério sul, durante toda primavera aparece um buraco na camada de ozônio sobre todo o continente, e os cientistas já alertaram que o buraco aumenta constantemente e que seus efeitos estão cada vez mais evidentes.

Para se ter uma ideia, vários médicos da região já alertaram sobre a ocorrência anormal de alergias e problemas de pele e visão.

No entanto, o hemisfério norte também é muito atingido, o que inclui os Estados Unidos, norte da China e do Japão e boa parte da Europa. Todos esses países perderam cerca de 6% da proteção de ozônio.

O PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) acredita que apenas 1% de perda dessa camada pode causar cerca de 50 mil novos casos de câncer de pele e 100 mil casos de cegueira por catarata.

Mas, mesmo diante de uma situação tão crítica, ainda existe muito que pode ser feito, tanto pelos habitantes quanto pelas companhias.

Como é possível proteger essa camada?

A sociedade como um todo, o que inclui as pessoas, governos e organizações, como uma que realiza brunch empresarial, podem ajudar a proteger a camada de ozônio de várias formas.

Uma delas é por meio da redução de liberação de gases que podem destruir a camada, optando pela compra de produtos, geralmente sprays, extintores de incêndio e aparelhos de refrigeração que não contenham gases CFC (clorofluorcarbonetos).

Para saber se o produto que está adquirindo tem ou não esse tipo de substância, basta procurar pelo selo identificador.

A sociedade precisa se conscientizar de que ao poluir o meio ambiente, prejudica a existência da própria vida na Terra e a existência de gerações futuras.

Quem está construindo uma família e tendo filhos agora, precisa pensar na saúde e bem-estar dessas crianças no presente, no futuro e das gerações provenientes delas.

Lembre-se de que seus filhos também poderão ter filhos, e seus netos poderão ter filhos e assim por diante, e uma caixa papelão reciclado que você usa hoje, vai fazer toda a diferença amanhã.

A preservação da camada de ozônio acontece mediante a preservação do meio ambiente, e uma das melhores maneiras de fazer isso é por meio da economia de energia.

A não ser que sua residência ou empresa possua um sistema de energia solar, é fundamental preservar a energia proveniente das hidrelétricas.

O consumo de muita energia significa consumir muita água, o que desgasta o meio ambiente e provoca consequências graves, como as alterações climáticas, e ao mesmo tempo agrava a situação na camada de ozônio.

Outro ponto importante é adquirir produtos eletrônicos e eletrodomésticos identificados como sustentáveis, pois eles não são feitos com clorofluorcarbono, e vários produtos podem possuir este selo, como:

  • Ar-condicionado;
  • Geladeiras;
  • Fogões;
  • Televisores.

Estes e muitos outros produtos que usamos no dia a dia podem ser sustentáveis, bastando identificá-los.

Outro ponto relevante que pode ser feito é trocar eletrodomésticos muito antigos por versões mais modernas, visto que eles consomem muito mais energia elétrica.

Um motor moderno para portão metálico é um bom exemplo disso, mas isso não significa que você possa deixar a televisão ligada sem ninguém assistindo ou as luzes acesas em cômodos que não estão sendo usados.

Além de optar por produtos mais econômicos, é fundamental usá-los do jeito certo. Procure reduzir o uso de ar-condicionado, ligando o aparelho apenas em casos extremos.

Sabemos que o Brasil é um país com verão extremamente quente, mas isso não quer dizer que o uso do ar-condicionado está liberado o dia todo, mesmo porque ninguém aguenta pagar uma conta de luz tão alta.

Ao invés de simplesmente ligar o ar, procure outras alternativas, como usar telhas que trazem mais conforto térmico, priorizar a ventilação dos ambientes, instalar pisos frios e preferir ventiladores.

Assim como um fabricante de carimbo empresarial, o ar-condicionado deve ser opção em salas mais cheias ou quando vários equipamentos são utilizados ao mesmo tempo.

Afinal, este aparelho consome muita energia elétrica, e mesmo que tenha o selo Procel, faz o uso de muita energia para funcionar, além de trazer vários prejuízos financeiros.

Por falar nisso, mantenha a manutenção do seu ar-condicionado sempre em dia, pois a falta dela faz com que o aparelho consuma ainda mais eletricidade.

Ademais, evite lavar suas roupas com água quente, pois o consumo de energia é ainda maior nesses casos. Além disso, reutilize a água da máquina para outras finalidades do dia a dia, como lavar o quintal, lavar o carro, em vasos sanitários, lavar a calçada, entre outros.

Um único ciclo da máquina pode usar mais de 130 litros de água. Por essa razão, aproveite a água do segundo enxágue, que sai praticamente limpa, para lavar a próxima leva de roupas.

Além disso, o carro particular deve ser reservado para momentos de extrema necessidade, por exemplo, quando a pessoa precisa retirar uma churrasqueira de alvenaria pequena que acabou de comprar.

Os automóveis emitem muitos poluentes que prejudicam a camada de ozônio, assim sendo, procure usar o transporte público, pegar carona com um colega de trabalho ou usar a bicicleta para se locomover.

Além de preservar o meio ambiente, fazer uma caminhada ou pedalar também é uma forma de cuidar melhor da sua saúde e manter o físico em forma.

Por fim, em casa, as pessoas precisam adquirir o hábito de separar o lixo reciclável do lixo orgânico. 

Apesar de parecer uma atitude simples, ela faz toda a diferença, posto que os gases emitidos nos aterros sanitários também são extremamente prejudiciais para a camada de ozônio.

Descarte corretamente resíduos perigosos, como baterias de celulares, pilhas, eletrodomésticos e até mesmo o óleo velho de cozinha.

Considerações finais

Além de todas essas ações, os indivíduos e empresas como uma clínica de bioplastia em SP também podem conscientizar a sociedade a respeito da preservação ambiental.

Se cada um fizer sua parte, por menor que seja, certamente vamos possibilitar muita diferença para o futuro do planeta.

Proteger a camada de ozônio é zelar pela proteção de nossa própria vida e garantir a perpetuação das espécies terrestres no futuro.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.