Ao lado de Plinio Nastari, da Datagro (dir.), o secretário executivo de Relações Internacionais do Estado de São Paulo, Affonso Massot discursa na abertura do segundo dia de evento - Foto: Governo do Estado de São Paulo
Ao lado de Plinio Nastari, da Datagro (dir.), o secretário executivo de Relações Internacionais do Estado de São Paulo, Affonso Massot discursa na abertura do segundo dia de evento - Foto: Governo do Estado de São Paulo

Na manhã desta terça-feira (26), o embaixador Affonso Massot, secretário executivo de Relações Internacionais do Estado de São Paulo, representou o governador Rodrigo Garcia, na abertura do segundo dia do Global Agribusiness Forum (GAF), realizado no Sheraton WTC Hotel, na capital paulista. Em pauta, segurança alimentar, mudanças climáticas e sustentabilidade.

O evento integra um movimento internacional para superar o desafio de alimentar o mundo de forma global e sustentável. São mais de 60 países e 200 mil participantes do GAF, que está em sua quinta edição, realizada a cada dois anos.

“O agronegócio nunca esteve tão pujante como hoje e o Brasil cumpre um papel essencial na produção de alimentos e no abastecimento mundial”, diz Affonso Massot.

Em seu discurso, o embaixador ressaltou que o Estado de São Paulo é responsável por 1/3 do PIB (Produto Interno Bruto) e 20% de toda a produção agrícola brasileira, sendo responsável por 56% de toda a cana de açúcar nacional e por 76% da produção de laranja no país. Essa produção paulista representa 60% da produção mundial deste cítrico.

Ele destacou ainda a importância dos programas Melhor Caminho e Rotas Rurais, do Governo de São Paulo para fomentar e fortalecer o agronegócio em todos os 645 municípios do Estado.

“Devo acrescentar que a atual gestão paulista tem tido a sustentabilidade como uma de suas metas e, ao longo desses últimos 4 anos, diversos projetos relacionados a este tema foram concretizados, sem comprometer, e ao contrário, aumentando a produção, através da utilização de tecnologias mais avançadas.”

Numa ponte entre o passado e o futuro, Massot relembrou a criação do IAC — Instituto Agronômico de Campinas há 135 anos e reforçou a importância da pesquisa e da tecnologia em prol da sustentabilidade e da produtividade. Ligado à Agência Paulista dos Agronegócios, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado, o IAC conta com 12 centros de pesquisa especializados na produção de alimentos in natura, com foco na segurança alimentar, engenharia e automação dos processos agrícolas, garantindo qualidade dos produtos e competitividade no mercado externo.

Reforçando esta capacidade econômica do Estado para o mundo, São Paulo inaugurou escritórios em Xangai, Dubai, Munique e Nova York, que integram uma estratégia inovadora de internacionalização e que estão à disposição dos diversos setores produtivos.