Redação

Vazamentos de Nord Stream 1 e 2 equivalem a 40% das emissões anuais da Suécia, diz engenheiro

Vazamentos de Nord Stream 1 e 2 equivalem a 40% das emissões anuais da Suécia, diz engenheiro

Desde terça-feira (27) as autoridades de países europeus investigam ao menos quatro vazamentos nos gasodutos Nord Stream 1 e 2, que constituem a maior fonte de importação de gás da Europa e que não estavam em operação no momento da ruptura. Há suspeita de sabotagem, mas os países têm sido cautelosos para apontar causas e culpados. Neste momento, há uma intensa discussão na Europa sobre a insegurança geral de infraestruturas de gás e o impacto climático de um vazamento acidental ou intencional.

O vazamento ocorre em águas suecas e dinamarquesas. Segundo Christophe Duwig, professor de engenharia química do Instituto Real de Tecnologia da Suécia, os vazamentos poderiam ser equivalentes a cerca de 40% das emissões anuais suecas. Uma avaliação preliminar de autoridades dinamarquesas está em linha com a estimativa de aumento vertiginoso das emissões ao afirmar que o evento pode ser equivalente a um terço do que a Dinamarca emite todos os anos.

Um especialista do thinktank dinamarquês CONCITO aponta para o equivalente a 70% das emissões dinamarquesas. “O que este último ano nos mostrou foi o verdadeiro custo dos combustíveis fósseis”. Hoje ilustrado de forma espetacular com o vazamento de até 9 milhões de toneladas de emissões de carbono – ou quase 70% das emissões anuais da Dinamarca”, disse Torsten Hasforth, economista sênior do CONCITO. “Este é apenas mais um motivo para aumentar nossos esforços de energia renovável.”

As forças armadas dinamarquesas divulgaram na terça-feira imagens mostrando bolhas sobre a superfície do Mar Báltico acima dos gasodutos. As autoridades militares do país também disseram que os distúrbios superficiais chegam a bem mais de um quilômetro de diâmetro.

Vazamentos desta magnitude poderiam liberar cerca de 0,3mt de metano, de acordo com estimativas do CONCITO. Isto corresponde a entre 18 meses a 4 anos de emissões de CO2 de carros de passageiros dinamarqueses, ou as emissões de 2,5 a 6,5 milhões de caldeiras a gás fóssil em um ano.

“Trata-se de um gasoduto excepcionalmente grande, capaz de transportar 40% do consumo total de gás na UE. Parte do gás se oxidará em seu caminho até a superfície. Mas você pode ver nas fotos que a superfície está borbulhando em todos os lugares, o que significa que a maior parte do gás alcançará a atmosfera”, diz Lena Höglund Isaksson, especialista em emissões globais de metano da IIASA, em Viena.

“Embora ainda não estejamos certos da causa, o desastre Nord Stream nos lembra como é arriscada a infraestrutura de combustíveis fósseis”, disse Thomas Pellerin-Carlin, Diretor do Centro de Energia Jacques Delors, Pesquisador Sênior, Política Energética Europeia.

“Está ficando cada vez mais óbvio que devemos parar de investir em combustíveis fósseis e em sua infraestrutura”, disse David Kihlberg, chefe do departamento de clima da Sociedade Sueca para a Conservação da Natureza. “A energia renovável é tanto mais segura quanto mais sustentável”.

A suspeita de que o vazamento seja intencional mostra que o simples fato de abrigar gasodutos pode expôr a segurança de um país. “É a avaliação da autoridade que estamos lidando com ações deliberadas. Estes vazamentos não podem ser acidentes”, disse Mette Frederiksen, primeira-ministra dinamarquesa na terça-feira.

Falando somente do ponto de vista climático, Kihlberg disse que o incidente é um desastre.

“Há uma série de incertezas, mas se estes dutos colapsarem, o impacto para o clima será desastroso e pode até ser sem precedentes”, disse o químico atmosférico David McCabe, que é cientista sênior da Força Tarefa do Ar Limpo.

***

Notas para o Editor:

Informações gerais sobre os vazamentos Nord Stream 1 e 2. 

  • Os gasodutos estavam entregando gás?

Dois vazamentos foram detectados no gasoduto Nord Stream 1, que parou de fornecer gás para a Europa no mês passado, ambos em uma área a nordeste da ilha dinamarquesa de Bornholm. As autoridades dinamarquesas pediram aos navios que se mantivessem afastados de Bornholm por um raio de cinco milhas náuticas após o vazamento no Nord Stream 2, que ainda não entrou em operação. O plano de usá-lo para fornecer gás foi escanteado pela Alemanha dias antes de a Rússia enviar tropas para a Ucrânia em fevereiro.

Ambos os gasodutos ainda contêm gás sob pressão, mas não estão entregando o combustível para a Europa.

  • O que causou os vazamentos?

Analistas e especialistas dizem que tais vazamentos são muito raros, e a Nord Stream AG chamou de “sem precedentes” os vazamentos em três cordas dos gasodutos offshore.

A Primeira Ministra dinamarquesa Mette Frederiksen disse na quarta-feira que estes eventos não foram acidentes, mas deliberados – apontando para uma sabotagem, mas não uma declaração de guerra contra a Dinamarca. Igualmente, a primeira-ministra sueca Magdalena Andersson disse em uma conferência de imprensa na terça-feira que os vazamentos foram “provavelmente uma ação deliberada”, mas “não um ataque contra a Suécia”.

Entretanto, ela disse que as forças de defesa suecas estavam prontas para se adaptar à situação, enquanto o Ministro da Defesa sueco Peter Hultqvist disse que as unidades marítimas seriam disponibilizadas “se for necessário”.

A União Europeia disse que os vazamentos em dois grandes gasodutos da Rússia para a Europa foram causados por sabotagem – mas parou de acusar diretamente a Rússia. A UE acusou anteriormente a Rússia de usar o fornecimento de gás, e a linha Nord Stream, como uma arma contra o Ocidente. Por outro lado, a chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que a interrupção deliberada resultaria na “resposta mais forte possível”.

A Ucrânia foi mais longe, acusando a Rússia de um “ataque terrorista”. Enquanto isso, a Rússia acusou os EUA de realizar os ataques.

O Secretário de Estado norte-americano Antony Blinken disse que os vazamentos “não teriam um impacto significativo na resiliência energética da Europa”. Nenhum dos dois gasodutos está transportando gás no momento, embora ambos contenham gás. Blinken não acusou diretamente a Rússia, mas disse que não seria do interesse de “ninguém” se eles fossem causados deliberadamente.

O Centro Alemão de Pesquisa Geológica GFZ disse na terça-feira que um sismógrafo em Bornholm mostrou picos às 00:03 GMT e às 17:00 GMT na segunda-feira, quando ocorreram as perdas de pressão.

  • Quem está investigando?

Para o vazamento do Nord Stream 2, o chefe da Agência de Energia da Dinamarca, Kristoffer Bottzauw, disse à Reuters que era muito cedo para dizer quem conduziria as investigações.

As Forças Armadas suecas, a Guarda Costeira, a Administração Marítima e outras autoridades relevantes do país estão tomando as medidas necessárias, disse a primeira-ministra sueca Magdalena Andersson. O Serviço de Segurança Sueco está agora conduzindo a investigação do lado sueco.

A Alemanha na segunda-feira disse que estava coordenando uma resposta com a polícia, autoridades locais e a agência de energia.

Sobre o autor Redação | Website

Para falar conosco basta enviar um e-mail para redacaomeioambienterio@gmail.com ou através do nosso whatsapp 021 989 39 9273.

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.

Este site usa cookies e outras tecnologias similares para lembrar e entender como você usa nosso site, analisar seu uso de nossos produtos e serviços, ajudar com nossos esforços de marketing e fornecer conteúdo de terceiros. Leia mais em Política de Cookies e Privacidade.